Fundação Vanzolini

A atuar de forma mais estratégica na gestão de dados, com foco na segurança e na privacidade. Ao conhecer a norma ISO 27701:2019 você aprenderá sobre padrões internacionais de proteção de dados, além de se preparar para apoiar organizações na adequação de processos para conformidade com a LGPD.

Veja tudo o que você vai aprender:

 

Obs.:
A realização deste curso está condicionada ao número mínimo de matrículas.
As vagas estão sujeitas à capacidade máxima da turma.

Na mesma velocidade em que a inovação avança, crescem também os perigos no mundo digital. As ferramentas tecnológicas, com base na Inteligência Artificial, como é o caso do famoso ChatGPT, estão entre as inovações que mais têm revolucionado as formas de produção e comunicação no mundo atualmente.

Junto com essa potência toda de transformar cenários e impulsionar negócios, chegam também ameaças maiores de ataques cibernéticos.

Isso porque a Inteligência Artificial tanto pode servir para o desenvolvimento de ferramentas colaborativas nos processos, como servir de instrumento de hackers.

Sendo assim, quando olhamos para empresas e a gestão de projetos, a segurança da informação ganha visibilidade e passa a ser uma prática fundamental para proteção de dados e para que as tecnologias disponíveis não sejam uma ameaça, mas sim uma aliada.

Quer entender mais sobre ChatGPT e cibersegurança? Então, siga com a leitura deste artigo que preparamos.

O que é o ChatGPT?

Bem, para começar, vamos falar sobre o que é o ChatGPT. A sigla se refere ao termo “Generative Pre-Trained Transformer”, que é um modelo de linguagem baseado na aprendizagem profunda – ou deep learning – um braço da Inteligência Artificial.

A ferramenta foi desenvolvida em 2019 pela empresa norte-americana OpenAI, que funciona como um laboratório de pesquisa em IA.

Dessa forma, o ChatGPT foi desenvolvido com os recursos da Inteligência Artificial e, na prática, a plataforma utiliza um algoritmo baseado em redes neurais, que permitem gerar uma conversa com o usuário, por meio do processamento de um imenso volume de dados.

Com isso, o ChatGPT tem feito muito barulho, pois sua tecnologia se apoia em milhares de exemplos de linguagem humana, transformando os dados coletados em textos mais humanizados.

Uma pergunta sobre um tema qualquer, dos mais variados assuntos possíveis, e o resultado vem em um texto estruturado. É um robô gerando conteúdo, que busca se aproximar ao máximo de uma criação humana.

Uma pergunta sobre um tema qualquer, dos mais variados assuntos possíveis, e o resultado vem em um texto estruturado. É um robô gerando conteúdo, que busca se aproximar ao máximo de uma criação humana.

ChatGPT e os ciberataques

Como falamos acima, o ChatGPT é uma ferramenta criada por meio da Inteligência Artificial (IA) e mostra como essa tecnologia tem evoluído, permitindo, assim, uma conversa bem mais natural entre pessoas e máquinas.

No entanto, é justamente essa aproximação com a linguagem humana que nos leva a pensar, cada vez mais, sobre a segurança on-line, já que a IA pode ser um instrumento de impactos negativos nas mãos de hackers, por exemplo.

Nesse sentido, pessoas mal-intencionadas podem fazer uso do ChatGPT para cometer crimes cibernéticos, como:

Desse modo, o desafio que envolve o ChatGPT e a segurança da informação está na possibilidade de hackers usarem a Inteligência Artificial para desenvolver ameaças cibernéticas mais sofisticadas, como o último item, os chamados e-mails de phishing (e-mails enganosos) realistas, que podem servir para roubar dados pessoais ou acessar contas on-line.

Ou seja, a mesma tecnologia da Inteligência Artificial que pode contribuir com a reunião de dados e a distribuição de informação pode, também, ser utilizada para aplicar golpes cibernéticos.

Temos aí um embate da inovação e esse antagonismo nos pede atenção e iniciativas de cibersegurança em ambientes comerciais, empresariais e até mesmo domésticos.

Inteligência Artificial e segurança da informação

Diante das questões colocadas, vale destacar a necessidade da relação cada vez mais afinada e próxima entre IA e segurança da informação. A segurança da informação é um conjunto de ações e estratégias que visam proteger os dados produzidos e armazenados em uma empresa.

Dessa maneira, para o Security Design Lab (SDL), rede global de pesquisa e desenvolvimento de cibersegurança, com operação na América do Sul e Europa, a Inteligência Artificial e a Segurança Cibernética estão trilhando caminhos de integração e a convivência entre ambas será inevitável.

Um fato que ilustra essa integração é a Microsoft, parceira da OpenAI, criadora do GhatGPT: enquanto anunciou a injeção de bilhões de dólares na evolução da ferramenta, fez, ao mesmo tempo, um anúncio de que irá dobrar o investimento em pesquisa e desenvolvimento em segurança cibernética, para cifras na casa de US$ 20 bilhões.

Ou seja, do mesmo modo que se investe na tecnologia para seu aprimoramento, é preciso investir em ferramentas capazes de fazer a sua proteção.

Uma evolução chama a outra e é preciso compreender que, hoje em dia, a segurança da informação não se trata apenas de fazer uso de um antivírus mais.

ChatGPT, segurança da informação e gestão de projetos

Depois de percorrido esse caminho para compreender o ChatGPT e sua relação com ataques cibernéticos, chegamos ao uso da Inteligência Artificial na gestão de projetos e em empresas, além do medo de um roubo de dados estratégicos.

Bem, como falamos anteriormente, é fundamental pensar em ações de segurança da informação, que envolvam boas práticas e políticas, chamadas de compliance, com foco em controlar os riscos e evitar qualquer tipo de ameaça à integridade, à confidencialidade, à disponibilidade e à autenticidade dos dados.

No entanto, o consultor da Fundação Vanzolini, José Finocchio, especialista em temas de gerenciamento de projetos, programas e portfólio, alerta que o ChatGPT não vai “roubar” as informações da maneira tradicional, como estávamos acostumados.

“A lógica do ChatGPT é uma lógica completamente diferente da lógica computacional que a gente está acostumado até hoje. O ChatGPT constrói uma rede neural, ou seja, mimetiza o cérebro humano. Assim, ele faz uma leitura da internet e vai fazendo conexões de dados e conceitos. Ele aprende com sua empresa, ele aprende com o conhecimento humano. Então, o computador, hoje, interpreta semanticamente as informações e te rouba. Desse modo, a segurança da informação também precisa mudar sua lógica para poder dar conta”, explica.

Ainda de acordo com o professor, mesmo que a empresa não permita o uso do ChatGPT na gestão de projetos, isso não significa que ela não poderá sofrer com os ataques cibernéticos.

“Não adianta dizer que não pode usar o ChatGPT, pois ele te “ouve” pelo celular, pela televisão, ele te lê pelas suas falas e vai captando as informações. E, além de ouvir, ele te compreende semanticamente. Esta é a evolução da Inteligência Artificial que atua pela comunicação natural”, ressalta Finocchio.

Portanto, diante dessa mudança na interpretação dos dados, da lógica por trás da ferramenta de IA e por todo o cenário digital atual, a segurança da informação tem novos – e mais difíceis – desafios para enfrentar diante da evolução da IA.

Então, a IA também deve evoluir em favor de mecanismos de cibersegurança, para colaborar com a proteção de empresas, projetos e pessoas no mundo virtual.

Por fim, vale pontuar que, na gestão de projetos, o uso adequado do ChatGPT pode tornar alguns processos mais ágeis e colaborar com a evolução da ideia. Além disso, é importante ressaltar que seu uso não significa, necessariamente, colocar os dados em risco.

Webinar | Como utilizar o ChatGPT na Gestão de Projetos?

Assista ao webinar completo agora mesmo para entender de que forma as Inteligências Artificiais, como o ChatGPT, estão revolucionando o gerenciamento de projetos.

Neste webinar, apresentamos uma das mais importantes transições da história da computação, que permite a utilização da linguagem natural para aliviar a carga de trabalho dos gerentes de projetos, ampliando suas habilidades:[vc_video link=”https://www.youtube.com/watch?v=Nkv5dgR9c18″]Este conteúdo foi útil para você? A Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área para você ampliar o seu repertório sobre o assunto e transformar a sua carreira.

 

Conheça os cursos de Segurança de Dados da Fundação Vanzolini.

 

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Você provavelmente já ouviu falar da LGPD, a Lei Geral de Proteção de Dados, que regula o uso e o tratamento de dados para proteção dos direitos de seus titulares, certo?

Neste texto, vamos abordar quando esse tipo de lei começou a ser implementada em outros países e no Brasil, bem como a ISO 27001, seus principais requisitos e como as empresas podem se preparar para obter uma certificação dessa norma. Tenha uma boa leitura!

A história da privacidade de dados 

Antigamente, o conceito de privacidade estava relacionado ao direito de “não ser perturbado” pelo Estado.

O primeiro passo nesse sentido foi em 1890, quando Samuel D. Warren e Louis Brandeis escreveram o artigo: “O Direito à Privacidade”, com base no argumento “o direito de ser deixado em paz”, utilizando a ideia como uma definição de privacidade.

Com a chegada dos computadores, houve uma conscientização sobre seu poder de processar, armazenar e manipular dados sobre indivíduos, o que levou, em 1979, ao surgimento das primeiras leis gerais de proteção de dados, promulgadas em alguns países da Europa, como Áustria, Dinamarca, França, República Federal da Alemanha, Luxemburgo, Noruega e Suécia.

Em abril de 2016, o Parlamento Europeu adotou a GDPR (General Data Protection Regulation), em português, “Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados”.

Importante mencionar que esse regulamento estabeleceu que os países da União Europeia poderiam realizar comércio e serviços, envolvendo dados pessoais, somente com países que contassem com uma legislação minimamente comparável com a deles.

Esse fato fez com que diversos países acelerassem a implementação de legislações de privacidade de dados, de forma a não perderem oportunidades de negócio e competitividade, em relação a outros países mais maduros nesse sentido.

Dessa forma, devido à necessidade de manter relações comerciais com a Europa e com o resto do mundo, o Brasil desenvolveu sua primeira legislação sobre o tema.

Após intenso debate técnico, foi promulgada a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em 2018, que entrou em vigor em agosto de 2020. Com a LGPD, os cidadãos brasileiros passaram a ter diversos direitos em relação ao uso de seus dados pessoais, bem como mais controle sobre eles.

No Brasil, da mesma forma que na Europa, a privacidade de dados passou a ser considerada um direito do cidadão e não apenas um direito do consumidor, como acontece nos Estados Unidos.

ISO 27001

Trata-se de uma norma internacional, criada em 2005 pela ISO – International Organization for Standardization e pela International Electrotechnical Commission, que atua na gestão da segurança da informação de uma empresa, por meio de um conjunto de requisitos, controles e processos organizacionais.

Assim, a ISO 27001 estabelece referências e práticas para o gerenciamento de riscos com relação à segurança da informação, protegendo a integridade, privacidade e a disponibilidade de dados essenciais (principalmente os sensíveis) retidos por uma organização.

A Fundação Vanzolini é uma certificadora da norma ISO 27001. Para saber mais informações sobre como certificar a sua organização, entre em contato.

Os principais requisitos da norma ISO 27001 e como se preparar para atendê-los

Segundo o site da Certifiquei, a empresa deverá gerenciar os seguintes tópicos:

  1. Entendimento do contexto da empresa: a primeira etapa compreende as características e necessidades da empresa, a fim de identificar e estabelecer as políticas e objetivos internos de segurança da informação;
  2. Avaliação dos riscos: o segundo passo é a realização da avaliação de riscos, ou seja, a identificação das fragilidades dos processos internos e os riscos que envolvem a segurança da informação. A partir disso, cria-se uma classificação de risco para os tópicos identificados;
  3. Implementação de controles operacionais: o terceiro passo visa a implementação de controles operacionais nos processos, com o objetivo de controlar, eliminar ou mitigar os riscos identificados na etapa anterior;
  4. Análise de eficácia: nessa etapa é preciso realizar uma análise dos resultados obtidos com a implementação dos controles operacionais, identificando aquilo que tem sido eficaz ou não. Essa é a fase em que a empresa realiza uma auditoria;
  5. Melhoria contínua: o último passo consiste em uma melhoria contínua, a partir da obtenção da certificação, garantindo que a organização esteja monitorando constantemente os riscos e possíveis novos controles operacionais.

Quer saber mais sobre como implementar e gerenciar um Sistema de Gestão da Segurança da Informação (SGSI) em sua empresa? A Fundação Vanzolini oferece o curso Interpretação dos Requisitos ISO 27001:2022, com 16h de duração, on-line ao vivo.

ENTRE EM CONTATO

Até a próxima!

Fontes:

certifiquei.com.br

Certificações empresariais são selos que atestam o compromisso de uma empresa em relação a suas obrigações legais, ambientais e sociais, representando um posicionamento de responsabilidade perante o mercado.

Nos últimos anos, as certificações empresariais ganharam ainda mais destaque, em razão da centralidade da agenda ESG (Ambiental, Social e Governança) nas organizações. Desse modo, atualmente, existem muitas certificações empresariais possíveis, e se perder entre as opções é fácil.

Então, para ajudar a identificar quais as principais certificações que sua empresa precisa ter para alcançar confiabilidade e garantir processos mais sustentáveis, além de entregas de maior qualidade, preparamos este artigo.

Acompanhe a leitura e conte com a Fundação Vanzolini para conquistar as certificações certas para seu negócio!

O que são certificações empresariais e qual a importância delas para os negócios?

Para começar, é preciso saber que as certificações das empresas – e também de organizações sem fins lucrativos – são a linha de chegada de um percurso que envolve conhecimento, aprendizado e engajamento.

As certificações empresariais são o resultado do comprometimento e têm como função melhorar os processos, produtos e serviços de uma organização, tornando-a melhor posicionada no mercado e aumentando seu potencial de competitividade.

São importantes também, muitas vezes, para determinadas transações comerciais, para fechamento de contratos e para o cumprimento de exigências legais. Há empresas que exigem determinados selos para fazer negócio com um possível fornecedor, por exemplo.

Assim, por meio dos caminhos percorridos para se obter uma certificação, há normas e padrões rígidos a serem seguidos, permitindo que o processo produtivo ganhe em qualidade e seja realizado segundo compromissos sociais, ambientais e econômicos firmados. A empresa ganha em melhoria de imagem dentro e fora da organização.

Desse modo, o investimento em certificações é capaz de expandir horizontes e conferir mais credibilidade para as empresas, seus stakeholders e colaboradores.

Então, as certificações empresariais agregam valor, pois:

Mas, em quais certificações devo investir para minha empresa contar com essas vantagens? Confira, a seguir, as principais certificações para seu negócio ganhar em robustez, processo, qualidade e compromisso ambiental e social.

Certificações e a Lei Geral de Proteção de Dados

Entre as certificações mais recomendadas estão as certificações ISO 27001 e 27701, oferecidas pela Fundação Vanzolini, que apresentam sistemas de gestão com foco em soluções para proteger os dados de clientes.

Em conjunto, a dupla de certificações colabora para que as organizações se adequem da melhor maneira à Lei Geral de Proteção de Dados, evitando vazamento de informações e comprometimento da imagem do negócio.

Dessa forma, a certificação ISO/IEC 27701 apoia as organizações nessa importante missão, ao fornecer, com base na ISO 27001, os requisitos para um sistema de gestão de privacidade da informação, capaz de atender às necessidades globais e particulares de cada empresa.

Vale destacar que 70% das empresas sofreram ataques que sequestram dados de seus sistemas, em 2022.

Assim, por meio da implementação dos requisitos das certificações ISO 27001 e 27701, é possível cumprir as diretrizes que orientam a operação, o monitoramento, a manutenção e a melhoria contínua do sistema de gestão da segurança da informação, promovendo confiança das partes, reduzindo riscos e conscientizando o pessoal sobre o uso de dados.

Certificações e Sistemas de Gestão

As certificações para sistemas de gestão são fundamentais para empresas que desejam aprimorar seus processos, produtos e serviços.

Nesse sentido, elas fornecem ferramentas essenciais para a melhoria contínua do processo, bem como para a confiança e satisfação dos clientes.

Além disso, as certificações de sistemas de gestão enfatizam o compromisso da empresa com o mercado e ajudam a obter uma vantagem competitiva ao:

Entre elas, podemos destacar:

●       Sistema de Gestão da Qualidade – SGQ (ISO9001)

A ISO 9001 é um sistema de gestão para empresas, com foco na melhoria de seu desempenho e processos internos. A norma especifica os requisitos do SGQ e certifica sua eficácia.

É o padrão mais famoso do mundo, adotado por empresas de qualquer setor, atividade ou porte que buscam aprimorar processos ineficientes e promover sua produção.

A norma elimina quaisquer inconsistências nas ofertas e procedimentos da empresa, graças ao qual o cliente pode ter confiança no resultado. Também determina a qualidade de cada projeto empreendido pela empresa.

●       Antissuborno (ISO 37001)

Esta norma contém diretrizes e requisitos para a criação de um sistema de gestão anticorrupção. O objetivo é combater o suborno, construir a confiança e cumprir as leis aplicáveis.

A estrutura da ISO 37001 garante que qualquer risco potencial de suborno possa ser antecipado. Portanto, ferramentas e procedimentos de sistema podem ser criados para a proteção contra atividades ilegais.

Isso melhora a reputação da empresa, favorecendo sua imagem pública. Além disso, gera confiança entre os stakeholders, pois as partes interessadas do negócio se beneficiam de sua legalidade.

●       Sistema de gestão da segurança de alimentos (ISO22000)

Esta norma foi criada para garantir a segurança dos alimentos, necessária para apoiar a saúde do consumidor, com produtos isentos de perigos.

Abrange todos os negócios da cadeia alimentar, sejam agricultores, pecuaristas, distribuidores de insumos, indústrias alimentícias, varejo, transporte, armazenagem ou produtores de equipamentos.

É essencial garantir que os alimentos estejam livres de agentes infecciosos ou elementos físicos, químicos ou biológicos, durante todos os processos pelos quais passam, e que coloquem em risco a saúde humana.

Certificações e Sistemas de Gestão de Qualidade

Ao se tratar de qualidade, chegamos à certificação ISO 9001, que tem o objetivo de incentivar a qualidade dos processos de uma organização, por meio da aplicação de requisitos de planejamento de atividades, definição de metas, implementação de planos de ação e relacionamento com clientes, fornecedores e colaboradores.

Desse modo, a certificação ISO 9001 serve para oferecer qualidade a todos os processos de uma empresa, elevando seus padrões.

Com esse objetivo, a certificação permite que haja mais interações entre os colaboradores e áreas de uma organização, promovendo maior eficiência e eficácia.

Talvez a ISO 9001 seja uma das certificações mais famosas, e uma das razões da sua popularidade está no fato que suas premissas podem ser implementadas por qualquer tipo de empresa industrial ou prestadora de serviços, de qualquer porte e de qualquer setor público e privado.

Separamos aqui alguns pré-requisitos para se implementar a certificação ISO 9001:

Mas se você ainda não sabe exatamente quais certificações buscar para sua empresa ou por onde começar, a Fundação Vanzolini oferece uma trilha de formações, porta de entrada para o conhecimento e aproximação com os selos de reconhecimento corporativo.

Veja só:

●    Interpretação dos Requisitos ISO 14001:2015

Curso de 16 horas, que oferece informações relevantes para aqueles que estão ingressando em atividades de implantação e de manutenção de Sistemas de Gestão da Ambiental, aderentes à norma ISO 14001.

●    Interpretação dos Requisitos ISO 27001:2022

Curso de 16 horas, que oferece informações relevantes para aqueles que estão ingressando em atividades de implantação e de manutenção de Sistemas de Gestão de Segurança da Informação, aderentes à norma ISO 27001.

●    Interpretação dos Requisitos ISO 45001:2018

Curso de 16 horas, que oferece informações relevantes para aqueles que estão ingressando em atividades de implantação e de manutenção de Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional, aderentes à norma ISO 45001.

●    Gestão de Riscos: Metodologia e boas práticas – ISO 31000

Curso de 16 horas, que oferece conhecimento para aqueles que estão ingressando em atividades de implantação e manutenção de Sistemas de Gestão de Riscos, aderentes à norma ISO 31000, e prepara o profissional que deseja atuar em várias áreas, sabendo identificar, avaliar, priorizar e tratar os riscos.

●    Interpretação dos Requisitos ISO 9001:2015

Curso de 16 horas, que oferece conhecimento para aqueles que estão ingressando em atividades de implantação e manutenção de Sistema de Gestão da Qualidade, aderentes à norma ISO 9001.

●    Interpretação dos Requisitos ISO 37001:2016

Este curso, de 16 horas, pretende oferecer informações relevantes para aqueles que estão ingressando em atividades de implementação e de manutenção de sistemas de Gestão Antissuborno, aderentes à norma ISO 37001.

Por fim, vale ressaltar que é fundamental ter domínio do negócio, saber qual sua principal demanda em relação à certificação, para atender clientes e parceiros e, a partir daí, iniciar a jornada.

Esperamos que este conteúdo possa ajudar no preparo e nas conquistas das certificações, permitindo que seu negócio suba um patamar no mercado e alcance melhores posições e resultados.

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira. Conte com a Fundação Vanzolini para trilhar um caminho de desenvolvimento e aprimoramento constantes.

Conheça os cursos da Fundação Vanzolini:

Cursos na área de Normas e Certificações

Curso ESG e Gestão da Sustentabilidade

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

As perdas por fraude têm ganhado destaque na imprensa nacional e despertam cada vez mais a atenção das empresas para a importância da cibersegurança. Os prejuízos podem alcançar a casa dos bilhões e comprometer, além do bolso, a imagem da organização.

“R$ 103 bilhões roubados: Brasil é o 2º país que mais sofre crimes cibernéticos na América Latina”; “As fraudes corporativas geraram cerca de US$ 130 bilhões em perdas para as empresas na América Latina”; “Ataques hackers causam prejuízos bilionários ao País”. Essas são algumas das manchetes mais recentes sobre os danos causados pelos crimes cibernéticos.

Então, saber como evitar e conter rapidamente situações de crimes cibernéticos são ações essenciais para os negócios em um mundo cada vez mais digital. Para isso, preparamos este artigo. Confira cases reais e veja como proteger sua empresa.

Ataques hackers e os prejuízos às organizações

Como falamos no início deste artigo, as notícias sobre ataques cibernéticos têm rendido páginas e páginas dos jornais e fica cada vez mais evidente a necessidade das empresas brasileiras se blindarem por meio de iniciativas de cibersegurança.

De acordo com reportagem publicada em janeiro deste ano, no site da Época Negócios, as fraudes corporativas geraram cerca de US$ 130 bilhões em perdas para as empresas na América Latina, segundo a estimativa da consultoria McKinsey.

No Brasil, 32% das empresas reconhecem que as perdas por fraude representam mais de 10% da geração de caixa operacional (medida pelo Ebitda, lucro antes do pagamento de juros e amortizações). Para 57% das empresas na América Latina, o impacto representa mais de 5% do Ebitda.

Ainda nessa reportagem, a consultoria McKinsey aponta a falta de um setor dedicado à prevenção nas empresas, que permitiria identificar casos de forma mais proativa. A empresa estima que seria possível reduzir as perdas com fraudes em US$ 35 bilhões a US$ 65 bilhões com prevenção.

Já em outra publicação do site da Exame, de 2023, uma pesquisa realizada pela empresa de segurança Fortinet mostrou que o Brasil registrou, em 2022, cerca de 103,1 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos. O número representa um crescimento de 16% nos ataques desse tipo, em relação ao ano anterior, de 2021, quando foram registrados 88,5 bilhões de ataques cibernéticos no período de 12 meses.

E nem mesmo a esfera pública está a salvo dos ataques de hackers. No sábado de carnaval (10), o perfil da Câmara dos Deputados no X (ex-Twitter) foi atacado por hackers, de acordo com matéria divulgada no jornal O Estado de S. Paulo.

Importância da cibersegurança para evitar ataques

Diante de números tão alarmantes em relação à segurança cibernética em empresas e instituições, fica evidente a necessidade de se buscar medidas para proteger dados, informações, sistemas e transações. E, para isso, temos a cibersegurança, que é, na verdade, uma parte da segurança da informação, e seu papel é impedir que a empresa sofra ataques cibernéticos.

Desse modo, a cibersegurança é responsável por prevenir problemas com a gestão de informações que é feita pelos softwares e máquinas, no trânsito e armazenamento de dados. Então, a função da cibersegurança é proteger a informação digital armazenada ali.

Com uma proteção eficiente, as chances de ataques reduzem e os danos causados por eles também. No entanto, mais do que adquirir sistemas de segurança, ferramentas e programas, é preciso investir na cultura de cibersegurança, é preciso que a mensagem de proteção e cuidado esteja, de fato, no dia a dia da corporação.

Além disso, é preciso investir em profissionais especializados em cibersegurança para uma atuação mais efetiva, preventiva e assertiva. Mas como fazer isso? Veja a seguir quais caminhos possíveis para investir em cibersegurança e evitar prejuízos financeiros e de reputação.

Formação, capacitação, liderança e certificação em cibersegurança na Fundação Vanzolini

A prevenção é a melhor ação quando se trata de crimes cibernéticos e, pronta para atender às demandas das organizações dos tempos atuais, a Fundação Vanzolini conta com curso de formação em Cibersegurança, que oferece recursos importantes para garantir a integridade de informações e sistemas.

Por meio do curso, os alunos vão conhecer os riscos e aprender práticas de proteção contra ataques cibernéticos. Trata-se, portanto, de um conhecimento essencial para qualquer profissional atuar na era digital.

Outra maneira de garantir a proteção de dados e informações da organização é com a implementação das normas ISO 27001 e 27701.

Ao seguir a estrutura determinada pelas normas, as empresas cumprirão as exigências necessárias para garantir a proteção de dados.

A Fundação Vanzolini oferece capacitação para que os profissionais responsáveis pela área possam alcançar os padrões exigidos e, assim, obter as certificações. Com isso, é possível elevar o patamar da empresa em relação ao tema da cibersegurança e melhor posicionar sua imagem perante o mercado.

Por fim, lembrando sempre que a cibersegurança exige, além de ferramentas, cultura, engajamento e comprometimento, a Fundação Vanzolini oferece o curso Cibersegurança, que tem como finalidade formar profissionais especializados no tema.

Trata-se de um curso que é a porta de entrada para se tornar um líder de destaque na segurança cibernética em um mundo cada vez mais digital, orientado por dados e, como vimos, cada vez mais alvo de criminosos virtuais.

Desse modo, ao concluir a formação, o profissional será um especialista em segurança cibernética, habilitado para liderar sua organização na era da IA, protegendo dados valiosos e navegando com confiança pelo cenário digital em constante evolução.

Sendo assim, por meio do conhecimento prático e teórico relacionado à cibersegurança, as organizações têm mais recursos para se blindarem dos ataques de hackers e evitarem prejuízos econômicos e de imagem.

Este conteúdo foi útil para você? Se você deseja aprender mais sobre proteção contra crimes cibernéticos, conte com as possibilidades em cibersegurança oferecidas pela Fundação Vanzolini.

Conheça os cursos de Novas Tecnologias para Negócios da Fundação Vanzolini.

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Fontes:

estadao.com.br/politica/vera-rosa/ataques-hackers-causam-prejuizos-bilionarios-ao-pais-e-lula-quer-criar-agencia-de-ciberseguranca/

epocanegocios.globo.com/empresas/noticia/2024/02/empresas-da-america-latina-perdem-us-130-bilhoes-ao-ano-com-fraudes.ghtml?utm_source=the_news&utm_medium=newsletter&utm_campaign=02-02-2024

exame.com/future-of-money/r-103-bilhoes-roubados-brasil-e-o-2o-pais-que-mais-sofre-crimes-ciberneticos-na-america-latina/?utm_source=the_news&utm_medium=newsletter&utm_campaign=02-02-2024

Capacitação em cibersegurança é um dever do profissional de desenvolvimento de software: conheça as razões dessa afirmação  e como se destacar na área.

No desenvolvimento de software, deve-se considerar a segurança do início ao fim do projeto, pois criar uma ferramenta segura é a base de tudo e o princípio pelo qual os usuários a buscam.

Nesse contexto, deixar essa prática de lado pode arriscar todo o planejamento, assim, você deve voltar-se à capacitação em cibersegurança.

Até porque, atualmente, as ameaças vêm de todos os “lados” e estão cada vez menos perceptíveis, ou seja, por não serem facilmente detectadas, torna-se mais fácil cair em armadilhas cibernéticas.

Isso significa que os desenvolvedores devem compreender os diferentes tipos de ameaça que um software pode enfrentar, dos malwares aos ataques de negação de serviço, e o malefício mais frequente atualmente, a violação de dados.

Com isso, os profissionais devem, sim, abordar a segurança como uma prioridade fundamental, não somente como um acessório no desenvolvimento, mas sim como princípio.

Garantir que todas as etapas do desenvolvimento estejam conforme as premissas da cibersegurança é uma prática essencial, mas como colocá-la em vigor? Acompanhe!

Regras básicas para um desenvolvimento seguro

Há um conjunto de regras fundamentais para padronizar as boas práticas de criação e os desenvolvedores devem seguir tais diretrizes, para assegurar a confiabilidade dos softwares.

Nesse caso, algumas das regras, em geral, são:

Além das normatizações mais generalistas,  igualmente atente-se para:

Revisar o código

A revisão do código é uma ação importante no decorrer da criação, pois isso garante a adequação da configuração, fazendo com que ela seja resistente aos possíveis ataques.

A constante inspeção não deve ser subestimada, pois serve como um guia para a equipe responsável, que fica incumbida de realizar os testes mais comuns e certificar a confiabilidade da ferramenta.

Em resumo, o momento da revisão serve para encontrar brechas despercebidas ao longo do processo, que podem colocá-lo em risco. Esta prática é uma das mais abordadas em uma capacitação em cibersegurança.

Criar um ambiente seguro como um todo

Fornecer segurança por meio dos códigos é algo amplamente discutido, porém, às vezes, esquecido, refere-se a criar um ambiente físico seguro, além da seguridade digital.

Assim, deve-se estruturar um ambiente no qual não haja vestígios de vulnerabilidade nos espaços físicos em que a criação ocorre. Um exemplo, é implementar um sistema de controle de acesso aos setores responsáveis pelo desenvolvimento.

Além disso, ainda vale isolá-los para impedir o acesso de pessoas não autorizadas, para assim garantir a integridade de todas as fases do processo. Confiança deve, sim, estar inerente à cultura da empresa, mas, nesses casos, certas medidas são indicadas.

Focar na segurança dos métodos de transferência e armazenamento

Outra ação fundamental é a comunicação segura, isto é, definir diretrizes cujo papel seja o de garantir a transmissão segura de dados entre os sistemas. Basicamente, a comunicação divide-se em três níveis:

Leia mais: Segurança da informação: ISO 27001 Metodologia e boas práticas

Conheça duas abordagens eficientes que garantem a segurança do início ao fim

Nenhum processo relacionado à segurança deve ser descartado, devido à agilidade das ameaças veladas, então, todo cuidado é necessário. Por esse motivo, conheça duas abordagens responsáveis por auxiliar a manter a integridade e confiabilidade do software produzido.

KPIs

KPIs são métricas de avaliação de desempenho utilizadas para medir a performance de uma equipe, principalmente relacionada à gestão de projetos. Assim como há o processo de revisão de dados, a “revisão” do rendimento do time é igualmente necessária.

Isso porque, caso haja quaisquer comprometimentos responsáveis por prejudicar o andamento do programa, eles poderão ser ajustados, sendo esses ajustes o aperfeiçoamento de técnicas ou a escolha de metodologias mais eficazes, por exemplo.

Em relação à cibersegurança de softwares, os KPIs têm função de medi-la e, nos casos em que houver falhas, a equipe poderá saná-las por meio de métodos mais seguros.

SDL

O SDL (Security Development Lifecycle), ou, em português, Ciclo de Desenvolvimento Seguro, é um processo importante no desenvolvimento de softwares, pois atesta a segurança do projeto do início ao fim, a partir de: identificação e mitigação de vulnerabilidades de segurança; realização de revisões de código; testes de segurança e adoção de práticas seguras de codificação.

Importância da capacitação em cibersegurança

Até aqui, citamos processos fundamentais de segurança cibernética, mas, na prática, para garantir a seguridade das ferramentas desenvolvidas,  a capacitação é necessária.

Conhecer a teoria por cima, assim como as definições citadas neste artigo, faz com que os profissionais descubram caminhos para o melhor exercício de suas ocupações. No entanto, a capacitação em cibersegurança será, de fato, o guia definitivo para não correr riscos.

Na área da tecnologia, atualizar-se em relação às práticas de trabalho deve ser encarado como uma obrigação, e não como um diferencial. Afinal, todos os dias são termos, métodos, técnicas e até ameaças diferentes.

Pensando nisso, a Vanzolini desenvolveu o curso de Cibersegurança. Destaque-se na Era da IA com uma formação completa para você se tornar líder de segurança cibernética nas organizações, conhecendo métodos modernos para aplicar a IA na defesa de ameaças virtuais cada vez mais sofisticadas.

Clique no link em destaque e receba o programa completo, com Inovação e Tendências Futuras, para mantê-lo sempre atualizado conforme as demandas!

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira.

Conheça os cursos de Segurança ​de Dados da Fundação Vanzolini.

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Fontes:

trt4.jus.br/portais/media/175722/guia-desenvolvimento-seguro-2018.pdf

blog.convisoappsec.com/seguranca-no-desenvolvimento-de-softwares/

Quer aprender a proteger seus dados e sistemas contra ameaças cibernéticas? Este minicurso gratuito de cybersegurança é perfeito para você! Durante quatro aulas dinâmicas e informativas, você será introduzido ao fascinante mundo da cibersegurança, explorando desde os conceitos fundamentais até as práticas mais avançadas de proteção.

Conteúdo das Aulas:

Aula 01: Fundamentos de Segurança e Aspectos Jurídicos e Éticos
Desvende os segredos da segurança da informação.
Conheça os fundamentos essenciais e as responsabilidades legais e éticas.
Explore casos práticos e descubra como proteger dados de forma ética.

Aula 02: Gestão de Riscos, Compliance e Governança de TI
Domine a arte da gestão de riscos e compliance.
Descubra estratégias eficazes de governança de Tecnologia da Informação.
Aprenda a manter a conformidade com normas e regulamentos.

Aula 03: Gestão de Incidentes e Planejamento da Segurança
Prepare-se para a resposta eficaz a incidentes.
Desenvolva planos de segurança sólidos.
Aprimore suas habilidades de gestão de incidentes.

Aula 04: Gerenciamento de Equipes e Tendências Futuras
Liderança eficaz na segurança da informação.
Explore tecnologias emergentes e desafios futuros.
Descubra estratégias para manter sua equipe à frente das tendências.

Certificação: Você receberá uma certificação ao concluir o minicurso.

Bolsas de Estudo: Ao completar o curso, você pode ganhar bolsas de até 50% de desconto no curso de Analista em Cibersegurança.
Serão disponibilizadas três bolsas de estudos de 50%, 30% e 10%, respectivamente para o primeiro, segundo e terceiro aluno(a) que concluir o minicurso com nota 10 de aprovação. Importante ressaltar que as bolsas só serão concedidas após a viabilização da turma. A divulgação dos vencedores será no dia 27 de fevereiro de 2024.

Garanta sua vaga agora e esteja pronto para enfrentar os desafios da cibersegurança!

Conheça os casos reais em que o vazamento de dados gerou impacto financeiro e na reputação das empresas e saiba como evitar esse problema.

Dados vazados resultam em muita dor de cabeça e muito dano no bolso das organizações. Quando uma empresa sofre com o vazamento de dados, ela tem, de cara, dois prejuízos para lidar: o financeiro, por conta das multas aplicadas, e o reputacional, por conta da imagem afetada perante o mercado.

Esses são os altos custos quando há uma ocorrência de fuga de dados. O impacto financeiro das multas – resultantes de uma violação de dados -, podem chegar a milhões de dólares e gerar uma crise paralisante no caixa organizacional. Mas não são somente as multas pesadas.

Os danos à reputação, causados por um vazamento de dados, podem ser igualmente devastadores para os negócios.

Então, para tratar desse tema delicado e bastante relevante no contexto empresarial, preparamos este artigo, no qual exploramos o alto custo dos vazamentos de dados e as consequências e implicações financeiras, além da reputação, que as empresas podem enfrentar, quando não protegem suas informações confidenciais com eficiência.

Dessa maneira, vamos mostrar casos reais, com o objetivo de compreender a magnitude do problema. Além disso, vamos falar da importância de se implementar medidas de segurança eficazes e de se investir em estratégias robustas de proteção de dados para evitar vazamentos.

Prontos?

O vazamento de dados e seus prejuízos financeiros

Para começar, vamos entender melhor o que é o vazamento de dados, também chamado em inglês de data leak. O vazamento de dados está relacionado ao acesso indevido a dados confidenciais e sigilosos por pessoas não autorizadas.

Sendo assim, o vazamento de dados pode ocorrer de forma acidental, quando os sistemas de segurança online não funcionam como deveriam, ou por uma intenção consciente, quando hackers invadem esses sistemas.

De uma maneira ou de outra, os danos para as empresas que têm seus dados expostos podem ser imensos. Isso porque há multas pesadas e toda uma estratégia para reposicionar a marca, “limpando” sua imagem perante o mercado.

Segundo reportagem no Canaltech, no Brasil, esse tipo de ocorrência gera um prejuízo médio de R$ 5,8 milhões por ano.

Além disso, o Brasil também aparece entre os 20 territórios nos quais as investidas desse tipo são mais custosas para as corporações, gerando um aumento de 10,5% nos valores que as empresas tiveram de empregar na mitigação, controle e resolução de incidentes em casos de vazamento de dados.

Na mira dos hackers

Não é à toa que o Brasil gaste tanto com os prejuízos dos vazamentos de dados. O país é um dos mais visados quando o assunto é ataque digital e cibersegurança.

Em 2022, quase 70% das empresas no Brasil sofreram algum ataque cibernético com sequestro de dados, segundo o relatório anual The State of Ransomware da Sophos, da empresa global especializada em cibersegurança.

De acordo com levantamento, o total de registros em 2022 foi 13% superior ao do ano anterior. A pesquisa entrevistou líderes de empresas de médio porte em 14 países, incluindo 200 organizações no Brasil. Entre as empresas brasileiras, 68% disseram ter sido vítimas de ataques.

Outro dado importante é que, de janeiro a novembro de 2021, 24,2 milhões de perfis de brasileiros tiveram suas informações expostas na internet a partir de ataques ou brechas em sistemas. Na ocasião, o Brasil assumiu o 6º lugar no ranking de países com mais vazamentos de dados no mundo.

Quais os tipos de vazamento?

Entre as maneiras mais comuns de ocorrência de vazamento de dados, podemos destacar:

Senhas fracas e controle de acesso falho

Pode parecer besteira, mas uma senha fraca pode ocasionar um vazamento de dados. Mas, até mesmo as melhores senhas podem ser inúteis frente a uma configuração de sistema precária que deixa seu banco de dados vulnerável.

SQL Injection

Trata-se de um tipo de ataque simples e requer conhecimento técnico mínimo para ser realizado.

No SQL Injection, o hacker explora a falta de segurança de websites para obter acesso não autorizado à base de dados. É um ataque simples, e ainda pode ser automatizado.

Phishing

Aqui temos algo um pouco mais complexo, já que esse tipo de ataque requer engenharia social para a manipulação de pessoas e obtenção de dados sensíveis. Um exemplo é o e-mail falso, feito para parecer real ou similar a algum e-mail conhecido.

Desse modo, este e-mail pode pedir informações, oferecer um crédito ou qualquer outra coisa e, ao clicar nos links do e-mail, a pessoa acaba instalando malwares, spywares ou mesmo ser direcionada para logins falsos em páginas similares às conhecidas.

Exploração de Vulnerabilidades

Nesse caso, o ataque tira proveito de vulnerabilidades ou bugs de softwares para obter acesso não autorizado a um sistema ou aos seus dados.

Sistemas operacionais, navegadores e aplicações populares são alguns dos principais alvos e existem até exploit kits, que tornam simples a exploração de vulnerabilidades sem conhecimento técnico por criminosos.

Vazamento de documentos impressos

Documentos impressos também podem ser vazados. Isso porque muitos documentos ficam expostos ou abandonados em impressoras e mesas no ambiente corporativo. A vulnerabilidade também mora aí.

Por isso, um software de impressão segura é uma boa medida quando se trata da segurança dos dados impressos.

Conheça as leis voltadas à proteção de dados

Com o intuito de inibir e punir os crimes cibernéticos, o Brasil conta com leis específicas, voltadas para a proteção de dados. Entre elas, está a mais conhecida, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), de 2018, que

dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.”

Embora a LGPD não determine sanções para o vazamento de dados especificamente, ela prevê punições e multas para as empresas que forem denunciadas e tiverem comprovada a falta de cuidado com os dados coletados em seus sites.

Há também a Lei 12737, de 2012, que caracteriza como crimes cibernéticos:

“A invasão a dispositivos por violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados, ou informações sem autorização expressa, ou tácita do titular do dispositivo, ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita” ;

“Interrupção ou perturbação de serviço telegráfico, telefônico, informático, telemático ou de informação de utilidade pública”;

“Falsificação de documento particular”;

“Falsificação de cartão de crédito ou débito”.

Já a Lei 14.155/21, sancionada em 2021, estabelece maiores penas por crimes de furto e estelionato que partem de celulares, computadores e dispositivos eletrônicos, em razão do aumento dos casos e da gravidade das ações e consequências dos crimes cibernéticos.

A legislação brasileira busca fechar o cerco aos ataques cibernéticos e para além das multas, há casos previstos de reclusão do criminoso. 

Dessa forma, é possível compreender que o vazamento de dados é um crime, algo grave, sério, passivo de multas altas e de prisão.

Por isso, ao compreender o impacto financeiro e reputacional de violações de dados, as empresas devem tomar medidas proativas para proteger os seus valiosos ativos de dados e salvaguardar a sua reputação em um mundo cada vez mais digital.

Veja as cinco principais consequências do vazamento de dados para as empresas:

1. Exposição de informações confidenciais

O tempo todo, sem parar, grandes volumes de dados trafegam pelas redes das empresas, incluindo informações confidenciais de clientes, parceiros e colaboradores, relatórios financeiros, etc.

Com um vazamento de dados, todas essas informações podem cair nas mãos de criminosos e se tornar mercadoria, comercializada de forma ilegal.

2. Extorsão e chantagem

O vazamento de dados pode ser moeda de troca e motivo de chantagem. No Brasil, um dos maiores responsáveis pelo vazamento de dados é o ataque de ransomware. Nesse tipo de invasão, o criminoso se apropria do dispositivo da vítima, impedindo seu acesso a dados ou a todo o sistema operacional.

Então, para restabelecer o acesso do usuário, o cibercriminoso exige resgate, normalmente em criptomoedas. Mas o que acontece é que, mesmo mediante ao pagamento, não há garantias de que o hacker irá cumprir o acordo e devolver os acessos. Ele ainda pode expor todas as informações contidas ali.

3. Interrupção de serviços

Quando uma organização sofre um ataque de ransomware ou DoS (Ataque de Negação de Serviço), por exemplo, ela fica parcialmente incapaz de acessar os seus dados e de interagir com os seus clientes.

O restabelecimento das atividades pode levar desde algumas horas até dias, gerando prejuízos e afetando a produtividade da empresa.

4. Impacto negativo na imagem da empresa

Como falamos no início deste texto, um dos prejuízos causados pelo vazamento de dados é o reputacional.

Uma marca com dados sigilosos vazados pode ter sua integridade afetada perante o mercado, e a reconstrução da reputação pode levar muito tempo.

Além disso, a repercussão negativa pode fazer com as pessoas se afastem do negócio, com medo de compartilhar suas informações com uma empresa que já foi alvo de um ataque cibernético. Uma consequência bastante complicada para uma organização que verá seu faturamento despencar.

5. Multas e penalidades legais

Como citamos acima, existem leis que tratam de crimes cibernéticos e visam proteger os dados. Quando as empresas estão em desacordo, elas podem sofrer com as penalidades.

No caso de organizações que tiveram vazamento de dados comprovado, as penas podem variar de advertência até multa, que pode chegar a 2% do faturamento anual da empresa, limitada a R$ 50 milhões por cada infração cometida.

Casos de incidentes de vazamento de dados no Brasil e suas consequências

Como forma de ilustrar e tornar mais palpável a questão do vazamento de dados, apresentamos alguns casos que ficaram famosos no Brasil. Por meio dessas situações, é possível compreender melhor a gravidade e as consequências de uma segurança digital falha e vulnerável.

Operação Deepwater

A operação Deepwater foi deflagrada pela Polícia Federal, em 2021, com o objetivo de combater o crime de vazamento de dados.

A iniciativa partiu da apuração de um desvio em larga escala, em que inúmeros números de CPFs e CNPJs foram divulgados em fóruns obscuros de troca de informações sigilosas.

Os cibercrimes chegaram ao conhecimento das autoridades por meio de denúncia e os criminosos foram presos nos estados de Pernambuco e Minas Gerais.

Dados do Ministério da Saúde

Um caso de vazamento de dados na esfera pública ocorreu em 2020, quando golpistas se aproveitaram de falhas para obter dados sigilosos do Ministério da Saúde.

O ciberataque levou à divulgação indevida de dados de 243 milhões de pessoas – uma quantidade de nomes maior do que toda a população brasileira.

Nessa situação, o volume muito acima da população se deu por conta do vazamento de dados de pessoas já falecidas, cujas informações seriam usadas para praticar novos crimes.

Golpe do Pix

O PIX se tornou rapidamente um meio comum para aplicar golpes e sua facilidade em fazer transferências digitais virou alvo dos hackers.

Um estudo divulgado em setembro de 2023 mostrou que os brasileiros sofreram 1,7 milhão de golpes financeiros via Pix em 2022.

De acordo com a pesquisa da Silverguard, quatro em cada dez entrevistados foram vítimas de alguma tentativa de fraude ao usar esse meio de pagamento. Dentre os alvos de enganações, um em cada cinco caiu no golpe.

Em um dos casos de vazamento de dados e golpe via Pix, a 2ª Vara do Juizado Especial Cível de São José dos Campos condenou um banco a pagar R$ 32.800,00 a uma correntista.

Na ocasião, o juiz entendeu que a vítima caiu no golpe depois de ter seus dados vazados pela instituição financeira e, por isso, o banco deveria responder ativamente pelos danos causados em razão das falhas no seu sistema de segurança.

A importância da segurança dos dados, da tecnologia e de medidas proativas

Segurança, esta é a palavra de ordem quando se trata de proteção de dados. O investimento em cibersegurança é a maneira mais eficiente de evitar o vazamento de informações sigilosas.

Um relatório aprofundado, conduzido pelo Ponemon Institute, sobre as violações de dados em todo o mundo, entre março de 2022 e março de 2023, identificou que Inteligência Artificial (IA) e automação impulsionam a velocidade de identificação e contenção, em casos de ciberataques nas organizações analisadas.

Desse modo, no Brasil, as organizações com uso extensivo de IA e automação experimentaram um ciclo de violação de dados que foi 68 dias mais curto, em comparação com aqueles que não implantaram essas tecnologias. No entanto, apenas 23% das empresas estudadas no Brasil estão usando de forma extensiva a segurança impulsionada por IA e automação – 17% menos do que a média global.

Importante destacar que o tempo necessário para identificar e conter uma violação impacta o custo geral da violação de dados.

Nesse sentido, de acordo com o relatório, no Brasil, se uma empresa gasta menos de 200 dias contendo o incidente, o custo médio é de aproximadamente R$ 5,11 milhões, mas, se passar de 200 dias, o custo pode subir para R$ 7,31 milhões.

Portanto, diante do alto custo, tanto financeiros quanto de reputação nos casos de vazamento de dados, é fundamental que as empresas invistam em práticas, programas e formações voltadas à segurança da informação.

As ações podem estar relacionadas ao reforço da proteção dos dados com softwares robustos e às políticas internas, capazes de educar os colaboradores frente às possíveis situações de ataques cibernéticos.

Por fim, para evitar o vazamento de dados, conter mais rapidamente os dados e preservar o bolso e a imagem da empresa, é essencial contar com um pessoal preparado, com conhecimento em cibersegurança e domínio de ferramentas e métodos de proteção da informação. Tudo com eficiência e seriedade.

Quer saber como a Fundação Vanzolini pode ajudar sua empresa com cursos, certificações e formações ligadas à Segurança da Informação e à Cibersegurança? Então acesse nosso site e veja as possibilidades!

Conheça as certificações: ISO 27001 e ISO 27701

Conheça os cursos de Segurança de Dados da Fundação Vanzolini.

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Fontes:

canaltech.com.br/seguranca/vazamentos-de-dados-geram-prejuizo-medio-de-r-58-milhoes-no-brasil-184759/

istoedinheiro.com.br/seguranca-de-dados-brasil-e-o-6o-pais-com-mais-vazamentos-diz-pesquisa/

tiinside.com.br/24/08/2023/custos-de-violacao-de-dados-no-brasil-reduzem-para-r-640-milhoes/

istoedinheiro.com.br/tecnologia-x-seguranca-da-informacao-entenda-diferencas-e-como-atuar-na-area-com-demanda-crescente-no-brasil/

cnnbrasil.com.br/economia/mais-de-17-milhao-de-golpes-com-pix-foram-aplicados-em-2022-mostra-levantamento/

Conheça os padrões ISO de segurança e conquiste a confiança de seus clientes ao seguir as principais normas de proteção de informações.

Os padrões ISO de segurança se referem ao termo International Organization for Standardization, entidade responsável por desenvolver e publicar padrões de processos que visam qualidade, segurança e eficiência de serviços, produtos e sistemas. 

Neste artigo, falaremos sobre as ISO 27001 e 27701, que têm como atribuições zelar, principalmente, pela segurança e sigilo de dados cibernéticos de empresas públicas ou privadas. 

Recentemente, dados do Facebook, ChatGPT, de órgãos de saúde e de uma determinada empresa do ramo imobiliário sofreram com o vazamento de dados. As organizações, além de arcar com prejuízos financeiros, devido aos danos morais, ainda perdem a confiança e credibilidade. Por fim, a perda de clientes é uma das piores consequências. 

Para tornar sua empresa segura a todos, continue lendo este artigo e saiba como não passar por nenhuma dessas situações que levam uma instituição a perder sua credibilidade e confiabilidade. 

ISO 27001 e 27701: qual a diferença?

A ISO 27001 é uma certificação destinada a empresas de instituições públicas ou privadas que prezam pela segurança da informação, conforme os padrões do Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI). 

A SGSI, por sua vez, é um conjunto de políticas, normas e protocolos processuais voltados para gerenciar os riscos e reduzir os danos causados pela falta de segurança dos dados de uma organização. Nesse sentido, a ISO oferece maior segurança, confidencialidade e integridade no armazenamento de informações. 

Quanto a ISO 27701, é uma extensão da 27001. Enquanto a 27001 diz respeito ao Sistema de Gestão e Segurança de Informação, a 27701 se refere ao Sistema de Gestão de Privacidade da Informação (SGPI). Portanto, a 27701 protege, exclusivamente, dados pessoais dos clientes, funcionários e demais parceiros. 

Qual escolher? 

Ambas certificações são importantes, pois como citamos, uma complementa a outra e são imprescindíveis no quesito segurança cibernética. Nesse caso, o ideal é iniciar pela 27001, visto que a 27701 é uma extensão da primeira e não pode ser implementada sem ela. Ao optar pelas duas, você terá a certeza de que está no caminho mais seguro, sem deixar lacunas na proteção dos dados da instituição. 

Para quem é o padrão ISO de segurança 27001/27701

A certificação é ideal para instituições que lidam com informações importantes e sensíveis (sigilosas ou não), dados pessoais e empresariais de clientes, pessoas físicas ou jurídicas, informações financeiras, de propriedade intelectual, etc. 

As principais organizações que buscam pela certificação ISO são: 

Embora as instituições acima sejam as que mais comumente procurem pela certificação, qualquer empresa preocupada em oferecer segurança aos seus clientes pode obtê-la, pois a ISO 27001 possui muitos benefícios em relação a isso. 

Por que as certificações são importantes? 

Existem vários casos de vazamento de dados, incluindo de empresas gigantes como a Meta (Facebook, Instagram e WhatsApp). Em 2021, ocorreu uma divulgação indevida de dados que afetou 533 milhões de pessoas, em 106 países. 

Após esse episódio, a companhia deverá pagar mais de R$70 milhões em danos morais. E, além do prejuízo financeiro, os usuários passaram a não confiar mais nos aplicativos. 

Se tal situação ocorre com uma das maiores e mais importantes organizações tecnológicas do mundo, pode-se dizer que todos estão suscetíveis à insegurança. Por isso, atender aos padrões ISO de segurança é uma indicação de que a empresa: 

Como consequência a todos os aspectos citados, as empresas aumentam a confiança dos clientes e podem aumentar sua demanda, pois, com os casos frequentes de vazamento, os parceiros optam por quem cuida da segurança cibernética. 

Ou seja: menos críticas e imprevistos e mais parceiros interessados no trabalho da instituição! 

Leia mais: Proteção a fraudes: saiba mais sobre as normas ISO/IEC 27001 e 27701

Como conseguir a certificação ISO 27001?

A Fundação Vanzolini é uma certificadora da norma ISO 27001. Além disso, a Fundação ainda oferece um curso de interpretação dos requisitos. Isso porque as normas possuem exigências a serem cumpridas. 

Os cursos de Interpretação dos Requisitos ISO 27001:2022 têm como objetivo:

O conteúdo programático do curso consiste em: 

Quanto ao curso referente às normas ISO 27701, confira os principais conteúdos abordados:

Leia mais: Como funciona a manutenção das certificações ISO 27001 e 27701

Atender às normas, em um primeiro momento, pode parecer uma tarefa complicada para as equipes despreparadas. Então, cursos relacionados a elas são fundamentais para o processo transcorrer da melhor forma e também rapidamente. 

Entre em contato e esteja nos padrões ISO de segurança. Com todas as ferramentas em mãos, a empresa estará pronta para receber a certificação e conquistar a confiança dos clientes e demais parceiros. 

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira.

Conheça os cursos de Segurança de Dados da Fundação Vanzolini.

Auditoria remota – como fazer e responder a auditorias remotas

Gestão de Riscos: Metodologia e boas práticas – ISO 31000

Interpretação dos Requisitos ISO 37001:2016

LGPD na prática: Como implantar a Lei Geral de Proteção de Dados na sua empresa

LGPD para áreas Administrativas e Financeiras

LGPD para áreas com Relacionamento com Clientes ou Fornecedores

LGPD para área Compliance

LGPD para área de Recursos Humanos

LGPD para área de Tecnologia da Informação

LGPD para área Jurídica

LGPD para DPO ou Encarregado de Dados

Segurança da Informação e Privacidade de Dados Pessoais, conforme a norma internacional ISO 27701:2019

IQNET: ISO 27001 – Auditor Líder

Interpretação dos Requisitos ISO 27001:2022

Sistema de Gestão de Ativos – Requisitos ISO 55001

Sistema de Gestão de Compliance – Como um sistema de gestão pode apoiar as organizações na cultura positiva do Compliance ISO 37301

ENTRE EM CONTATO

Líder, conheça as mais efetivas práticas de gestão de riscos de TI e faça da segurança cibernética uma cultura forte entre a sua equipe

O roubo, manipulação e exposição de dados sigilosos são cada vez mais constantes e, para sua empresa não passar por nenhum desses transtornos, uma coisa é fundamental: a gestão de riscos de TI.

Caso seja um líder, saiba que pode influenciar a cultura de segurança, tomar decisões estratégicas e liderar equipes para proteger ativos digitais e mitigar riscos cibernéticos.

Essas estratégias de segurança garantem o sigilo de dados sensíveis, tanto pessoais como corporativos e de propriedade intelectual, e também impedem as más consequências dessas práticas. Neste artigo, saiba quais são as principais ações que devem ser tomadas o quanto antes!

O que é cibersegurança?

A cibersegurança trata da segurança na internet, mais precisamente de normas, práticas e diretrizes que protegem os sistemas, arquivos, programas, aplicativos, dados e demais aspectos relacionados ao digital.

Portanto, a segurança cibernética garante o sigilo e a integridade de todas as informações disponíveis digitalmente, tanto nos celulares quanto nos computadores, duas ferramentas muito presentes no cotidiano dos negócios.

Qual a importância da cibersegurança?

Apenas pela definição, percebeu como a segurança digital é importante? Um possível vazamento de dados pode prejudicar um negócio de forma irreversível, fazendo com que a empresa perca clientes e, acima de tudo, a confiabilidade de todos.

Porém, mais do que saber do que se trata, os líderes precisam criar estratégias e manterem-se sempre atualizados em relação a isso, pois os ataques ficam cada vez mais aprimorados e perigosos.

Não pense que o negócio que lidera não pode ser alvo de hackers, por exemplo, pois até mesmo empresas gigantes do mundo online são prejudicadas. Em 2019, a Netshoes pagou R$ 500 mil em indenização de danos morais, após 2 milhões de clientes terem suas informações pessoais expostas.

Então, se ainda não desenvolveu uma cultura relacionada à cibersegurança, não espere algo assim acontecer.

Exemplos de segurança na prática:

Os termos acima parecem estranhos? Ou então, já ouvir falar, mas não sabe como aplicá-los de forma efetiva? Confira os passos a seguir!

Gestão de riscos de TI: o que a liderança pode fazer?

Criar uma cultura de segurança

Estabelecer uma cultura de cibersegurança diz respeito a incentivar que ela seja uma prioridade no cotidiano da empresa, além de garantir que o funcionamento das atividades do negócio gire em torno da proteção online.

Para alcançar tal cultura, o líder deve proporcionar treinamentos regulares, manter a equipe em contato com profissionais da área, criar normas de acesso à internet, conscientizar os colaboradores das principais regulamentações de segurança cibernética e de sua importância.

E mais, os passos a seguir igualmente colaboram com a implementação da cultura de segurança. Confira! Mas antes, saiba mais sobre crimes cibernéticos para proteger ainda mais a empresa.

Investir em treinamento em segurança cibernética

Senhas seguras, navegação em sites, downloads, compartilhamento de arquivos e tudo o que envolve práticas na internet demandam cuidado e macetes que os especialistas conseguem fornecer. Portanto, investir em treinamento é essencial.

Quanto a isso, é válido salientar a relevância de que esses treinamentos sejam feitos regularmente. Assim, os líderes garantem informações e práticas sempre atualizadas, afinal as normas online de segurança estão em constante mudança.

Estabelecer políticas de segurança claras

Após o treinamento, estabeleça políticas de gestão de riscos de TI, conforme as orientações dos especialistas. Como líder, não faça com que o treinamento seja em vão, portanto:

Dica bônus: Atualmente, saber sobre a Lei Geral de Proteção de Dados tornou-se uma regra básica, então, coloque-a em sua lista de afazeres, para  aprender sobre ela.

Conduza avaliações de risco

A empresa passou por alguma situação de risco ou adversidades com cibersegurança? Então não esqueça de fornecer essas informações ao profissional de TI.

Pedir a ele que identifique e avalie regularmente os riscos que a empresa enfrenta é outra excelente alternativa, que irá garantir a segurança dos dados da sua equipe.

Desse modo, sabe-se quais são os pontos de vulnerabilidade e consegue corrigi-los.

Realizar auditorias de segurança

Com todas as aplicações citadas acima, realizar auditorias de segurança é importante para avaliar se as medidas tomadas estão sendo suficientes. Nos casos em que não estão, é possível reaver melhorias.

As auditorias ainda servem para manter a empresa atualizada sobre as últimas tendências de ameaça, hackers, invasões, entre outros perigos. Nesses casos, o monitoramento das atividades e os relatórios de segurança são essenciais.

Contar com especialistas em segurança

Como vimos até aqui, a gestão de riscos em TI mantém os dados da empresa em segurança e, apesar da contratação de profissionais terceirizados, que tal contar com um especialista em segurança cibernética na equipe?

O trabalho deles pode tornar o dia a dia da empresa muito mais seguro, prático e ágil, pois podem tirar dúvidas e transmitir informações em tempo real.

Quem nunca precisou resolver um probleminha envolvendo a internet, não é mesmo? Caso o negócio já conte com um profissional de TI, é relevante que os líderes se certifiquem de oferecer a eles especializações em cibersegurança.

Uma opção de formação que combina teoria, prática e tecnologias avançadas para capacitar profissionais na área é o curso Cibersegurança, da Fundação Vanzolini.

Após saber a importância da proteção online, o próximo passo que te colocará à frente dos concorrentes é investir em conhecimento e certificações dessa área. Preparado?

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira.

Formação em Cibersegurança

ENTRE EM CONTATO

Fontes:

https://www.jota.info/tributos-e-empresas/mercado/vazamentos-de-dados-no-brasil-28012022

https://www.sap.com/brazil/products/financial-management/what-is-cybersecurity.html#:~:text=A%20ciberseguran%C3%A7a%20%C3%A9%20a%20pr%C3%A1tica,e%20dados%20de%20amea%C3%A7as%20cibern%C3%A9ticas.

https://www.kaspersky.com.br/resource-center/definitions/what-is-cyber-security

https://www.kaspersky.com.br/resource-center

https://www.kaspersky.com.br/resource-center/threats/cybercrime