Fundação Vanzolini

A matriz energética brasileira é considerada uma das mais renováveis dentre todas as grandes economias mundiais, apesar de ainda contar com a presença de fontes poluentes.

(mais…)

A verificação do inventário de gases de efeito estufa conforme o conjunto das normas ISO 14064 tem como objetivo promover a gestão estruturada das emissões de gases do efeito estufa, a partir da quantificação, monitoramento e plano de ação para reduzir os impactos ambientais. É aplicada em três partes principais:

  • Parte 1: estabelece requisitos para requisitos para contabilização das emissões;
  • Parte 2: estabelece requisitos para projetos relacionados às emissões de gases de efeito estufa;
  • Parte 3:  estabelece requisitos para verificação de conformidade à norma para planos de ação e projetos.

Com o inventário de gases de efeito estufa conforme o conjunto das normas ISO 14064, a sua empresa se alinha aos valores de responsabilidade ambiental e otimiza as operações com foco na gestão dos gases do efeito estufa.

Aumenta da credibilidade e da confiança com as partes interessadas
Tem a oportunidade de ingressar no mercado de carbono, transacionando créditos
Atrai investidores e clientes que valorizam a responsabilidade ambiental

A Fundação Carlos Alberto Vanzolini  atua como Organismo de Validação de Projetos de Carbono e Verificação de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa, sendo reconhecimento do Órgão Acreditador Cgcre/Inmetro. 

Conheça mais sobre a nossa atuação na certificação ISO 14064.

AtividadeSetoresDescrição dos setores
VerificaçãoGeração de energiaA Combustão de gás natural ou carvão, transmissão e distribuição de energia
 ManufaturaManufatura de equipamento eletroeletrônicos, maquinário industrial;
Processamento de Alimentos
 Extração de Óleo e Gás,
Produção e Refino, incluindo
Produto Petroquímicos
Produção de Petróleo e gás natural, gasodutos, e área da produção de produtos químicos orgânicos refinaria.
 Produção de MetalProdução de transformação de metais ferrosos;
Produção de alumínio (primário e/ou secundário);
Processamento de metais não ferrosos, incluindo produção de ligas;
Produção de coque;
Ustulação ou síntese de minério metálico, incluindo peletização;
Produção de ferro gusa ou aço, incluindo fundição contínua.
  Produção de clínquer e cal ou calcinação de dolomita e magnetita;
Vidro, Cerâmica e Lã mineral.
 Transações de Energia elétricaTransação de compra, transação de venda, transporte sobre rodas.
 Produção QuímicaProdução de Carbono Negro;
Produção de Amônia;
Produção de químicos orgânicos por craqueamento, oxidação parcial ou completa, ou processo semelhante;
Produção de Hidrogênio e síntese de gás por reforma ou oxidação parcial;
Produção de soda cáustica, carbonato de sódio e bicarbonato de sódio;
Produção de ácido nítrico;
Produção de ácido adípico;
Produção de glioxal e ácido glioxílico.
 Manuseamento e eliminação de resíduosTratamento de água e de resíduos;
Instalação de Aterros e Compostagem.
 Agricultura, Florestas e outros usos da TerraRemoção de CO2 da atmosfera por florestas e pastagens;
Emissões resultantes de ações como decomposição, colheita, conversão/desenvolvimento, fogo e escolhas de espécies.
 GeralServiço;
Educação;
Hospital;
Outros.

Por que escolher a Fundação Vanzolini?

Pioneira em certificação no Brasil e referência no exterior
Criada e gerida por professores do departamento de Engenharia de Produção da POLI-USP
Comprometida com o desenvolvimento sustentável do país
Mais de 400 auditores e especialistas no Brasil, América do Sul, Europa e Ásia
Auditoria de riscos frequente para avaliação de imparcialidade dos avaliadores
Portfólio com mais de 70 normas de certificação nacional e internacional.

No Brasil, as empresas têm buscado por uma prática mais sustentável e inclusiva, atentas e preocupadas com o impacto que geram na sociedade e no meio ambiente.

A chamada era ESG tem sido marcada por profundas transformações nos negócios. Longe de ser uma modinha ou onda passageira, a ESG – sigla em inglês que se refere às práticas de governança ambiental, social e corporativa (Environmental, Social and Governance) – tem ocupado o centro das decisões empresariais e ganhado projeção dentro e fora das organizações.

Então, para falar sobre a era ESG e sua importância nos negócios, vamos explorar como as empresas brasileiras estão liderando essa transformação no mercado, como a sustentabilidade se tornou um fator essencial para a sobrevivência e o sucesso dos negócios e como os investidores estão priorizando empresas que adotam práticas ESG, levando em consideração não apenas o desempenho financeiro, mas também a responsabilidade social e ambiental.

Acompanhe a leitura e fique por dentro!

A agenda ESG e a gestão sustentável

Para começar, vamos entender melhor do que se trata a agenda ESG que vem ditando as formas de consumo e de negócios.

A agenda ESG é um compromisso firmado pelas organizações para colocar os critérios de ESG em prática. Vale lembrar que a ESG é feita de três pilares: meio ambiente, social e governança.

Desse modo, a agenda ESG é um conjunto de ações, com foco em posicionar a empresa dentro das novas demandas da sociedade e da era pautada pela ESG.

Assim, as organizações devem fazer uma análise de como podem impactar positiva e negativamente cada um dos pilares da ESG e, então, elaborar e implementar políticas, ações e rotinas capazes de evitar riscos e absorver impactos.

Como falamos no início, a agenda ESG vai além de uma modinha e, atualmente, impacta toda a atuação e imagem da empresa, passando por suas ações ambientais, até a relação com stakeholders, a transparência frente ao mercado, o desenvolvimento de projetos sociais e a política empresarial, assumindo um papel essencial nas tomadas de decisões.

Nesse sentido, o conceito de sustentabilidade atravessa toda a estrutura organizacional e ultrapassa as margens do meio ambiente, incorporando uma gestão humana e financeira, benéfica para o planeta e para os negócios.

Um estudo da Consultoria Refinitiv mostrou que, das empresas listadas dentre as 500 maiores pela Standards & Poors, as organizações com bom desempenho em temas relacionados a ESG tiveram perdas menores durante a pandemia de COVID-19 em cerca de um terço, quando comparadas àquelas com piores desempenhos em indicadores ambientais, sociais e de governança. 

O relatório “Better Business, Better World”, da Comissão de Desenvolvimento Empresarial e Sustentável (BSDC, na sigla em inglês), também mostra que os negócios sustentáveis têm o potencial de gerar oportunidades econômicas de aproximadamente 12 trilhões de dólares e até 380 milhões de empregos por ano até 2030. 

Portanto, podemos compreender que a cultura da sustentabilidade – que envolve a gestão do negócio na era ESG – é fundamental para a saúde financeira e para a competitividade das organizações na atualidade.

A importância da ESG no mundo dos negócios

Mais do que uma tendência, a agenda ESG é uma realidade e as empresas listadas com boas práticas sustentáveis recebem mais atenção dos analistas financeiros. A ESG é importante para os negócios e não é possível negar.

Uma pesquisa da consultoria PWC, feita com 227 investidores profissionais e analistas de mercado em mais de 40 países, revelou que sustentabilidade e governança estão entre as cinco principais prioridades para a estratégia de investimentos.

No Brasil, para os investidores entrevistados, a prioridade máxima dos negócios deve ser a inovação, seguida por lucratividade e, depois, em terceiro lugar, por um dos pilares ESG, que é a governança. Em quinto, vem o compromisso das empresas com a redução das emissões de gases de efeito estufa.

Ainda segundo a pesquisa, em relação ao meio ambiente, o estudo mostrou que 74% dos investidores dizem que o gerenciamento de riscos regulatórios é um fator importante para incluir a sustentabilidade em suas decisões de investimento, mas o principal é a demanda dos clientes de que seus portfólios tenham um enfoque ESG (83%).

Como podemos ver, trata-se de uma mudança global na maneira de olhar, avaliar e fechar negócios, que considera o compromisso social e ambiental das organizações. Não é mera perfumaria, é uma responsabilidade cobrada e que dita as regras do mercado nos dias de hoje.

A ESG no mercado brasileiro

Por aqui, a tendência da era ESG também é realidade e muitas empresas estão se adaptando a essa nova configuração.

Cada vez mais, as organizações estão adotando políticas de redução de emissão de carbono, investindo em energias renováveis, promovendo a diversidade e inclusão e se comprometendo com a transparência e ética nos negócios.

No Brasil, assim como no mundo, a transformação ESG oferece oportunidades tanto para as empresas quanto para o mercado nacional.

As empresas que se adaptam e adotam práticas sustentáveis têm melhor posicionamento no mercado para garantir sua relevância e competitividade no longo prazo, enquanto contribuem para um futuro mais justo e sustentável.

Para engajar e medir os índices de sustentabilidade, há no Brasil instituições, como é o caso da B3, que, desde 2005, mantém um conjunto de índices para acompanhar o desempenho das companhias preocupadas com as melhores práticas de sustentabilidade.

Atualmente, existe também a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima), que está definindo critérios para identificar fundos sustentáveis e dar segurança aos investidores.

De acordo com a Anbima, em fevereiro de 2021, o patrimônio líquido dos fundos na categoria sustentabilidade e governança foi de 1,07 bilhão de reais, quase o dobro de um ano antes. A captação líquida, por sua vez, foi de 307,9 milhões de reais no primeiro bimestre de 2021, crescimento de 787% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Por parte do poder público, o Governo Federal, por meio do Tesouro Nacional, articula a emissão de títulos públicos com selo ESG, com o objetivo de atrair investidores estrangeiros para a dívida pública brasileira.

Outra iniciativa da qual o Brasil faz parte é o Acordo de Paris, assinado por quase 200 países, com o objetivo de limitar o aumento médio da temperatura global em 1,5%. O Brasil assumiu compromisso de reduzir em 50% as emissões de gases de efeito estufa até 2030.

Assim, todas essas medidas têm levado as empresas brasileiras ao alinhamento com a agenda ESG, permitindo que se mantenham no páreo do mercado global, regido pelas novas culturas sustentáveis de comportamento e consumo.

Os benefícios das boas práticas ESG para as empresas

Como falamos ao longo deste artigo, a adoção de critérios ESG gera impactos positivos para a imagem e competitividade das empresas, agregando valor aos negócios.

De acordo com a consultoria McKinsey, as práticas de ESG e de uma gestão sustentável se relacionam com o fluxo de caixa de cinco maneiras:

1. Crescimento de receita

Uma proposta sólida de ESG ajuda a explorar novos mercados e expandir os já conquistados, além de atrair a preferência dos consumidores.

2. Redução de custos

Uma gestão sustentável, baseada em práticas que consideram os impactos ambientais, tende a gerar menores gastos com matérias-primas, água ou energia.

3. Redução de intervenções regulatórias e legais

As práticas ESG aliviam a pressão regulatória e reduzem riscos de ações adversas por parte do Governo, conferindo maior liberdade estratégica às empresas.

4. Elevação da produtividade

A satisfação dos colaboradores é atrelada ao retorno aos acionistas, e empresas com impacto social positivo tendem a ter maior facilidade em atrair e reter talentos.

5. Otimização de ativos e investimentos

Com a prática de ESG, há melhor retorno graças à alocação de capital em oportunidades mais promissoras e sustentáveis, como recursos renováveis e redução de desperdício.

Os desafios das empresas brasileiras na implementação de práticas de ESG

Ainda que a agenda ESG esteja em pauta e seja capaz de gerar vantagens competitivas, como citamos acima, as empresas brasileiras enfrentam alguns obstáculos para a implementação de práticas mais sustentáveis.

Os desafios surgem, sobretudo, porque os princípios da ESG estão relacionados a uma mudança de cultura, que vai muito além da implementação de um novo projeto. Trata-se, assim, de uma transformação na maneira de pensar e agir dentro das organizações.

Na pesquisa, “Visão do Mercado Brasileiro sobre os Aspectos ESG “, foram entrevistados 139 executivos, dos quais 84% são líderes e gestores de médias e grandes companhias, que atuam nos mais diferentes ramos de atividade, como Varejo, Indústria, Tecnologia, Educação e Instituições Financeiras.

Segundo o estudo, um dos cinco maiores desafios das organizações é a participação das pessoas: 67% dos entrevistados afirmam que a sensação é de que há ações concretas sendo realizadas em relação às boas práticas ESG, no entanto, elas acabam esbarrando em questões de engajamento, comunicação interna, métricas e indicadores, tecnologia para gerenciamento, além do fortalecimento da cultura voltada aos aspectos ESG da organização.

Empresas brasileiras bem-sucedidas na área de ESG

Mesmo diante dos desafios, temos bons exemplos de empresas brasileiras com sucesso na gestão sustentável. Entre as principais estão: Natura, Itaú, Ambev, Google, Grupo Boticário, Magazine Luiza, Bradesco, Unilever, Nestlé e Danone.

Estas são as dez empresas mais responsáveis em ESG do Brasil, de acordo com a nona edição do Ranking Merco Responsabilidade ESG no Brasil, que apresenta as 100 melhores empresas nesse quesito. A pesquisa de campo aconteceu entre julho e dezembro de 2022.

As empresas brasileiras representam metade do top 10 e são 43% das 100 melhores do ranking.

Além disso, das 15 companhias que entraram no ranking de 2022, seis são brasileiras: Eurofarma (54ª), Aché (58ª), Aurora Alimentos (63ª), Camil (72ª), Riachuelo (74ª) e Cemig (100ª).

As empresas brasileiras listadas desenvolvem ações de destaque nos três pilares da ESG, ambiental, social e de governança e, para comprovação, precisam apresentar relatórios e contar com certificações e selos de organizações acreditadoras.

ESG e Gestão da Sustentabilidade: para adotar práticas de ESG na sua empresa

Agora que você sabe mais sobre a importância da ESG e de uma gestão sustentável nessa nova era, saiba que pode contar com a nova formação da Fundação Vanzolini: ESG e Gestão da Sustentabilidade.

Em uma realidade na qual a responsabilidade social e o desenvolvimento sustentável são essenciais para o sucesso empresarial, o curso permitirá que o aluno tenha acesso aos caminhos para uma compreensão mais abrangente e prática das novas exigências do mercado relacionadas à agenda ESG.

Durante a formação, os participantes vão conhecer as melhores práticas de ESG e adquirir as competências necessárias para integrar esses conceitos em todas as áreas de sua organização.

Além disso, o curso possibilita uma análise da situação existente e cria modelos de governança com um plano de ação para o desenvolvimento sustentável da organização em questão. Outro diferencial é a compreensão do impacto das operações ESG nas operações financeiras.

Desse modo, os módulos incluem:

Pensando nas necessidades da atualidade, o curso é voltado aos gestores ou consultores, tomadores de decisão, embaixadores de sustentabilidade ou ESG, aos produtores do relatório de sustentabilidade, aos empreendedores ou autônomos neste ramo e a todos os interessados em implementar uma cultura ESG com ações concretas nos seus negócios – sem abrir mão do lucro.

Então, se você deseja se aprofundar em uma gestão sustentável e desenvolver uma agenda ESG sólida e eficiente, especialize-se na área e tenha os melhores resultados.

Acesse nosso site e conheça os cursos de Inovação da Fundação Vanzolini!

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo :)

Fontes:

https://investalk.bb.com.br/noticia/o-que-e-esg

https://fiesc.com.br/pt-br/imprensa/esg-uma-nova-forma-de-fazer-negocios

https://www.meioemensagem.com.br

https://veja.abril.com.br/

Conheça as principais tendências de supply chain e reformule (melhore!) suas práticas na gestão logística da sua empresa.

Supply chain é o termo utilizado para se referir à gestão da cadeia de suprimentos, portanto, diz respeito à rede logística presente nas organizações empresariais que lidam com a distribuição de produtos.

Caso você seja um profissional da área, já sabe como os processos de armazenamento e distribuição tendem a ser trabalhosos, e o mais importante: devem, obrigatoriamente, serem feitos minuciosamente, para não acarretar sérios problemas de gestão e de atendimento ao cliente.

Nesse contexto, a logística digital desenvolve programas e métodos para melhorar os processos do setor em questão e, por meio deles, torná-los mais rápidos, precisos e eficientes. Para saber quais são as principais tendências digitais de supply, basta seguir neste texto. Boa leitura!

Como anda o futuro da logística digital? Conheça as tendências!

Digitalização na gestão de inventário e rastreamento

A digitalização está revolucionando o modo como as empresas gerenciam seus estoques e acompanham o movimento de produtos ao longo da cadeia de suprimentos.

Em relação à digitalização de inventário, trata-se de uma técnica utilizada para registrar e armazenar dados, tornando o processo de rastreamento mais ágil, confiável e eficaz, se comparado às técnicas manuais.

Assim, pode-se destacar:

IoT (Internet das Coisas)

Rede de objetivos físicos, de qualquer tipo, associada a sensores, programas e demais softwares, servindo como uma conexão de dados com outros dispositivos e sistemas.

Por exemplo: sensores instalados em equipamentos industriais podem coletar dados de desempenho em tempo real e enviar essas informações para um sistema central de monitoramento, permitindo a detecção precoce de problemas e a implementação de manutenção preventiva.

RFID (Identificação por Radiofrequência)

Dispositivo de radiofrequência cujo sistema é composto por:

Na automação, é usado principalmente em sistemas de rastreamento e controle de estoque, logística, controle de acesso, pagamento automático de pedágios, entre outros.

Blockchain

Banco de dados avançado, no qual a principal função é o compartilhamento de informações entre as redes de uma organização. Os dados são armazenados por meio de blocos interligados em cadeia.

Esse sistema permite a criação de um registro digital compartilhado, mas com transações imutáveis, assegurando a segurança e confiabilidade, por meio de criptografia.

Automação e robótica na distribuição e armazenagem

A automação e a robótica estão sendo integradas nos processos de distribuição e armazenagem, desde a seleção e embalagem de pedidos até a movimentação de mercadorias em centros de distribuição.

Nesse caso, são alguns exemplos deste supply chain:

Sistemas de picking automatizado

Responsáveis pela automatização do processo de seleção de itens em centros de distribuição. Eles identificam, coletam e embalam os produtos de maneira precisa e eficiente, permitindo que a ordenação e repartição sejam mais ágeis.

Empresas como o Mercado Livre, ou a Amazon, por exemplo, grandes distribuidoras de produtos, podem (e são) altamente beneficiadas com esse tipo de método. No entanto, instituições de quaisquer tipos e portes podem beneficiar-se igualmente com a tecnologia em questão.

Veículos autônomos

Os veículos automatizados possuem sensores, câmeras e sistemas de navegação e têm objetivo de operarem sem intervenção humana, dessa forma contribuem com a redução de custos operacionais.

Exemplos de seu uso são: transporte de carga e distribuição urbana. Sim! Os veículos também são chamados de “carros sem motorista” e são compostos de tecnologias de controle e direção autônomas.

Porém, como se trata da mais alta tecnologia, que demanda investimento (além de não ser de fácil acesso), essa ainda não é uma realidade comum no Brasil. Nos Estados Unidos, há casos como a empresa Waymo, parceira do Google, e a Embark Trucks, empresa desenvolvedora de projetos para a Ryder e Electrolux.

Robôs colaborativos

Robôs projetados para cooperar com seres humanos em ambiente de trabalho. Na logística digital, eles fazem parte da “equipe”, por meio do auxílio em movimentação de carga, embalagem e montagem.

Quer saber mais? Conheça: Novas tecnologias para logística e cadeia de suprimentos.

Inteligência Artificial na otimização de rotas e planejamento logístico

Algoritmos de inteligência artificial são utilizados para otimizar rotas de entrega, planejar o transporte de cargas de forma mais eficiente e prever demandas futuras, como:

Machine learning

Desenvolve algoritmos e modelos que permitem aos sistemas aprenderem e melhorarem, a partir de dados, nesse caso, os profissionais devem determinar os recursos para que este desenvolvedor entenda as diferenças entre os dados analisados. Na logística digital, analisa dados relacionados às operações logísticas como:

Sustentabilidade e eficiência energética na Logística Digital

No contexto da cadeia de suprimentos, existem iniciativas e inovações tecnológicas voltadas para a redução do impacto ambiental, principalmente a aplicação de tecnologias verdes:

Veículos elétricos

Veículos elétricos, assim como os veículos autônomos, infelizmente, ainda não representam parte significativa na realidade das indústrias brasileiras, porém é uma tecnologia com um excelente potencial para um futuro não tão distante.

Quando utilizados, contribuem com a diminuição da emissão de gases poluentes nocivos ao meio ambiente e à população, como o CO2, CO, NOx e HC, todos responsáveis por problemas de saúde, e principalmente pelo efeito estufa e demais adversidades climáticas.

No contexto logístico, os veículos elétricos são integrados a sistemas de gestão de frota para otimizar rotas.

Sistemas energia verde

Quanto à energia verde, são utilizadas nos centros de distribuição e operações logísticas em geral, principalmente a energia solar. Elas servem para produzir eletricidade de forma sustentável, e até mesmo mais econômica.

A supply chain, representa, então, uma alternativa de agilizar, melhorar a eficiência e reduzir custos de processos logísticos, porém esses conhecimentos vão além de artigos como este, e necessitam de abordagens mais aprofundadas como a Logística e Supply Chain com Ênfase em Ferramentas Analíticas e Novas Tecnologias.

Para dar um salto em sua carreira nessa área, é imprescindível obter conhecimentos avançados, aprender a transformar dados em estratégias e aplicar tecnologias disruptivas, como Inteligência Artificial, Blockchain e (IoT), para solucionar problemas complexos e garantir a competitividade das empresas.

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira.

Conheça os cursos de Operações e Processos da Fundação Vanzolini.

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Fontes:  

blog.auvo.com/digitalizar-inventario-de-materiais

oracle.com/br/internet-of-things/what-is-iot/

aws.amazon.com/pt/what-is/blockchain/?aws-products-all.sort-by=item.additionalFields.productNameLowercase&aws-products-all.sort-order=asc

ibm.com/br-pt/topics/machine-learning

Sustentabilidade e responsabilidade ambiental são conceitos cada vez mais presentes na indústria e no mundo corporativo.

Mais do que termos e palavras bonitas, sustentabilidade e responsabilidade ambiental devem ser ações e práticas organizacionais cotidianas.

Desse modo, as empresas devem adotar estratégias capazes de minimizar seu impacto no meio ambiente, e uma maneira eficiente das organizações demonstrarem seu compromisso com o meio ambiente é obtendo a certificação ISO 14001.

Esta é uma norma reconhecida internacionalmente para sistemas de gestão ambiental e, por meio da sua implementação, as empresas podem garantir processos importantes para identificar, medir e controlar seus efeitos ambientais e na comunidade.

Interessou-se pelo tema e quer saber mais sobre a certificação ISO 14001, além dos benefícios que ela é capaz de gerar para organizações e a sociedade em geral? Então, siga com a leitura deste artigo que preparamos!

Mudanças climáticas e a responsabilidade das organizações

Para começar nosso artigo sobre ISO 14001 e gestão ambiental nas empresas, vamos trazer um breve contexto da situação climática atual.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), até o início de outubro do ano passado, foram registrados 86 dias com temperaturas 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, e setembro foi o mês mais quente já registrado, com temperaturas médias globais 1,8°C acima dos níveis pré-industriais.

Ainda de acordo com a ONU, as evidências científicas mais recentes, compiladas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), indicam que as emissões de gases de efeito estufa precisam ser reduzidas em 43% até 2030, em comparação com os níveis de 2019.

Assim, a iniciativa é fundamental para limitar o aumento da temperatura a 1,5 grau Celsius até o final deste século e evitar os piores impactos da mudança climática, inclusive secas, ondas de calor e chuvas mais frequentes e severas.

Além das emissões diretas de gases de efeito estufa, também devemos considerar as alterações ambientais geradas pelo desmatamento, queimadas, poluição das águas, contaminação do solo entre tantos outros impactos que comprometem o equilíbrio dos ecossistemas e a capacidade de autorregulação da temperatura do planeta.

Diante desse cenário alarmante, o papel da responsabilidade ambiental das e organizações é crucial, já que, em geral, possuem uma capacidade de liderança social nas comunidades onde estão inseridas e também são responsáveis por processos que geram impactos ambientais significativos.

Mas como colocar em prática iniciativas sustentáveis eficazes e, assim, reduzir seu impacto ambiental? É aí que entra a certificação ISO 14001, traçando um caminho para obter melhores práticas. Siga com a leitura para saber como a norma pode ajudar sua empresa.

O que é a ISO 14001 e quais seus benefícios?

A Norma ABNT ISO 14001 é uma certificação que tem como foco especificar os requisitos para a implementação de um sistema de gestão ambiental eficiente em organizações de todos os portes, para que elas desenvolvam práticas sustentáveis em suas produções.

Dessa maneira, a ISO 14001 atesta que a empresa tem uma atitude ambientalmente correta, com medidas capazes de controlar os impactos ambientais e reduzir a geração de poluentes.

Por meio da obtenção da certificação, as organizações não só colaboram com a preservação do presente e do futuro, como também obtêm vantagens competitivas como a minimização de custos, evitando taxações e paradas de produção – atualmente impostas às empresas poluidoras.

Sendo assim, com uma abordagem mais consciente sobre riscos e ciclo de vida dos seus produtos, atividades e serviços – desde a extração da matéria prima até o destino pós-uso, passando pela redução das emissões de resíduos e correto aproveitamento e tratamento -, a empresa certificada se posiciona melhor no mercado e se alinha às novas demandas dos consumidores.

Portanto, entre a importância da ISO 14001 e seus benefícios para organizações e sociedade, podemos destacar:

Com a norma, as empresas dão um passo significativo em direção à responsabilidade ambiental, assegurando um futuro sustentável para elas mesmas e para as gerações futuras.

Mas como obter a certificação ISO 14001? As organizações podem contar com a Fundação Vanzolini, que possui cursos voltados para a norma e também possui parceria exclusiva, no Brasil, para a formação de auditores pela IQNET Academy, reconhecida internacionalmente.

 Veja a seguir os cursos oferecidos e prepare sua organização para conquistar um selo de respeito.

ISO 14001: cursos da Fundação Vanzolini para auditores e boas práticas de gestão ambiental

Para atender às demandas que visam as melhores práticas de gestão ambiental e proporcionar às  empresas mais consciência de suas responsabilidades, a Fundação Vanzolini oferece os seguintes cursos:

Curso de Interpretação dos Requisitos ISO 14001:2015

Voltada para diretores, gerentes, supervisores e técnicos que têm por objetivo entender e implantar a norma NBR ISO 14001:2015, a formação oferece informações relevantes e metodologias importantes para profissionais que estão ingressando em atividades de implantação e de manutenção de Sistemas de Gestão da Ambiental. Nesse sentido, os participantes vão aprender:

No conteúdo do programa, estão os seguintes temas:

IQNET: ISO 14001 – Auditor Interno

Este curso é especialmente recomendado para as empresas que:

Assim, a formação visa desenvolver as habilidades necessárias para os profissionais atuarem como auditores internos ambientais, com base nos aspectos técnicos e comportamentais, visando à manutenção de Sistemas de Gestão.

Para isso, o conteúdo do programa inclui:

1. Introdução às auditorias de Sistema de Gestão Ambiental;
2. Auditoria interna como um requisito da ISO 14001;
3. Desenvolvimento do processo de auditoria;
4. Educação e treinamento da equipe de auditoria;

4.1 Critérios para a qualificação dos auditores;
4.2 Funções e responsabilidades dos auditores;
4.3 Atitude do auditor.

5. Metodologia para realização das auditorias;

5.1 Planejamento e preparação;
5.2 Reunião de abertura;
5.3 Desenvolvimento: coleta de evidências;
5.4 Elaboração de não conformidades;
5.5 Elaboração do relatório final;
5.6 Reunião de encerramento.

6. Tratamento de ações corretivas;
7. Conclusões;
8. Estudo de caso (simulação de uma auditoria ambiental: análise de documentos, coleta de evidências, elaboração de não conformidades e apresentação de relatório final).

IQNET: ISO 14001 – Auditor Líder

Por fim, a Fundação Vanzolini conta com o curso de formação de auditor líder. Nesse caso específico, há um pré-requisito e o participante deve apresentar o certificado de conhecimento da norma ISO 14001, com carga horária mínima de 16 horas.

Caso não tenha, será necessário realizar uma prova no primeiro dia do curso, para medição de seu conhecimento. Nesta formação, o objetivo é:

Para isso, o conteúdo do programa conta com:

1. Introdução ao processo de auditoria de Sistemas de Gestão Ambiental;
2. Revisão dos requisitos aplicáveis da ISO 14001;
3. Definição, objetivo e tipos de auditorias. Diferenças entre auditorias internas e externas;
4. Requisitos da ISO 19011;
5. Gestão do programa de auditoria;
6. Planejamento e execução de auditoria;

6.1 Planejamento de auditoria;
6.2 Desenvolvimento de auditoria;
6.3 Ferramentas do auditor;
6.4 Comportamento do auditor;
6.5 Coleta e verificação de informações;
6.6 Elaboração e classificação de não conformidades;
6.7 Elaboração do relatório de auditoria.

7. Conclusão e acompanhamento da auditoria;
8. Competência e avaliação dos profissionais participantes da auditoria;
9. Atendimento legal ambiental: requisitos de legislação;
10. Sistema de Eco-Gestão. Comparação com a ISO 14001;
11. Exercícios práticos (mínimo 24h).

Com os conhecimentos, teorias, práticas e metodologias oferecidas com excelência pela Fundação Vanzolini, sua empresa estará no hall das marcas que se preocupam com o impacto ambiental gerado e realizam ações fundamentais para minimizar danos e riscos.

Uma postura que faz a diferença em tempos de crise climática e transformações da maneira de produzir e consumir, não é mesmo?

Então, para saber mais sobre os cursos voltados para ISO 14001, acesse nosso site.  

Até o próximo tema!

Fontes:

brasil.un.org

agenciabrasil.ebc.com.br/internacional

AQUA-HQE™ é uma certificação internacional da construção de alta qualidade ambiental, desenvolvida a partir da renomada certificação francesa HQE™ e aplicada no Brasil exclusivamente pela Fundação Carlos Alberto Vanzolini.

Os requisitos da certificação foram cuidadosamente contextualizados pela Fundação, em parceria com a USP, para agregar valor às construções e projetos no Brasil, considerando aspectos culturais, do clima, das normas técnicas e regulamentações. 

Independentemente do tipo de empreendimento, seja edifício, planejamento urbano ou infraestrutura e em todas as fases de seu ciclo de vida, a certificação AQUA-HQE™ adota uma visão global multitemática e multicritério que combina qualidade de vida, respeito ao meio ambiente, desempenho econômico e gestão e governança para um ambiente de vida sustentável, consistente com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas.  

A Certificação AQUA-HQE™ conquista cada vez mais espaço e relevância no Brasil:

Com a certificação AQUA-HQE™ seu projeto se valoriza, mas o impacto vai além!

PARA  QUEM EMPREENDE

  • Provar a alta qualidade ambiental de sua edificação; 
  • Diferenciar portfólio no mercado;
  • Aumentar a velocidade de vendas;
  • Manter o valor do patrimônio;
  • Melhorar a imagem da empresa;
  • Melhorar relacionamento com órgãos ambientais e comunidades;
  • Economia de recursos nas obras e na operação.

PARA QUEM UTILIZA O ESPAÇO

  • Economias de água e energia;
  • Menores custos de condomínio;
  • Melhores condições de conservação e manutenção da edificação;
  • Melhores condições de conforto e saúde nos ambientes e nos espaços;
  • Melhor qualidade de funcionamento dos sistemas da edificação;
  • Maior valor patrimonial;
  • Melhor qualidade de vida.

PARA O MEIO AMBIENTE E SOCIEDADE

  • Menor demanda sobre a infraestrutura urbana;
  • Menor demanda de recursos hídricos e energéticos;
  • Redução das emissões de gases de efeito estufa e poluentes;
  • Menor impacto à vizinhança;
  • Redução de resíduos e valorização da área;
  • Gestão de riscos naturais e tecnológicos sobre solo, água, ar, etc.

E-books AQUA-HQE™

Referenciais técnicos AQUA-HQE™

  1.  
 
 
 
  1.  

Por que escolher a Fundação Vanzolini?

Pioneira em certificação no Brasil e referência no exterior
Criada e gerida por professores do departamento de Engenharia de Produção da POLI-USP
Comprometida com o desenvolvimento sustentável do país
Mais de 400 auditores e especialistas no Brasil, América do Sul, Europa e Ásia
Auditoria de riscos frequente para avaliação de imparcialidade dos avaliadores
Portfólio com mais de 70 normas de certificação nacional e internacional.
Calculadora AQUA

Esta calculadora é específica para a certificação de edifícios em construção, não sendo aplicável às certificações de edifícios em operação, planejamento urbano, infraestrutura e outras, pois, para estas deverá ser encaminhado o e-mail solicitando a proposta.

    O setor de biocombustíveis enfrenta uma série de desafios para se desenvolver e se consolidar. Como forma de incentivar e elevar os padrões deste mercado, visando um crescimento sustentável e menor impacto ambiental na matriz energética do país, foi criado o RenovaBio, Política Nacional de Biocombustíveis, instituída pela Lei nº 13.576/2017 e na Resolução N°758/2018 da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

    A certificação RenovaBio tem como diretrizes quatro principais eixos: o papel dos biocombustíveis na matriz energética, o equilíbrio econômico e financeiro do mercado, a definição de regras de comercialização e os novos biocombustíveis, conforme explica a EPE – Empresa de Pesquisa Energética.

    Com isso, empresas que atuam na produção, importação e distribuição, conforme seus respectivos segmentos, deverão cumprir requisitos de eficiência energética que assegurem a previsibilidade do mercado, além da sustentabilidade no fornecimento e na preservação ambiental.

    Faça a adesão ao programa de certificação RenovaBio 

    A Fundação Carlos Alberto Vanzolini está devidamente acreditada pela ANP para realização da avaliação de Biocombustível e validação da Nota de Eficiência Energético Ambiental.

    Segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis, a certificação RenovaBio tem como principais objetivos:

    • Fornecer uma importante contribuição para o cumprimento dos compromissos determinados pelo Brasil no âmbito do Acordo de Paris;
    • Promover a adequada expansão dos biocombustíveis na matriz energética, com ênfase na regularidade do abastecimento de combustíveis; e
    • Assegurar a previsibilidade para o mercado de combustíveis, induzindo ganhos de eficiência energética e de redução de emissões de gases causadores do efeito estufa na produção, comercialização e uso de biocombustíveis.
    Permite a compra de créditos de carbono
    Fortalece as empresas do setor de biocombustíveis
    Atende a demandas de sustentabilidade
    Comprova a confiabilidade nos serviços e produtos oferecidos

    Consultas públicas em andamento

    Consultas públicas encerradas

    Consulta Pública nº 650/2023

    Período: 20/12/2023 a 20/01/2024

    Emissor Primário: Petrobras Biocombustível S.A.– Candeias (CNPJ: 10.144.628/0003-86)

    Firma Inspetora: Fundação Carlos Alberto Vanzolini

    Documentação: Candeias – 2023

    Consulta Pública nº 457/2022

    Período 29/11/2022 a 29/12/2022

    Emissor Primário: Petrobras Biocombustível S.A. – Usina de Biodiesel de Candeias (CNPJ: 10.144.628/0003-86)

    Firma Inspetora: Fundação Carlos Alberto Vanzolini

    Documentação: Candeias-2022



    Consulta Pública nº 344/2021

    Período 10/12/2021 a 08/01/2022

    Emissor Primário: Petrobras Biocombustível S.A. – Usina de Biodiesel de Montes Claros (CNPJ: 10.144.628/0004-67)

    Firma Inspetora: Fundação Carlos Alberto Vanzolini

    Documentação: MontesClaros-2021  


    Consulta Pública nº 345/2021

    Período 10/12/2021 a 08/01/2022

    Emissor Primário: Petrobras Biocombustível S.A. – Usina de Biodiesel de Candeias (CNPJ: 10.144.628/0003-86)

    Firma Inspetora: Fundação Carlos Alberto Vanzolini

    Documentação: Candeias-2021


    Consulta Pública nº 26/2019

    Período 31/10/2019 a 30/11/2019

    Emissor Primário: Petrobras Biocombustível S.A. – Usina de Biodiesel de Montes Claros (CNPJ: 10.144.628/0004-67)

    Firma Inspetora: Fundação Carlos Alberto Vanzolini

    Documentação: MontesClaros-2019  


    Consulta Pública nº 25/2019

    Período 30/10/2019 a 30/11/2019

    Emissor Primário: Petrobras Biocombustível S.A. – Usina de Biodiesel de Candeias (CNPJ: 10.144.628/0003-86)

    Firma Inspetora: Fundação Carlos Alberto Vanzolini

    Documentação: Candeias-2019.zip

    Por que escolher a Fundação Vanzolini?

    Pioneira em certificação no Brasil e referência no exterior
    Criada e gerida por professores do departamento de Engenharia de Produção da POLI-USP
    Comprometida com o desenvolvimento sustentável do país
    Mais de 400 auditores e especialistas no Brasil, América do Sul, Europa e Ásia
    Auditoria de riscos frequente para avaliação de imparcialidade dos avaliadores
    Portfólio com mais de 70 normas de certificação nacional e internacional.

    Você já conhece a certificação AQUA-HQE™? Leia até o final e compreenda o que é esse importante selo de compromisso com a sustentabilidade ambiental.

     

    A sustentabilidade tem sido cada vez mais a temática central de debates relevantes na esfera social e no mundo corporativo. Por isso, é tão importante você conhecer a certificação AQUA-HQE™ e como ela pode ajudar a sua empresa a suprir essa demanda.

    Considerando as atuais preocupações a respeito das mudanças climáticas, a utilização em larga escala de recursos naturais e a poluição, pode-se dizer que estamos vivendo em uma era crítica, na qual a pauta sustentável deve ser prioritária.

    Especialmente no ramo da construção civil, que é responsável por uma alta geração de resíduos e uma utilização considerável de energia, água e outros recursos naturais, é extremamente importante para as empresas do setor ter o “selo verde” da certificação AQUA-HQE™.

    Para garantir que a sua empresa consiga desenvolver suas atividades com menor agressão ao meio ambiente, acompanhando a demanda verde do mercado, leia este artigo até o final para ficar por dentro do assunto! Boa leitura!

     

    A Certificação AQUA-HQE™

    A certificação AQUA-HQE™, sendo uma das certificações ambientais mais importantes do mundo, demonstra um compromisso significativo com a sustentabilidade e a responsabilidade ambiental na indústria da construção.

    Em 1974, pioneira no setor, foi criada a Associação Qualitel, responsável por promover a qualidade ambiental em edifícios residenciais na França. Mais tarde, em 1996, é fundada a Associação HQE a qual formulou indicadores de desempenho em conforto, saúde e baixo impacto ambiental que posteriormente se tornariam uma certificação de edifícios.

    Em 2005, foi certificado o primeiro edifício comercial sob a marca HQE e, desde 2006, a Associação HQE colabora com o Qualitel para promover a certificação de edifícios residenciais.

    No Brasil, a partir de 2007, em parceria com o Certivéa/CSTB e Cerqual/QUALITEL da França, tais critérios de desempenho foram adaptados para o país pelo Departamento de Engenharia de Produção e de Construção Civil da Escola Politécnica da USP e profissionais do mercado, sob coordenação da Fundação Vanzolini, em termos de clima, cultura, regulamentação e normas técnicas brasileiras, sem deixar de lado os critérios internacionalmente aceitos para destacar tais construções.

    Foi lançado em 2008, no salão nobre da FIESP, com emissão dos dois primeiros certificados por ocasião da FEICON 2009.

    Para obter o selo de responsabilidade ambiental, os empreendimentos passam por auditorias periódicas, que avaliam sua conformidade com os referenciais técnicos da norma.

    No caso de edifícios em construção, as análises acontecem em três etapas: pré-projeto, projeto e execução. Já em edifícios em operação, as avaliações ocorrem na admissão e, a seguir, anualmente, em ciclos de três a cinco anos, renováveis

    As auditorias presenciais e independentes, realizadas pela Fundação Vanzolini são um fator crucial para garantir a conformidade dos empreendimentos com os requisitos da certificação.

     

    Quais as vantagens da certificação AQUA-HQE™?

    Estamos vivendo em um período de preocupação constante com a conservação de recursos naturais, mas como exatamente a certificação AQUA-HQE™ pode ajudar nesse contexto?

    À medida que os esforços pela proteção da natureza aumentam no mundo inteiro, cria-se uma tendência também no mercado, o que expõe uma demanda por comprovações de que a empresa está ciente e colaborando com as necessidades de conservação ambiental.

    É aí que entra a certificação AQUA- HQE™ (Alta Qualidade Ambiental). Ela é uma garantia que evidencia e comprova o compromisso da empresa com a sustentabilidade.

    O selo AQUA-HQE™ proporciona benefícios tanto para o meio ambiente quanto para os empreendedores e comunidade. Alguns dados indicam:

    As construções certificadas também têm menor demanda de infraestrutura urbana, hídrica, energética e de gestão de resíduos e oferecem mais conforto e saúde aos ocupantes, além de maior facilidade e menores custos de conservação e manutenção.

    Confira as principais vantagens obtidas por meio da adoção desse selo:

     

    Para o meio ambiente

    As edificações certificadas reduzem a pressão sobre a infraestrutura urbana, bem como sobre as infraestruturas de geração e fornecimento de energia e água, e de disposição de resíduos sólidos e líquidos.

    A diminuição das emissões de gases de efeito estufa e poluentes contribui para um ambiente mais limpo e saudável.

    Além disso, esse selo ambiental promove a gestão responsável de resíduos, reduzindo impactos negativos na vizinhança e valorizando a utilização eficiente de materiais de construção. Em resumo:

     

    Para o empresário

    Para os empreendedores, ela representa uma comprovação sólida de alta qualidade ambiental em suas edificações, permitindo uma diferenciação significativa no competitivo mercado da construção.

    Além disso, essa certificação pode impulsionar a velocidade das vendas, melhorar a imagem da empresa e estabelecer um relacionamento mais forte com órgãos ambientais e comunidades locais.

    Ao mesmo tempo, também leva a economias de recursos durante a fase de construção e operação, contribuindo para uma abordagem mais sustentável. Destaca-se:

     

    Para os usuários

    Os benefícios para os usuários finais também são notáveis. A economia de água e energia não apenas reduz os custos operacionais, mas também fortalece o compromisso ambiental dos moradores.

    Com taxas de condomínio potencialmente mais baixas, os custos de manutenção também podem ser minimizados, garantindo a conservação das edificações a longo prazo.

    Além disso, as propriedades certificadas oferecem ambientes mais saudáveis, juntamente com sistemas da edificação mais eficientes e confiáveis. Esses aspectos contribuem para aumentar o valor patrimonial e a qualidade geral de vida dos moradores. Resumindo:

    Esses aspectos refletem um compromisso abrangente com a sustentabilidade, resultando em uma melhoria notável, tanto nas construções quanto na qualidade de vida das comunidades e do ambiente circundante.

     

    Certificação AQUA- HQE™ e sua relevância para o ESG

    Quando falamos em sustentabilidade, um conceito muito utilizado ultimamente é o ESG – sigla para sustentabilidade ambiental, social e de governança corporativa, que é a filosofia de alinhar os esforços por melhorias contínuas nas relações sociais e ambientais.

    Em outras palavras, as adaptações buscadas para a conservação do meio ambiente trazem benefícios diretos e indiretos também para as relações interpessoais, especialmente nas corporações e no ambiente de trabalho.

    Para obter a certificação AQUA, a empresa deve atender a uma série de requisitos relacionados às boas práticas sustentáveis, no que diz respeito ao compromisso de manter uma operação responsável dentro dos critérios ESG.

    Ao adotar medidas que promovam eficiência energética, uso responsável de recursos e redução de impactos ambientais, as organizações também fortalecem sua posição em termos de governança corporativa e responsabilidade social.

    Isso cria um ciclo virtuoso, em que as melhorias na sustentabilidade ambiental têm reflexos positivos nas relações sociais e na governança corporativa, contribuindo para um mundo mais equilibrado e ético.

     

    Conclusão

    Em um mundo cada vez mais preocupado com a sustentabilidade, a certificação AQUA-HQE™ é um importante instrumento para promover ações responsáveis e comprometidas com o meio ambiente.

    Adaptada pela Fundação Vanzolini ao clima, cultura, regulamentações e normas técnicas brasileiras, mantendo os fundamentos e indicadores internacionais, esse selo representa um compromisso genuíno com a sustentabilidade e a responsabilidade ambiental na indústria da construção.

    A Fundação Vanzolini, como único órgão de certificação internacional AQUA-HQE™ no Brasil, desempenha um papel crucial ao proporcionar às empresas a oportunidade de serem líderes na adoção de abordagens responsáveis.

    Para saber mais sobre como tornar sua empresa parte desse movimento e obter a Certificação AQUA-HQE™, entre em contato com a Fundação Vanzolini.

    Um selo que atesta a preocupação com o meio ambiente, um selo que fala sobre a responsabilidade de construir o presente e pensar no agora e no futuro, isto é, sustentabilidade ambiental, social e econômico.

    Este selo é a certificação AQUA-HQE™, também chamado de “selo verde”, que chancela empreendimentos imobiliários – residenciais e comerciais – como sendo construções alinhadas às atuais demandas ambientais e sociais.

    Dessa maneira, no mundo de tantas mudanças digitais e tecnológicas, estamos diante de uma transformação no olhar da construção civil, que passa a usar novas lentes, na busca por soluções práticas mais conscientes, sustentáveis e inclusivas.

    Nesse sentido, temos a certificação AQUA-HQE™, que pode ser compreendida como uma estratégia de sustentabilidade que extrapola os grandes empreendimentos e chega às construções de casas e prédios.

    Então, quer saber mais sobre a certificação AQUA-HQE™ e quais aspectos técnicos ela considera para a garantia de uma construção verde? Acompanhe a leitura deste artigo!

    Construção civil, impactos ambientais e certificações

    Para começar, é importante compreender o cenário e os impactos ambientais produzidos pela construção civil atualmente, mostrando, assim, como é urgente olhar para as questões ligadas à sustentabilidade.

    Bem, cerca de 35% do volume total de recursos naturais empregados no setor produtivo é consumido pela construção civil. Segundo dados do Balanço Energético Nacional (BRASIL, 2008), os edifícios brasileiros consomem cerca de 45% do total da energia elétrica produzida.

    Já em relação aos resíduos, os materiais descartados pela construção e demolição constituem de 41% a 70% da massa dos resíduos sólidos urbanos. Além disso, pesquisadores apontam impactos sonoros e visuais, além da poluição do ar, gerados durante a execução de obras.

    Dessa forma, como contraponto aos efeitos causados pela construção civil, algumas iniciativas que tratam de diretrizes e requisitos com soluções sustentáveis vêm sendo tomadas com o objetivo de reduzir os impactos ambientais do setor e colaborar para uma tomada de consciência social.

    No Brasil, a certificação ambiental de prédios tem ganhado impulso e é tida pelos responsáveis do setor da construção civil como uma estratégia e uma condição importantes para posicionamento e competitividade no mercado.

    Assim, o primeiro sistema de certificação ambiental de edifícios brasileiro para o setor da construção civil foi criado em 2008, o  Referencial Técnico de Certificação: edifícios do setor de serviços, sistema Alta Qualidade Ambiental (AQUA), da Fundação Vanzolini.

    O que é a certificação AQUA-HQE™?

    A certificação AQUA-HQE™, lançada em 2008, é baseada na renomada norma francesa Démarche HQE™.

    Hoje é a norma que mais atende à realidade do Brasil, pois mesmo tendo referenciais técnicos estrangeiros, as documentações da certificação AQUA-HQE™ foram adaptadas, em 2007, pela Fundação Vanzolini, em parceria com a Escola Politécnica da USP, levando em consideração a cultura, o clima, as normas técnicas e as regulamentações brasileiras.

    Além disso, desde 2014, o HQE™ possui referenciais técnicos de nível internacional que levam em conta a experiência brasileira.

    Mas, do que é feita a certificação AQUA-HQE™? Bem, ela é composta de mais de 270 requisitos e etapas com foco em promover um melhor aproveitamento de materiais nas etapas da construção, evitar desperdícios e reduzir o consumo de energia e água, entre outros impactos fundamentais que geram impactos positivos tanto para os empresários e profissionais da construção civil como para os futuros moradores.

    Dessa maneira, atualmente, existem mais de 230 mil projetos já certificados no mundo e, no Brasil, são mais de 14 milhões de m² construídos com selo AQUA-HQE™ no projeto.

    Por aqui, o destaque vai para a cidade de São Paulo, que conta com 206 dos 455 edifícios certificados no país. Eles estão localizados, especialmente, no bairro da Vila Mariana, onde se concentram 23 construções entregues ou em processo de certificação.

    Portanto, ​​o selo AQUA-HQE™ propõe um novo olhar para a sustentabilidade nas construções brasileiras, aperfeiçoando práticas, seguindo regulamentações nacionais e visando sempre a melhoria contínua de desempenho.

    Quais os benefícios da certificação AQUA-HQE™ para construções, construtores, moradores, frequentadores e meio ambiente?

    Antes de destacar os aspectos técnicos considerados pela norma AQUA-HQE™ para uma construção sustentável, vale destacar as vantagens da certificação para todas as pessoas envolvidas. Lembrando que o selo AQUA-HQE™ pode ser aplicado em casas residenciais, condomínios, prédios comerciais, escolas e outros espaços privados ou coletivos.

    Para o empreendedor:

    Para os moradores e frequentadores:

    Para a sociedade em geral e para o meio ambiente:

    Aspectos técnicos da certificação AQUA-HQE™ 

    Desse modo, para que os benefícios possam ser desfrutados por todos, é fundamental que a construção de prédios e casas esteja alinhada com os requisitos da certificação AQUA-HQE™ e com os aspectos técnicos que ela preconiza. Entre eles, podemos destacar:

    A certificação AQUA-HQE™ na prática: Residência Verde

    Vamos agora para um exemplo prático da norma AQUA-HQE™. Trata-se da Residência Verde, localizada em Piracicaba, uma edificação concebida e programada em todos os detalhes para proporcionar o máximo de conforto e saúde, minimizando o impacto no ecossistema local.

    A casa, construída em um condomínio, atendeu aos critérios do referencial técnico da certificação AQUA-HQE™, citados acima, ao longo de todo o processo de concepção do projeto, levando em conta as necessidades dos usuários, o contexto da casa, seu entorno e a gestão integrada do empreendimento.

    Nesse sentido, a Residência Verde conta com soluções sustentáveis que reduzem o consumo de energia elétrica, água, recursos naturais e de emissão de gases efeito estufa, poluentes aéreos, líquidos e sólidos.

    Assim, o projeto conta com aquecimento da água de banho com sistemas de aquecimento solar e utilização de energia fotovoltaica – tecnologias que ajudam a mitigar a emissão de CO² e a reduzir o valor da conta de energia.

    Além disso, a gestão ecológica da água será feita por meio de reservatórios com filtros que captam água da chuva  e propiciam o reuso na irrigação de áreas verdes e abastecimento das bacias sanitárias.

    A combinação dessas estratégias deve garantir uma redução de 46% no consumo de água potável. Outra iniciativa está relacionada ao tratamento de esgoto da residência, que passará por um biodigestor antes de ser lançado na rede pública.

    A acessibilidade, como requisito da norma, também esteve presente no projeto na Residência Verde.

    A edificação foi programada para se adequar às etapas e necessidades do envelhecimento e, como exemplo, há a leve rampa na frente do lote calculada conforme a Norma de Acessibilidade ABNT NBR 9050, que possibilita o acesso universal a todos os locais, inclusive ao jardim.

    Portanto, seguir os processos da certificação AQUA-HQE™ e aplicar as práticas de construção citadas são as lentes que olham de forma holística para o projeto e resultam em economia para o usuário e para a cidade, e geram impactos positivos ao meio ambiente.

    A Fundação Vanzolini é a única entidade no país que aplica a certificação AQUA-HQE™

    Em parceria com a Cerway, órgão certificador responsável pelas normas da marca HQE™, a Fundação Vanzolini aplica com exclusividade a certificação AQUA-HQE™ no Brasil.

    A instituição foi a responsável pela adequação da norma francesa para a realidade brasileira, como citamos anteriormente e, desde 2008, realiza auditorias em construções para garantir que os parâmetros de Gestão e Qualidade Ambiental sejam cumpridos e efetivados, alcançando, assim, o maior nível de sustentabilidade possível.

    A Fundação Vanzolini, inclusive, foi responsável pela certificação AQUA-HQE™ da Residência Verde.

    Por isso, se você também quer implementar a certificação em seu empreendimento residencial ou comercial, entre em contato com a Fundação Vanzolini e saiba como obter o selo de alta qualidade ambiental para seus projetos.

    Fonte:
    A certificação de desempenho ambiental de prédios: exigências usuais e novas atividades na gestão da construção