Fundação Vanzolini

Conheça os casos reais em que o vazamento de dados gerou impacto financeiro e na reputação das empresas e saiba como evitar esse problema.

Dados vazados resultam em muita dor de cabeça e muito dano no bolso das organizações. Quando uma empresa sofre com o vazamento de dados, ela tem, de cara, dois prejuízos para lidar: o financeiro, por conta das multas aplicadas, e o reputacional, por conta da imagem afetada perante o mercado.

Esses são os altos custos quando há uma ocorrência de fuga de dados. O impacto financeiro das multas – resultantes de uma violação de dados -, podem chegar a milhões de dólares e gerar uma crise paralisante no caixa organizacional. Mas não são somente as multas pesadas.

Os danos à reputação, causados por um vazamento de dados, podem ser igualmente devastadores para os negócios.

Então, para tratar desse tema delicado e bastante relevante no contexto empresarial, preparamos este artigo, no qual exploramos o alto custo dos vazamentos de dados e as consequências e implicações financeiras, além da reputação, que as empresas podem enfrentar, quando não protegem suas informações confidenciais com eficiência.

Dessa maneira, vamos mostrar casos reais, com o objetivo de compreender a magnitude do problema. Além disso, vamos falar da importância de se implementar medidas de segurança eficazes e de se investir em estratégias robustas de proteção de dados para evitar vazamentos.

Prontos?

O vazamento de dados e seus prejuízos financeiros

Para começar, vamos entender melhor o que é o vazamento de dados, também chamado em inglês de data leak. O vazamento de dados está relacionado ao acesso indevido a dados confidenciais e sigilosos por pessoas não autorizadas.

Sendo assim, o vazamento de dados pode ocorrer de forma acidental, quando os sistemas de segurança online não funcionam como deveriam, ou por uma intenção consciente, quando hackers invadem esses sistemas.

De uma maneira ou de outra, os danos para as empresas que têm seus dados expostos podem ser imensos. Isso porque há multas pesadas e toda uma estratégia para reposicionar a marca, “limpando” sua imagem perante o mercado.

Segundo reportagem no Canaltech, no Brasil, esse tipo de ocorrência gera um prejuízo médio de R$ 5,8 milhões por ano.

Além disso, o Brasil também aparece entre os 20 territórios nos quais as investidas desse tipo são mais custosas para as corporações, gerando um aumento de 10,5% nos valores que as empresas tiveram de empregar na mitigação, controle e resolução de incidentes em casos de vazamento de dados.

Na mira dos hackers

Não é à toa que o Brasil gaste tanto com os prejuízos dos vazamentos de dados. O país é um dos mais visados quando o assunto é ataque digital e cibersegurança.

Em 2022, quase 70% das empresas no Brasil sofreram algum ataque cibernético com sequestro de dados, segundo o relatório anual The State of Ransomware da Sophos, da empresa global especializada em cibersegurança.

De acordo com levantamento, o total de registros em 2022 foi 13% superior ao do ano anterior. A pesquisa entrevistou líderes de empresas de médio porte em 14 países, incluindo 200 organizações no Brasil. Entre as empresas brasileiras, 68% disseram ter sido vítimas de ataques.

Outro dado importante é que, de janeiro a novembro de 2021, 24,2 milhões de perfis de brasileiros tiveram suas informações expostas na internet a partir de ataques ou brechas em sistemas. Na ocasião, o Brasil assumiu o 6º lugar no ranking de países com mais vazamentos de dados no mundo.

Quais os tipos de vazamento?

Entre as maneiras mais comuns de ocorrência de vazamento de dados, podemos destacar:

Senhas fracas e controle de acesso falho

Pode parecer besteira, mas uma senha fraca pode ocasionar um vazamento de dados. Mas, até mesmo as melhores senhas podem ser inúteis frente a uma configuração de sistema precária que deixa seu banco de dados vulnerável.

SQL Injection

Trata-se de um tipo de ataque simples e requer conhecimento técnico mínimo para ser realizado.

No SQL Injection, o hacker explora a falta de segurança de websites para obter acesso não autorizado à base de dados. É um ataque simples, e ainda pode ser automatizado.

Phishing

Aqui temos algo um pouco mais complexo, já que esse tipo de ataque requer engenharia social para a manipulação de pessoas e obtenção de dados sensíveis. Um exemplo é o e-mail falso, feito para parecer real ou similar a algum e-mail conhecido.

Desse modo, este e-mail pode pedir informações, oferecer um crédito ou qualquer outra coisa e, ao clicar nos links do e-mail, a pessoa acaba instalando malwares, spywares ou mesmo ser direcionada para logins falsos em páginas similares às conhecidas.

Exploração de Vulnerabilidades

Nesse caso, o ataque tira proveito de vulnerabilidades ou bugs de softwares para obter acesso não autorizado a um sistema ou aos seus dados.

Sistemas operacionais, navegadores e aplicações populares são alguns dos principais alvos e existem até exploit kits, que tornam simples a exploração de vulnerabilidades sem conhecimento técnico por criminosos.

Vazamento de documentos impressos

Documentos impressos também podem ser vazados. Isso porque muitos documentos ficam expostos ou abandonados em impressoras e mesas no ambiente corporativo. A vulnerabilidade também mora aí.

Por isso, um software de impressão segura é uma boa medida quando se trata da segurança dos dados impressos.

Conheça as leis voltadas à proteção de dados

Com o intuito de inibir e punir os crimes cibernéticos, o Brasil conta com leis específicas, voltadas para a proteção de dados. Entre elas, está a mais conhecida, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), de 2018, que

dispõe sobre o tratamento de dados pessoais, inclusive nos meios digitais, por pessoa natural ou por pessoa jurídica de direito público ou privado, com o objetivo de proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade e o livre desenvolvimento da personalidade da pessoa natural.”

Embora a LGPD não determine sanções para o vazamento de dados especificamente, ela prevê punições e multas para as empresas que forem denunciadas e tiverem comprovada a falta de cuidado com os dados coletados em seus sites.

Há também a Lei 12737, de 2012, que caracteriza como crimes cibernéticos:

“A invasão a dispositivos por violação indevida de mecanismo de segurança e com o fim de obter, adulterar ou destruir dados, ou informações sem autorização expressa, ou tácita do titular do dispositivo, ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita” ;

“Interrupção ou perturbação de serviço telegráfico, telefônico, informático, telemático ou de informação de utilidade pública”;

“Falsificação de documento particular”;

“Falsificação de cartão de crédito ou débito”.

Já a Lei 14.155/21, sancionada em 2021, estabelece maiores penas por crimes de furto e estelionato que partem de celulares, computadores e dispositivos eletrônicos, em razão do aumento dos casos e da gravidade das ações e consequências dos crimes cibernéticos.

A legislação brasileira busca fechar o cerco aos ataques cibernéticos e para além das multas, há casos previstos de reclusão do criminoso. 

Dessa forma, é possível compreender que o vazamento de dados é um crime, algo grave, sério, passivo de multas altas e de prisão.

Por isso, ao compreender o impacto financeiro e reputacional de violações de dados, as empresas devem tomar medidas proativas para proteger os seus valiosos ativos de dados e salvaguardar a sua reputação em um mundo cada vez mais digital.

Veja as cinco principais consequências do vazamento de dados para as empresas:

1. Exposição de informações confidenciais

O tempo todo, sem parar, grandes volumes de dados trafegam pelas redes das empresas, incluindo informações confidenciais de clientes, parceiros e colaboradores, relatórios financeiros, etc.

Com um vazamento de dados, todas essas informações podem cair nas mãos de criminosos e se tornar mercadoria, comercializada de forma ilegal.

2. Extorsão e chantagem

O vazamento de dados pode ser moeda de troca e motivo de chantagem. No Brasil, um dos maiores responsáveis pelo vazamento de dados é o ataque de ransomware. Nesse tipo de invasão, o criminoso se apropria do dispositivo da vítima, impedindo seu acesso a dados ou a todo o sistema operacional.

Então, para restabelecer o acesso do usuário, o cibercriminoso exige resgate, normalmente em criptomoedas. Mas o que acontece é que, mesmo mediante ao pagamento, não há garantias de que o hacker irá cumprir o acordo e devolver os acessos. Ele ainda pode expor todas as informações contidas ali.

3. Interrupção de serviços

Quando uma organização sofre um ataque de ransomware ou DoS (Ataque de Negação de Serviço), por exemplo, ela fica parcialmente incapaz de acessar os seus dados e de interagir com os seus clientes.

O restabelecimento das atividades pode levar desde algumas horas até dias, gerando prejuízos e afetando a produtividade da empresa.

4. Impacto negativo na imagem da empresa

Como falamos no início deste texto, um dos prejuízos causados pelo vazamento de dados é o reputacional.

Uma marca com dados sigilosos vazados pode ter sua integridade afetada perante o mercado, e a reconstrução da reputação pode levar muito tempo.

Além disso, a repercussão negativa pode fazer com as pessoas se afastem do negócio, com medo de compartilhar suas informações com uma empresa que já foi alvo de um ataque cibernético. Uma consequência bastante complicada para uma organização que verá seu faturamento despencar.

5. Multas e penalidades legais

Como citamos acima, existem leis que tratam de crimes cibernéticos e visam proteger os dados. Quando as empresas estão em desacordo, elas podem sofrer com as penalidades.

No caso de organizações que tiveram vazamento de dados comprovado, as penas podem variar de advertência até multa, que pode chegar a 2% do faturamento anual da empresa, limitada a R$ 50 milhões por cada infração cometida.

Casos de incidentes de vazamento de dados no Brasil e suas consequências

Como forma de ilustrar e tornar mais palpável a questão do vazamento de dados, apresentamos alguns casos que ficaram famosos no Brasil. Por meio dessas situações, é possível compreender melhor a gravidade e as consequências de uma segurança digital falha e vulnerável.

Operação Deepwater

A operação Deepwater foi deflagrada pela Polícia Federal, em 2021, com o objetivo de combater o crime de vazamento de dados.

A iniciativa partiu da apuração de um desvio em larga escala, em que inúmeros números de CPFs e CNPJs foram divulgados em fóruns obscuros de troca de informações sigilosas.

Os cibercrimes chegaram ao conhecimento das autoridades por meio de denúncia e os criminosos foram presos nos estados de Pernambuco e Minas Gerais.

Dados do Ministério da Saúde

Um caso de vazamento de dados na esfera pública ocorreu em 2020, quando golpistas se aproveitaram de falhas para obter dados sigilosos do Ministério da Saúde.

O ciberataque levou à divulgação indevida de dados de 243 milhões de pessoas – uma quantidade de nomes maior do que toda a população brasileira.

Nessa situação, o volume muito acima da população se deu por conta do vazamento de dados de pessoas já falecidas, cujas informações seriam usadas para praticar novos crimes.

Golpe do Pix

O PIX se tornou rapidamente um meio comum para aplicar golpes e sua facilidade em fazer transferências digitais virou alvo dos hackers.

Um estudo divulgado em setembro de 2023 mostrou que os brasileiros sofreram 1,7 milhão de golpes financeiros via Pix em 2022.

De acordo com a pesquisa da Silverguard, quatro em cada dez entrevistados foram vítimas de alguma tentativa de fraude ao usar esse meio de pagamento. Dentre os alvos de enganações, um em cada cinco caiu no golpe.

Em um dos casos de vazamento de dados e golpe via Pix, a 2ª Vara do Juizado Especial Cível de São José dos Campos condenou um banco a pagar R$ 32.800,00 a uma correntista.

Na ocasião, o juiz entendeu que a vítima caiu no golpe depois de ter seus dados vazados pela instituição financeira e, por isso, o banco deveria responder ativamente pelos danos causados em razão das falhas no seu sistema de segurança.

A importância da segurança dos dados, da tecnologia e de medidas proativas

Segurança, esta é a palavra de ordem quando se trata de proteção de dados. O investimento em cibersegurança é a maneira mais eficiente de evitar o vazamento de informações sigilosas.

Um relatório aprofundado, conduzido pelo Ponemon Institute, sobre as violações de dados em todo o mundo, entre março de 2022 e março de 2023, identificou que Inteligência Artificial (IA) e automação impulsionam a velocidade de identificação e contenção, em casos de ciberataques nas organizações analisadas.

Desse modo, no Brasil, as organizações com uso extensivo de IA e automação experimentaram um ciclo de violação de dados que foi 68 dias mais curto, em comparação com aqueles que não implantaram essas tecnologias. No entanto, apenas 23% das empresas estudadas no Brasil estão usando de forma extensiva a segurança impulsionada por IA e automação – 17% menos do que a média global.

Importante destacar que o tempo necessário para identificar e conter uma violação impacta o custo geral da violação de dados.

Nesse sentido, de acordo com o relatório, no Brasil, se uma empresa gasta menos de 200 dias contendo o incidente, o custo médio é de aproximadamente R$ 5,11 milhões, mas, se passar de 200 dias, o custo pode subir para R$ 7,31 milhões.

Portanto, diante do alto custo, tanto financeiros quanto de reputação nos casos de vazamento de dados, é fundamental que as empresas invistam em práticas, programas e formações voltadas à segurança da informação.

As ações podem estar relacionadas ao reforço da proteção dos dados com softwares robustos e às políticas internas, capazes de educar os colaboradores frente às possíveis situações de ataques cibernéticos.

Por fim, para evitar o vazamento de dados, conter mais rapidamente os dados e preservar o bolso e a imagem da empresa, é essencial contar com um pessoal preparado, com conhecimento em cibersegurança e domínio de ferramentas e métodos de proteção da informação. Tudo com eficiência e seriedade.

Quer saber como a Fundação Vanzolini pode ajudar sua empresa com cursos, certificações e formações ligadas à Segurança da Informação e à Cibersegurança? Então acesse nosso site e veja as possibilidades!

Conheça as certificações: ISO 27001 e ISO 27701

Conheça os cursos de Segurança de Dados da Fundação Vanzolini.

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Fontes:

canaltech.com.br/seguranca/vazamentos-de-dados-geram-prejuizo-medio-de-r-58-milhoes-no-brasil-184759/

istoedinheiro.com.br/seguranca-de-dados-brasil-e-o-6o-pais-com-mais-vazamentos-diz-pesquisa/

tiinside.com.br/24/08/2023/custos-de-violacao-de-dados-no-brasil-reduzem-para-r-640-milhoes/

istoedinheiro.com.br/tecnologia-x-seguranca-da-informacao-entenda-diferencas-e-como-atuar-na-area-com-demanda-crescente-no-brasil/

cnnbrasil.com.br/economia/mais-de-17-milhao-de-golpes-com-pix-foram-aplicados-em-2022-mostra-levantamento/

A atuar de forma mais estratégica na gestão de dados, com foco na segurança e na privacidade. Ao conhecer a norma ISO 27701:2019 você aprenderá sobre padrões internacionais de proteção de dados, além de se preparar para apoiar organizações na adequação de processos para conformidade com a LGPD.

Veja tudo o que você vai aprender:

 

Obs.:
A realização deste curso está condicionada ao número mínimo de matrículas.
As vagas estão sujeitas à capacidade máxima da turma.

Cibersegurança & Proteção de Dados

Cibersegurança & Proteção de Dados

Compartilhe:

Cibersegurança e Privacidade de Dados são temas que exigem uma abordagem ampla e multidisciplinar. Para responder a esta demanda, a Fundação Vanzolini desenvolveu a metodologia BEST – Business Engaged Security Transformation.

BEST estrutura as ações de Cibersegurança e Privacidade de Dados num sistema de gestão que integra Compliance, Riscos, Continuidade de Negócios e Gestão de Incidentes. Harmoniza um conjunto de leis, normas e regulamentos, além da LGPD, com destaque para: NIST;  CIS Controls;  ISO27000; ISO27701; ISO31000; ISO20000 e ISO22301.

A Fundação Vanzolini oferece, através de seu núcleo de Cibersegurança & Privacidade de Dados, oferece produtos e serviços que incluem acreditação, capacitação, consultoria de adequação à LGPD e um programa completo de cibersegurança.

Nossa abordagem propõe a avaliação das políticas de segurança, a metodologia de desenvolvimento de sistemas e definição de procedimentos de segurança. Tudo isso pautado por uma alteração no modo de pensar e utilizar dados, com engajamento de todos os envolvidos para que a segurança seja assegurada no longo prazo. E o programa de capacitação desenvolvido pela Fundação Vanzolini ancora esta transformação cultural.

BEST traz cibersegurança e privacidade como critério para pensar cada iniciativa da empresa security + privacy by design.

Conheça o Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI): um conjunto de políticas, processos e controles que gerencia a segurança da informação nas organizações.

O objetivo de um SGSI é proteger a confidencialidade, integridade e disponibilidade da informação, garantindo que os ativos de informação sejam adequadamente protegidos contra ameaças e vulnerabilidades.

Ou seja, em um mundo em que os dados são o coração dos negócios, ter uma Gestão do Sistema de Segurança da Informação eficiente e atualizado é uma iniciativa vital para as empresas.

Acompanhe o artigo que preparamos sobre o tema e conheça os principais fundamentos da Segurança da Informação, suas vantagens e como os profissionais podem se capacitar para atuar na gestão e segurança dos dados.

Segurança da informação e seus principais componentes

A Segurança da Informação tem como objetivo minimizar os riscos de ameaças físicas e digitais, proteger e assegurar o ciclo de vida dos dados de uma organização.

Desse modo, sua função é manter a salvo as informações – verdadeiras preciosidades estratégicas corporativas do mundo atual -, afastando-as de possíveis ataques cibernéticos.

Então, quando falamos em um Sistema de Segurança da Informação eficiente, devemos considerar seus cinco componentes principais: confidencialidade, integridade, disponibilidade, autenticidade e legalidade.

Dentro desse sistema, cada componente representa um objetivo essencial de cibersegurança e desempenha uma função na proteção integral de dados.

Veja só:

Confidencialidade

O primeiro item é a confidencialidade, que inclui as medidas desenvolvidas para proteger os dados contra a divulgação e o acesso não autorizado.

Aqui, o principal objetivo é garantir que as informações confidenciais fiquem em sigilo e que estejam disponíveis, somente, para pessoas autorizadas.

Como recurso, nesse contexto, existe a criptografia, que pode evitar incidentes, como ataque de hackers, e garantir o requisito básico da confiabilidade da segurança da informação.

Integridade

Como segundo componente da Segurança da Informação temos a integridade, que está relacionada à proteção contra modificações não autorizadas, por exemplo, adicionar, excluir ou alterar de dados.

A integridade como fundamento da Segurança da Informação foi desenvolvida para garantir que os dados não tenham sido modificados de maneira maliciosa e, assim, possam ser considerados confiáveis.

Disponibilidade

A disponibilidade é o item que tem como função proteger a funcionalidade dos sistemas de suporte. Dessa forma, a disponibilidade deve garantir que os dados estejam disponíveis no momento desejado para as pessoas autorizadas.

Para isso, é essencial que os sistemas de computação, controles de segurança e canais de comunicação estejam funcionando corretamente, o que pode ser garantido quando há uma boa gestão.

Autenticidade

Aqui temos a autenticidade, essencial para garantir que uma informação seja verdadeira e que não tenha sido modificada por terceiros não autorizados. Ou seja, a autenticidade diz respeito a informações vindas de fonte confiável.

Nos Sistemas de Segurança da Informação, é essencial impedir falsificações e, para isso, todas as ações realizadas devem ser rastreadas.

Legalidade

Por fim, temos o componente da legalidade com base na Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), que visa garantir que todas as regras legais sejam cumpridas pelas organizações, evitando multas, danos, prejuízos e outras sanções.

Então, para que as empresas estejam alinhadas à legislação vigente, é preciso que tenham conhecimento sobre padrões e certificados, além de contar com profissionais capacitados para uma gestão eficiente e responsável dos sistemas de informação. A seguir, falaremos das principais certificações.

Padrões e Certificações na Segurança da Informação

Para que a prática da Gestão dos Sistemas de Segurança da Informação cumpra com sua função e integre todos os componentes criados acima, é fundamental que empresas e profissionais contem com as principais certificações da área. 

As certificações atestam o conhecimento e tratam dos requisitos que devem compor uma atuação séria, responsável e eficiente.

Entre as principais, temos:

Essas certificações surgem como um alicerce na busca pela conformidade com regulamentações rigorosas, como a LGPD no Brasil,  Lei n° 13.709, que foi promulgada em 2018, inspirada na norma europeia de Proteção de Dados (GDPR – General Data Protection Regulation).

Para conquistá-las, os profissionais devem passar por cursos de formação e capacitação, nos quais terão acesso aos recursos e ferramentas para uma gestão da segurança da informação de qualidade e dentro da legalidade, protegendo dados e evitando multas e prejuízos às empresas.

Portanto, as certificações são essenciais para fortalecer a segurança cibernética e a privacidade de dados, assegurando pessoas e negócios, em um mundo cada vez mais conectado.

Implementação do Sistema de Gestão de Segurança da Informação

Proteger as informações de organizações é uma estratégia de mercado e uma questão legal. Hoje em dia, as empresas que não investem na segurança de seus dados correm sérios riscos.

A garantia da proteção dos dados deve ser prioridade para empresas de todos os segmentos e portes, já que um deslize pode gerar prejuízo financeiro, perda da reputação, problemas com clientes e penalidades com a LGPD.

Então, compartilhamos aqui um breve passo a passo de como fazer a implementação – e manutenção – de um Sistema de Segurança da Informação da sua empresa.

Primeiro passo:

A primeira coisa a se fazer é um diagnóstico para descobrir qual a situação da empresa na área de segurança da informação. Entenda em qual nível de proteção você está, quais recursos e ferramentas costuma usar e qual a cultura disseminada em relação ao tema.

Segundo passo:

Depois de realizado o levantamento sobre o cenário de cibersegurança, são desenvolvidas ações capazes de criar as barreiras necessárias.

De acordo com as demandas e especificidades do seu negócio, elabore uma política de segurança que esteja alinhada ao perfil da empresa e que seja capaz de preencher as brechas identificadas.

Mas não se esqueça de que a política deve atender aos padrões internacionais da ISO 27001.

Terceiro passo:

Depois de desenvolvidas as ações e colocadas em prática, é preciso ficar de olho. Para garantir a proteção dos dados, é necessário monitorar frequentemente se a política de segurança está sendo cumprida corretamente pelas pessoas envolvidas.

Nesse caso, a Gestão dos Sistemas de Segurança da Informação tem um papel importante na disseminação e no engajamento dos colaboradores em relação às boas práticas de uso dos dados.

Quarto passo:

Ao longo de todo processo – desde o diagnóstico até a manutenção – faça o uso de ferramentas e de tecnologias de proteção disponíveis atualmente.

Então, se informe, faça cursos e capacitações nos quais as ferramentas sejam apresentadas e explicadas.

Quinto passo:

A cada dia os ciberataques evoluem e, por isso, os sistemas de proteção também precisam estar em constante evolução. Para isso, é essencial manter os sistemas e as pessoas atualizadas.

Portanto, invista no treinamento de colaboradores, na atualização de softwares e em outras medidas de prevenção.

Trata-se de uma força-tarefa e é preciso estar um passo à frente, para evitar ataques ou para responder a eles de forma rápida e com menos prejuízo possível.

Leia aqui: Como funciona a manutenção das certificações ISO 27001 e 27701

Benefícios da Gestão dos Sistemas de Segurança da Informação (SGSI)

Ao implementar um Sistema de Segurança da Informação, é preciso mantê-lo, como falamos acima. Neste sentido, a Gestão dos Sistemas de Segurança da Informação exerce um papel fundamental. Destacamos aqui seus principais benefícios:

Por fim, se você quer saber mais sobre a Gestão dos Sistemas de Segurança da Informação e como fazer a implantação de um Sistema de Gestão de Segurança da Informação, a partir de uma visão abrangente das tecnologias de controle e dos aspectos técnicos e organizacionais envolvidos, conte com a Fundação Vanzolini.

No curso Tecnologias para os Controles da ISO 27001, serão explorados os controles técnicos da ISO/IEC 27001 e as melhores práticas em proteção de dados. Durante os encontros, os participantes adquirem as habilidades necessárias para garantir a segurança e a conformidade das informações.

Este conteúdo foi útil para você? Saiba mais sobre as certificações da Fundação Vanzolini

Certificação ISO 27001

Certificação ISO 27701

Certificação ISO 20000-1

Conheça as capacitações em Sistemas de Segurança da Informação da Fundação Vanzolini

Atualização da ISO/IEC 27001:2022

Interpretação dos Requisitos ISO 27001:2022

IQNet: ISO 27001 – Auditor Líder

Segurança da Informação e Privacidade de Dados Pessoais, conforme a norma internacional ISO 27701:2019

Até o próximo :)

A Poli promove, em parceria com a Fundação Vanzolini, o seminário “Vidas em risco: desafios e soluções em segurança de silos”. O evento ocorrerá no dia 13 de junho, a partir das 13h10, no Auditório da Engenharia Mecânica da Escola Politécnica da USP. 

Confira os convidados confirmados e a programação completa abaixo.  

Convidados:

Rudy Silva – Auditor Fiscal do Trabalho – SIT – MTE

Gabriel Bezerra – Presidente – Contar

Márcio Prante – Coord. Técnico da CSEAG/ABIMAQ – Coord. Técnico de Estudos da ABNT

Victor Pellegrini – Fundacentro

Keila Machado – Especialista em Segurança do Trabalho

Professores POLI USP

Programação:

13:10h – Palestra Rudy Allan Silva
Auditor Fiscal do Trabalho – SIT – MTE

14:00h – Palestra Márcio Prante
Coordenador comissão técnica da CSEAG/ABIMAQ

14:50h – Coffee Break

15:20h – Rodada de debate dos participantes (Conversa com especialistas)

16:10h – Perguntas ao público

16:30h – Soluções e considerações finais

O evento terá emissão de certificado. Não perca a oportunidade!

As perdas por fraude têm ganhado destaque na imprensa nacional e despertam cada vez mais a atenção das empresas para a importância da cibersegurança. Os prejuízos podem alcançar a casa dos bilhões e comprometer, além do bolso, a imagem da organização.

“R$ 103 bilhões roubados: Brasil é o 2º país que mais sofre crimes cibernéticos na América Latina”; “As fraudes corporativas geraram cerca de US$ 130 bilhões em perdas para as empresas na América Latina”; “Ataques hackers causam prejuízos bilionários ao País”. Essas são algumas das manchetes mais recentes sobre os danos causados pelos crimes cibernéticos.

Então, saber como evitar e conter rapidamente situações de crimes cibernéticos são ações essenciais para os negócios em um mundo cada vez mais digital. Para isso, preparamos este artigo. Confira cases reais e veja como proteger sua empresa.

Ataques hackers e os prejuízos às organizações

Como falamos no início deste artigo, as notícias sobre ataques cibernéticos têm rendido páginas e páginas dos jornais e fica cada vez mais evidente a necessidade das empresas brasileiras se blindarem por meio de iniciativas de cibersegurança.

De acordo com reportagem publicada em janeiro deste ano, no site da Época Negócios, as fraudes corporativas geraram cerca de US$ 130 bilhões em perdas para as empresas na América Latina, segundo a estimativa da consultoria McKinsey.

No Brasil, 32% das empresas reconhecem que as perdas por fraude representam mais de 10% da geração de caixa operacional (medida pelo Ebitda, lucro antes do pagamento de juros e amortizações). Para 57% das empresas na América Latina, o impacto representa mais de 5% do Ebitda.

Ainda nessa reportagem, a consultoria McKinsey aponta a falta de um setor dedicado à prevenção nas empresas, que permitiria identificar casos de forma mais proativa. A empresa estima que seria possível reduzir as perdas com fraudes em US$ 35 bilhões a US$ 65 bilhões com prevenção.

Já em outra publicação do site da Exame, de 2023, uma pesquisa realizada pela empresa de segurança Fortinet mostrou que o Brasil registrou, em 2022, cerca de 103,1 bilhões de tentativas de ataques cibernéticos. O número representa um crescimento de 16% nos ataques desse tipo, em relação ao ano anterior, de 2021, quando foram registrados 88,5 bilhões de ataques cibernéticos no período de 12 meses.

E nem mesmo a esfera pública está a salvo dos ataques de hackers. No sábado de carnaval (10), o perfil da Câmara dos Deputados no X (ex-Twitter) foi atacado por hackers, de acordo com matéria divulgada no jornal O Estado de S. Paulo.

Importância da cibersegurança para evitar ataques

Diante de números tão alarmantes em relação à segurança cibernética em empresas e instituições, fica evidente a necessidade de se buscar medidas para proteger dados, informações, sistemas e transações. E, para isso, temos a cibersegurança, que é, na verdade, uma parte da segurança da informação, e seu papel é impedir que a empresa sofra ataques cibernéticos.

Desse modo, a cibersegurança é responsável por prevenir problemas com a gestão de informações que é feita pelos softwares e máquinas, no trânsito e armazenamento de dados. Então, a função da cibersegurança é proteger a informação digital armazenada ali.

Com uma proteção eficiente, as chances de ataques reduzem e os danos causados por eles também. No entanto, mais do que adquirir sistemas de segurança, ferramentas e programas, é preciso investir na cultura de cibersegurança, é preciso que a mensagem de proteção e cuidado esteja, de fato, no dia a dia da corporação.

Além disso, é preciso investir em profissionais especializados em cibersegurança para uma atuação mais efetiva, preventiva e assertiva. Mas como fazer isso? Veja a seguir quais caminhos possíveis para investir em cibersegurança e evitar prejuízos financeiros e de reputação.

Formação, capacitação, liderança e certificação em cibersegurança na Fundação Vanzolini

A prevenção é a melhor ação quando se trata de crimes cibernéticos e, pronta para atender às demandas das organizações dos tempos atuais, a Fundação Vanzolini conta com curso de formação em Cibersegurança, que oferece recursos importantes para garantir a integridade de informações e sistemas.

Por meio do curso, os alunos vão conhecer os riscos e aprender práticas de proteção contra ataques cibernéticos. Trata-se, portanto, de um conhecimento essencial para qualquer profissional atuar na era digital.

Outra maneira de garantir a proteção de dados e informações da organização é com a implementação das normas ISO 27001 e 27701.

Ao seguir a estrutura determinada pelas normas, as empresas cumprirão as exigências necessárias para garantir a proteção de dados.

A Fundação Vanzolini oferece capacitação para que os profissionais responsáveis pela área possam alcançar os padrões exigidos e, assim, obter as certificações. Com isso, é possível elevar o patamar da empresa em relação ao tema da cibersegurança e melhor posicionar sua imagem perante o mercado.

Por fim, lembrando sempre que a cibersegurança exige, além de ferramentas, cultura, engajamento e comprometimento, a Fundação Vanzolini oferece o curso Cibersegurança, que tem como finalidade formar profissionais especializados no tema.

Trata-se de um curso que é a porta de entrada para se tornar um líder de destaque na segurança cibernética em um mundo cada vez mais digital, orientado por dados e, como vimos, cada vez mais alvo de criminosos virtuais.

Desse modo, ao concluir a formação, o profissional será um especialista em segurança cibernética, habilitado para liderar sua organização na era da IA, protegendo dados valiosos e navegando com confiança pelo cenário digital em constante evolução.

Sendo assim, por meio do conhecimento prático e teórico relacionado à cibersegurança, as organizações têm mais recursos para se blindarem dos ataques de hackers e evitarem prejuízos econômicos e de imagem.

Este conteúdo foi útil para você? Se você deseja aprender mais sobre proteção contra crimes cibernéticos, conte com as possibilidades em cibersegurança oferecidas pela Fundação Vanzolini.

Conheça os cursos de Novas Tecnologias para Negócios da Fundação Vanzolini.

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Fontes:

estadao.com.br/politica/vera-rosa/ataques-hackers-causam-prejuizos-bilionarios-ao-pais-e-lula-quer-criar-agencia-de-ciberseguranca/

epocanegocios.globo.com/empresas/noticia/2024/02/empresas-da-america-latina-perdem-us-130-bilhoes-ao-ano-com-fraudes.ghtml?utm_source=the_news&utm_medium=newsletter&utm_campaign=02-02-2024

exame.com/future-of-money/r-103-bilhoes-roubados-brasil-e-o-2o-pais-que-mais-sofre-crimes-ciberneticos-na-america-latina/?utm_source=the_news&utm_medium=newsletter&utm_campaign=02-02-2024

Capacitação em cibersegurança é um dever do profissional de desenvolvimento de software: conheça as razões dessa afirmação  e como se destacar na área.

No desenvolvimento de software, deve-se considerar a segurança do início ao fim do projeto, pois criar uma ferramenta segura é a base de tudo e o princípio pelo qual os usuários a buscam.

Nesse contexto, deixar essa prática de lado pode arriscar todo o planejamento, assim, você deve voltar-se à capacitação em cibersegurança.

Até porque, atualmente, as ameaças vêm de todos os “lados” e estão cada vez menos perceptíveis, ou seja, por não serem facilmente detectadas, torna-se mais fácil cair em armadilhas cibernéticas.

Isso significa que os desenvolvedores devem compreender os diferentes tipos de ameaça que um software pode enfrentar, dos malwares aos ataques de negação de serviço, e o malefício mais frequente atualmente, a violação de dados.

Com isso, os profissionais devem, sim, abordar a segurança como uma prioridade fundamental, não somente como um acessório no desenvolvimento, mas sim como princípio.

Garantir que todas as etapas do desenvolvimento estejam conforme as premissas da cibersegurança é uma prática essencial, mas como colocá-la em vigor? Acompanhe!

Regras básicas para um desenvolvimento seguro

Há um conjunto de regras fundamentais para padronizar as boas práticas de criação e os desenvolvedores devem seguir tais diretrizes, para assegurar a confiabilidade dos softwares.

Nesse caso, algumas das regras, em geral, são:

Além das normatizações mais generalistas,  igualmente atente-se para:

Revisar o código

A revisão do código é uma ação importante no decorrer da criação, pois isso garante a adequação da configuração, fazendo com que ela seja resistente aos possíveis ataques.

A constante inspeção não deve ser subestimada, pois serve como um guia para a equipe responsável, que fica incumbida de realizar os testes mais comuns e certificar a confiabilidade da ferramenta.

Em resumo, o momento da revisão serve para encontrar brechas despercebidas ao longo do processo, que podem colocá-lo em risco. Esta prática é uma das mais abordadas em uma capacitação em cibersegurança.

Criar um ambiente seguro como um todo

Fornecer segurança por meio dos códigos é algo amplamente discutido, porém, às vezes, esquecido, refere-se a criar um ambiente físico seguro, além da seguridade digital.

Assim, deve-se estruturar um ambiente no qual não haja vestígios de vulnerabilidade nos espaços físicos em que a criação ocorre. Um exemplo, é implementar um sistema de controle de acesso aos setores responsáveis pelo desenvolvimento.

Além disso, ainda vale isolá-los para impedir o acesso de pessoas não autorizadas, para assim garantir a integridade de todas as fases do processo. Confiança deve, sim, estar inerente à cultura da empresa, mas, nesses casos, certas medidas são indicadas.

Focar na segurança dos métodos de transferência e armazenamento

Outra ação fundamental é a comunicação segura, isto é, definir diretrizes cujo papel seja o de garantir a transmissão segura de dados entre os sistemas. Basicamente, a comunicação divide-se em três níveis:

Leia mais: Segurança da informação: ISO 27001 Metodologia e boas práticas

Conheça duas abordagens eficientes que garantem a segurança do início ao fim

Nenhum processo relacionado à segurança deve ser descartado, devido à agilidade das ameaças veladas, então, todo cuidado é necessário. Por esse motivo, conheça duas abordagens responsáveis por auxiliar a manter a integridade e confiabilidade do software produzido.

KPIs

KPIs são métricas de avaliação de desempenho utilizadas para medir a performance de uma equipe, principalmente relacionada à gestão de projetos. Assim como há o processo de revisão de dados, a “revisão” do rendimento do time é igualmente necessária.

Isso porque, caso haja quaisquer comprometimentos responsáveis por prejudicar o andamento do programa, eles poderão ser ajustados, sendo esses ajustes o aperfeiçoamento de técnicas ou a escolha de metodologias mais eficazes, por exemplo.

Em relação à cibersegurança de softwares, os KPIs têm função de medi-la e, nos casos em que houver falhas, a equipe poderá saná-las por meio de métodos mais seguros.

SDL

O SDL (Security Development Lifecycle), ou, em português, Ciclo de Desenvolvimento Seguro, é um processo importante no desenvolvimento de softwares, pois atesta a segurança do projeto do início ao fim, a partir de: identificação e mitigação de vulnerabilidades de segurança; realização de revisões de código; testes de segurança e adoção de práticas seguras de codificação.

Importância da capacitação em cibersegurança

Até aqui, citamos processos fundamentais de segurança cibernética, mas, na prática, para garantir a seguridade das ferramentas desenvolvidas,  a capacitação é necessária.

Conhecer a teoria por cima, assim como as definições citadas neste artigo, faz com que os profissionais descubram caminhos para o melhor exercício de suas ocupações. No entanto, a capacitação em cibersegurança será, de fato, o guia definitivo para não correr riscos.

Na área da tecnologia, atualizar-se em relação às práticas de trabalho deve ser encarado como uma obrigação, e não como um diferencial. Afinal, todos os dias são termos, métodos, técnicas e até ameaças diferentes.

Pensando nisso, a Vanzolini desenvolveu o curso de Cibersegurança. Destaque-se na Era da IA com uma formação completa para você se tornar líder de segurança cibernética nas organizações, conhecendo métodos modernos para aplicar a IA na defesa de ameaças virtuais cada vez mais sofisticadas.

Clique no link em destaque e receba o programa completo, com Inovação e Tendências Futuras, para mantê-lo sempre atualizado conforme as demandas!

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira.

Conheça os cursos de Segurança ​de Dados da Fundação Vanzolini.

ENTRE EM CONTATO

Até o próximo!

Fontes:

trt4.jus.br/portais/media/175722/guia-desenvolvimento-seguro-2018.pdf

blog.convisoappsec.com/seguranca-no-desenvolvimento-de-softwares/

Quer aprender a proteger seus dados e sistemas contra ameaças cibernéticas? Este minicurso gratuito de cybersegurança é perfeito para você! Durante quatro aulas dinâmicas e informativas, você será introduzido ao fascinante mundo da cibersegurança, explorando desde os conceitos fundamentais até as práticas mais avançadas de proteção.

Conteúdo das Aulas:

Aula 01: Fundamentos de Segurança e Aspectos Jurídicos e Éticos
Desvende os segredos da segurança da informação.
Conheça os fundamentos essenciais e as responsabilidades legais e éticas.
Explore casos práticos e descubra como proteger dados de forma ética.

Aula 02: Gestão de Riscos, Compliance e Governança de TI
Domine a arte da gestão de riscos e compliance.
Descubra estratégias eficazes de governança de Tecnologia da Informação.
Aprenda a manter a conformidade com normas e regulamentos.

Aula 03: Gestão de Incidentes e Planejamento da Segurança
Prepare-se para a resposta eficaz a incidentes.
Desenvolva planos de segurança sólidos.
Aprimore suas habilidades de gestão de incidentes.

Aula 04: Gerenciamento de Equipes e Tendências Futuras
Liderança eficaz na segurança da informação.
Explore tecnologias emergentes e desafios futuros.
Descubra estratégias para manter sua equipe à frente das tendências.

Certificação: Você receberá uma certificação ao concluir o minicurso.

Bolsas de Estudo: Ao completar o curso, você pode ganhar bolsas de até 50% de desconto no curso de Analista em Cibersegurança.
Serão disponibilizadas três bolsas de estudos de 50%, 30% e 10%, respectivamente para o primeiro, segundo e terceiro aluno(a) que concluir o minicurso com nota 10 de aprovação. Importante ressaltar que as bolsas só serão concedidas após a viabilização da turma. A divulgação dos vencedores será no dia 27 de fevereiro de 2024.

Garanta sua vaga agora e esteja pronto para enfrentar os desafios da cibersegurança!

Conheça os padrões ISO de segurança e conquiste a confiança de seus clientes ao seguir as principais normas de proteção de informações.

Os padrões ISO de segurança se referem ao termo International Organization for Standardization, entidade responsável por desenvolver e publicar padrões de processos que visam qualidade, segurança e eficiência de serviços, produtos e sistemas. 

Neste artigo, falaremos sobre as ISO 27001 e 27701, que têm como atribuições zelar, principalmente, pela segurança e sigilo de dados cibernéticos de empresas públicas ou privadas. 

Recentemente, dados do Facebook, ChatGPT, de órgãos de saúde e de uma determinada empresa do ramo imobiliário sofreram com o vazamento de dados. As organizações, além de arcar com prejuízos financeiros, devido aos danos morais, ainda perdem a confiança e credibilidade. Por fim, a perda de clientes é uma das piores consequências. 

Para tornar sua empresa segura a todos, continue lendo este artigo e saiba como não passar por nenhuma dessas situações que levam uma instituição a perder sua credibilidade e confiabilidade. 

ISO 27001 e 27701: qual a diferença?

A ISO 27001 é uma certificação destinada a empresas de instituições públicas ou privadas que prezam pela segurança da informação, conforme os padrões do Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI). 

A SGSI, por sua vez, é um conjunto de políticas, normas e protocolos processuais voltados para gerenciar os riscos e reduzir os danos causados pela falta de segurança dos dados de uma organização. Nesse sentido, a ISO oferece maior segurança, confidencialidade e integridade no armazenamento de informações. 

Quanto a ISO 27701, é uma extensão da 27001. Enquanto a 27001 diz respeito ao Sistema de Gestão e Segurança de Informação, a 27701 se refere ao Sistema de Gestão de Privacidade da Informação (SGPI). Portanto, a 27701 protege, exclusivamente, dados pessoais dos clientes, funcionários e demais parceiros. 

Qual escolher? 

Ambas certificações são importantes, pois como citamos, uma complementa a outra e são imprescindíveis no quesito segurança cibernética. Nesse caso, o ideal é iniciar pela 27001, visto que a 27701 é uma extensão da primeira e não pode ser implementada sem ela. Ao optar pelas duas, você terá a certeza de que está no caminho mais seguro, sem deixar lacunas na proteção dos dados da instituição. 

Para quem é o padrão ISO de segurança 27001/27701

A certificação é ideal para instituições que lidam com informações importantes e sensíveis (sigilosas ou não), dados pessoais e empresariais de clientes, pessoas físicas ou jurídicas, informações financeiras, de propriedade intelectual, etc. 

As principais organizações que buscam pela certificação ISO são: 

Embora as instituições acima sejam as que mais comumente procurem pela certificação, qualquer empresa preocupada em oferecer segurança aos seus clientes pode obtê-la, pois a ISO 27001 possui muitos benefícios em relação a isso. 

Por que as certificações são importantes? 

Existem vários casos de vazamento de dados, incluindo de empresas gigantes como a Meta (Facebook, Instagram e WhatsApp). Em 2021, ocorreu uma divulgação indevida de dados que afetou 533 milhões de pessoas, em 106 países. 

Após esse episódio, a companhia deverá pagar mais de R$70 milhões em danos morais. E, além do prejuízo financeiro, os usuários passaram a não confiar mais nos aplicativos. 

Se tal situação ocorre com uma das maiores e mais importantes organizações tecnológicas do mundo, pode-se dizer que todos estão suscetíveis à insegurança. Por isso, atender aos padrões ISO de segurança é uma indicação de que a empresa: 

Como consequência a todos os aspectos citados, as empresas aumentam a confiança dos clientes e podem aumentar sua demanda, pois, com os casos frequentes de vazamento, os parceiros optam por quem cuida da segurança cibernética. 

Ou seja: menos críticas e imprevistos e mais parceiros interessados no trabalho da instituição! 

Leia mais: Proteção a fraudes: saiba mais sobre as normas ISO/IEC 27001 e 27701

Como conseguir a certificação ISO 27001?

A Fundação Vanzolini é uma certificadora da norma ISO 27001. Além disso, a Fundação ainda oferece um curso de interpretação dos requisitos. Isso porque as normas possuem exigências a serem cumpridas. 

Os cursos de Interpretação dos Requisitos ISO 27001:2022 têm como objetivo:

O conteúdo programático do curso consiste em: 

Quanto ao curso referente às normas ISO 27701, confira os principais conteúdos abordados:

Leia mais: Como funciona a manutenção das certificações ISO 27001 e 27701

Atender às normas, em um primeiro momento, pode parecer uma tarefa complicada para as equipes despreparadas. Então, cursos relacionados a elas são fundamentais para o processo transcorrer da melhor forma e também rapidamente. 

Entre em contato e esteja nos padrões ISO de segurança. Com todas as ferramentas em mãos, a empresa estará pronta para receber a certificação e conquistar a confiança dos clientes e demais parceiros. 

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira.

Conheça os cursos de Segurança de Dados da Fundação Vanzolini.

Auditoria remota – como fazer e responder a auditorias remotas

Gestão de Riscos: Metodologia e boas práticas – ISO 31000

Interpretação dos Requisitos ISO 37001:2016

LGPD na prática: Como implantar a Lei Geral de Proteção de Dados na sua empresa

LGPD para áreas Administrativas e Financeiras

LGPD para áreas com Relacionamento com Clientes ou Fornecedores

LGPD para área Compliance

LGPD para área de Recursos Humanos

LGPD para área de Tecnologia da Informação

LGPD para área Jurídica

LGPD para DPO ou Encarregado de Dados

Segurança da Informação e Privacidade de Dados Pessoais, conforme a norma internacional ISO 27701:2019

IQNET: ISO 27001 – Auditor Líder

Interpretação dos Requisitos ISO 27001:2022

Sistema de Gestão de Ativos – Requisitos ISO 55001

Sistema de Gestão de Compliance – Como um sistema de gestão pode apoiar as organizações na cultura positiva do Compliance ISO 37301

ENTRE EM CONTATO

Descubra a importância da certificação de cibersegurança e como ela se integra com as tecnologias de firewall e sistemas de detecção de intrusão, para fortalecer a segurança de rede.

No atual panorama digital, a segurança cibernética se tornou um aspecto crucial para empresas e
organizações. Com o aumento das ameaças digitais, a implementação eficaz de firewalls e sistemas de
detecção de intrusão (IDS) é mais importante do que nunca.

Este artigo explora o papel vital da certificação de cibersegurança na proteção de redes contra ameaças
cibernéticas, destacando como a capacitação em cibersegurança, o monitoramento de IDS e uma liderança sólida em segurança cibernética são essenciais para garantir a integridade de dados e sistemas.

O papel dos firewalls na segurança de rede

Firewalls são a primeira linha de defesa em qualquer estratégia de segurança de rede. Eles atuam como
barreiras entre redes internas seguras e fontes de tráfego não confiáveis, filtrando o tráfego de entrada e
saída, com base em um conjunto de regras definidas.

O desenvolvimento e a implementação eficazes de políticas de firewall requerem um entendimento
profundo dos riscos de segurança – conhecimento este que é frequentemente solidificado por meio de uma certificação de cibersegurança.

Sistemas de detecção de intrusão: o monitoramento contínuo

Além dos firewalls, os sistemas de detecção de intrusão desempenham um papel crucial no monitoramento contínuo da segurança da rede. Eles analisam o tráfego da rede em busca de padrões suspeitos que podem indicar uma tentativa de intrusão.

O conhecimento aprofundado em monitoramento de IDS é uma competência essencial para os profissionais da área e também pode ser adquirida e aprimorada com uma capacitação especializada em cibersegurança.

Importância da certificação de cibersegurança

A certificação de cibersegurança não é apenas um diferencial para os profissionais da área, mas uma
necessidade. Ela valida o conhecimento e as habilidades necessárias para implementar e gerenciar a
segurança de uma rede eficazmente.

Além disso, as certificações são frequentemente requisitadas por organizações que buscam garantir que sua equipe esteja equipada para enfrentar os desafios de segurança modernos.

Dicas de cibersegurança para profissionais

Para os profissionais da área, manter-se atualizado com as últimas dicas de cibersegurança é vital. Isso inclui a compreensão das tendências atuais de ameaças, o aperfeiçoamento constante de habilidades e o
conhecimento das melhores práticas para configurar e manter firewalls e sistemas de IDS. Participar de
workshops e seminários de cibersegurança pode oferecer insights valiosos e manter os profissionais à frente nas estratégias de defesa.

Capacitação em cibersegurança: um investimento contínuo

A capacitação em cibersegurança é um investimento contínuo para qualquer profissional ou organização. Ela envolve não apenas a obtenção de certificações, mas também o engajamento em aprendizado contínuo e desenvolvimento profissional. Com o cenário de ameaças evoluindo rapidamente, a capacitação contínua é essencial para manter as habilidades afiadas e a rede segura.

Liderança em segurança cibernética: guiando equipes

A liderança em segurança cibernética é crucial para orientar as equipes na implementação de estratégias
eficazes de segurança. Líderes com uma sólida formação em cibersegurança podem efetivamente orientar suas equipes na adoção de práticas de segurança robustas, garantindo que a organização esteja protegida contra ameaças emergentes.

Navegando pelas complexidades da segurança de rede

No complexo universo da segurança de rede, enfrentar desafios constantes e evoluir diante de ameaças
emergentes é essencial. Profissionais com certificação de cibersegurança são treinados para gerenciar esses desafios com eficiência, implementando firewalls e sistemas de detecção de intrusão de maneira estratégica, garantindo a segurança sem comprometer a funcionalidade da rede.

Implementação estratégica de firewalls e IDS

Esses profissionais entendem a importância de uma implementação equilibrada de firewalls e sistemas de
detecção de intrusão (IDS). Eles têm o conhecimento para configurar firewalls que protejam a rede sem
obstruir o fluxo de trabalho e ajustar os IDS para identificar ameaças reais, evitando alarmes falsos,
garantindo, assim, uma resposta rápida e eficaz a potenciais ameaças.

O papel da certificação na evolução da carreira

A certificação de cibersegurança não é apenas uma prova de habilidades técnicas, mas também um passo
fundamental para o avanço profissional. Profissionais certificados são frequentemente escolhidos para
papéis de liderança, responsáveis por desenvolver políticas de segurança e orientar a implementação de
novas tecnologias de segurança.

Cibersegurança profissional e a cultura de segurança

Além das habilidades técnicas, a cibersegurança profissional promove uma cultura de segurança dentro da organização. Profissionais de segurança cibernética desempenham um papel crucial na educação e
treinamento de outros funcionários em práticas de segurança, reforçando a importância da proteção contra ameaças digitais em todos os níveis da organização.

Investir em cibersegurança, particularmente na certificação de cibersegurança, significa proteger o futuro
da organização. Profissionais qualificados não apenas lidam com ameaças atuais, mas também lideram o
desenvolvimento de estratégias para enfrentar desafios futuros, criando um ambiente de trabalho seguro e resiliente, frente às constantes mudanças no cenário de ameaças digitais.

Este conteúdo foi útil para você? Aprenda mais sobre o assunto: a Fundação Vanzolini oferece cursos com especialistas na área, para você ampliar o seu repertório e transformar a sua carreira.


Formação em Cibersegurança

ENTRE EM CONTATO