Fundação Vanzolini

Uma roda de conversa com os professores Carlos Paiola e Ricardo Caruso, debatendo sobre o atual cenário de mudanças. Da Internet das Coisas (IoT) ao Big Data, apresentando uma visão de como a Indústria 4.0 pode oferecer soluções para superar a crise e se preparar para este novo momento que se apresenta.


» Para saber quais são os nossos próximos webinars acesse o site da Fundação Vanzolini.

Aprenda como criar, conduzir e liderar projetos de adoção digital, com o apoio de profissionais com conhecimento de mercado e conteúdos que vão te ajudar a compreender a Indústria 4.0, mapear oportunidades de implementar novas tecnologias e definir os melhores caminhos para transformar as operações industriais.

Veja tudo o que você vai aprender:

 

Ao se matricular, o(a) aluno(a) tem acesso gratuito ao curso de Formação em Gestão da Manutenção e Confiabilidade.

 

Obs.:
A realização deste curso está condicionada ao número mínimo de matrículas.
As vagas estão sujeitas à capacidade máxima da turma.

Formação em Indústria 4.0 para Pequenas e Médias Empresas

Formação em Indústria 4.0 para Pequenas e Médias Empresas

Compartilhe:

A Quarta Revolução Industrial, também conhecida como Indústria 4.0, está mudando a maneira como as empresas operam e, portanto, os ambientes nos quais são forçadas a competir. A Indústria 4.0 combina técnicas avançadas de produção e operações com tecnologias inteligentes que são integradas a organizações, pessoas e ativos.

Essa revolução é marcada pelo surgimento de novas tecnologias como robótica, inteligência artificial, tecnologias cognitivas, nanotecnologia, Internet das coisas (IoT), computação em nuvem, entre outras. As organizações devem identificar entre todas estas tecnologias, quais melhor atendem às suas necessidades para que invista nelas. Caso contrário, elas correm o risco de perder participação no mercado.

Esta formação, destina-se especialmente aos líderes e gestores de pequenas e médias empresas (PMEs) para que consigam contextualizar, interpretar e responder melhor à transformação digital da indústria de manufatura, denominado modelo Indústria 4.0. Os estudos de caso e exemplos de aplicação do mundo real permitirão que os alunos se envolvam com os desafios da indústria e desenvolvam uma compreensão das tecnologias e inovações que estão revolucionando o desenvolvimento futuro dos negócios.

Os profissionais que participarem deste curso serão capazes de transferir o conhecimento aprendido para suas próprias funções e começar a se preparar para a ruptura da Indústria 4.0 dentro de sua própria organização.

Sobre o curso

Data: 9 de agosto a 15 de novembro de 2023
Horário: 18h às 19h30
Plataforma: Zoom
As aulas terão tradução simultânea (Português/Espanhol)

Conteúdo do programa

Módulo 1: Indústria 4.0, significado, escopo e experiência: Elementos-chave do modelo 4.0 e os benefícios das novas tecnologias;

Módulo 2: Tecnologias de referência, escopo de adoção das tecnologias 4.0 na experiência internacional – casos selecionados;

Módulo 3: Estudos empíricos sobre avanços das tecnologias 4.0 na América Latina;

Módulo 4: Estudos empíricos sobre avanços das tecnologias 4.0 – apresentação de casos do Brasil e da Colômbia;

Módulo 5: Estudos empíricos sobre avanços das tecnologias 4.0 – apresentação de casos do Chile e Argentina;

Módulo 6: Vetores: Cases de aplicação da “Internet das Coisas”;

Módulo 7: Vetores: Cases de aplicação “3D”;

Módulo 8: Vetores: Cases de aplicação “Inteligência Artificial”;

Módulo 9: Vetores: Cases de aplicação “Computação na Nuvem”;

Módulo 10: Vetores: Cases de aplicação de ”Realidade Aumentada”;

Módulo 11: Vetores: Cases de aplicação “Blockchain”;

Módulo 12: Vetores: Cases de aplicação “Robótica”;

Módulo 13: Humanos e máquinas: Habilidades requeridas e Gestão de equipes de trabalho mistas.

Investimento

Investimento total: R$ 1.800,00
Boleto bancário: à vista ou parcelado em até 6 vezes.
Cartão de crédito: à vista ou parcelado em até 6 vezes.

Desconto especial de 10% para pagamentos à vista.

Descontos progressivos de 10% a 50% para grupos. 

Contatos

Para saber mais entre em contato:
(11) 3024-2266 / (11) 93033-0932
rebecca.fernandes@vanzolini.org.br

Professores

Nicolo Glico
Professor
Diretor de Assuntos Econômicos da Unidade de Inovação e Novas Tecnologias da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe das Nações Unidas (CEPAL). Profissional com mais de 20 anos de experiência em design e implementação de políticas de desenvolvimento produtivo e negócios, incluindo atração de investimentos, promoção de exportação e inovação e desenvolvimento tecnológico. Ocupou diferentes cargos de responsabilidade no setor público chileno e trabalhou como consultor para organizações internacionais. É engenheiro civil industrial e mestre na mesma especialidade da Universidade do Chile, e mestre em gestão pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).
Javier Formari
Professor
Doutor em Engenharia de Sistemas e licenciatura em Informática obtida na Universidade de Málaga, Espanha. Por mais de 20 anos ele se dedicou ao ensino universitário sendo um especialista nos tópicos relacionadas com tecnologias aplicadas e informática. Em assunto de gestão, foi diretor da área deTecnologia do Informações na UniversidadeTecnológica Nacional e Regional Rafaela. Já participou da comissão diretiva do Rafaela Câmara de Empresas de Desenvolvimento de Computadores.Também atuou como consultor de projetos de novas tecnologias aplicadas ao campo industrial e educacional. Autor de artigos científicos na Argentina e acadêmicos internacionais.
Rubén Ascúa
Professor
Reitor da Universidade Nacional de Rafaela (Período 2017-21), professor da Faculdade Regional Rafaela e professor visitante da Faculdade de Ciências Economia da Kaiserslautern University of Applied Sciences, Alemanha. Rubén Ascúa é Contador Público Nacional (UNL-FCE),
Bacharel em Economia (UNR-FCEyE) e doutor em Economia (PWU, San Diego). Seus campos de pesquisa e ensino são: desenvolvimento de PME e novos negócios; teoria da assinatura; mercados e instrumentos, financiamento para PME’s. Formulação e avaliação de projetos de investimento industrial; clusters e distritos industriais.
Antonio de Sant’Anna Limongi França
Professor
Consultor sênior da LF1 Inovação Tecnológica e Estratégias Organizacional: Transformação de negócios digitais, TI, Plataformas de nuvem, inovação, ecossistemas e blockchain, Marketing e Vendas, desde 2003. Pós-doutorado em Engenharia de Produção: Blockchain e impacto social. PRO / POLI / USP. IBM e INGRAM MICRO Parceiro de Negócios – Transformação de negócios digitais e inovação estratégica. Criador e cofundador da startup ECOCHAIN, blockchain em empresas com impacto social. Desenvolvedor de sistemas ECOCHAIN e Mobilidade Urbana Inclusivo, ambos usando plataformas de blockchain. Pós-doutorado em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP. Membro do grupo de pesquisa “Redecoop Gestão de Redes de Conhecimento e Cooperação REDECOOP”, da Universidade de São Paulo.
Membro da equipe de professores e consultores da Fundação Vanzolini, desde 2014. Membro do Grupo de Pesquisa “Smart Cities” – Departamento de Engenharia da Produção da Poli-USP.
João Amato Neto
Professor
Professor Sênior pela POLI-USP, Pós-doutor em Economia e Administração de Empresas pela Università Ca Foscari di Venezia (Itália), Doutor em Engenharia (Engenharia de Produção) pela POLI-USP, Mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV) e Bacharel em Engenharia de Produção pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP). Presidente da Diretoria Executiva da Fundação Vanzolini.
Ricardo Caruso Vieira
Professor
É mestre em gestão de operações pela FEA/USP – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – e Engenheiro de Automação e Controle pela Poli/USP – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Trabalha com sistemas de otimização e gestão industrial há 12 anos em aplicações de diversos segmentos industriais. É autor de artigos sobre gestão de operações, inteligência artificial e manufatura avançada em revistas e congressos técnicos e científicos. É sócio e diretor da área técnica da Aquarius Software.
Quer saber mais?
Preencha o formulário abaixo que em breve entraremos em contato

    Fórum Mundial das Pequenas e Médias Empresas contou com a participação do presidente da Diretoria Executiva da Fundação, João Amato Neto, em plenária sobre o tema 

    O SME World Forum (Fórum Mundial das PMEs) ocorreu na cidade de Rosário, Argentina, entre os dias 31 de outubro e 2 de novembro. O evento acontece anualmente, em diferentes países, para reunir líderes globais, empresários, legisladores, formuladores de políticas públicas, pesquisadores e educadores de todo o mundo, que queiram debater questões relacionadas a Pequenas e Médias Empresas.

    Participantes de diferentes origens compartilharam conhecimento e experiências em seus respectivos campos, como inovação, introdução de tecnologias, sustentabilidade, desenvolvimento do capital humano, eficiência energética, entre outros. O encontro promoveu painéis, plenárias, apresentações de investigação e workshops, em seus três dias duração.

    Professor Amato Neto
    Professor João Amato Neto na SME World Forum.

    Convidado para ser o orador principal na plenária do dia 31 de outubro, o prof. João Amato Neto representou a Fundação Vanzolini abordando o tema “Indústria 4.0 nas Pequenas e Médias Empresas Brasileiras”. O professor, que é presidente da Diretoria Executiva da instituição, ressaltou a importância da parceria com a Universidade Nacional de Rafaela.

    Desde 2021, a Fundação Vanzolini tem parceria com a Universidade Nacional de Rafaela (UNRaf) para promover a Formação em Indústria 4.0 para Pequenas e Médias Empresas, com segunda edição realizada em agosto desde ano, e que se destina especialmente a líderes e gestores de pequenas e médias empresas (PMEs).

    A Formação reúne professores especialistas que abordam estudos de caso e exemplos de aplicação da Indústria 4.0 no mundo real a fim de promover o envolvimento dos estudantes com os desafios da indústria e a compreensão das tecnologias e inovações que estão revolucionando o desenvolvimento futuro dos negócios.

    Organizado pela Universidade Nacional de Rafaela (UNRaf), em colaboração com a Universidade Nacional de Rosário (UNR) e com o Governo Superior da Província de Santa Fé, o Fórum Mundial é fruto do convênio

    firmado com o International Council for Small Business (ICSB) – Conselho Internacional de Pequenas Empresas – que coordena o evento em todo o mundo.

    A ICSB funciona em rede e liga cerca de 90 países em busca de promover um melhor conhecimento e compreensão das condições de crescimento e desenvolvimento de pequenos negócios no mundo inteiro.

    O futuro está presente e a Inteligência Artificial (IA) é a prova de que máquinas e pessoas dividem, cada vez mais, espaço e produtividade, gerando serviços e produtos inovadores.

    (mais…)

    O conceito pode ser aplicado nas mais diferentes verticais de mercado para trazer eficiência, qualidade, redução de custo, segurança operacional e sustentabilidade na operação das empresas.

    (mais…)

    A Indústria 4.0, também chamada de 4ª Revolução Industrial, é um conceito que envolve a automação industrial e a integração de diferentes tecnologias, tais como inteligência artificial, robótica, internet das coisas e computação em nuvem, tendo como finalidade a digitalização das atividades industriais. O objetivo final é melhorar os processos, aumentar a sua eficiência e eficácia.

    (mais…)

    A cultura data driven, ou a gestão orientada por dados, é capaz de gerar vantagens competitivas, melhorar a performance organizacional e aperfeiçoar produtos e processos na indústria.

     

    A informação é o que tem movido a indústria dentro da revolução digital e a transformação gerada pelo data driven é o combustível.

    Sendo assim, ter uma empresa orientada por dados – data driven, atualmente – é um fator crucial e determinante para traçar ações estratégicas, identificar possíveis ameaças e visualizar oportunidades de mercado.

    Para isso, é preciso que toda a organização tenha uma mudança de pensamento, aberta às transformações tecnológicas, e que todo o time esteja familiarizado com as ferramentas disponíveis.

    Neste post, falaremos sobre o que é data driven, quais as vantagens para a indústria e como é capaz de impulsionar os negócios de forma estratégica. Vamos lá?

     

    O que é data driven?

    Para começar, data driven é um modo de gestão orientado por dados, ou seja, aquela gestão que tem as informações concretas como matéria-prima e que toma todas as decisões a partir da análise desses dados.

    Diante disso, não há como negar a presença da tecnologia na indústria, nas relações comerciais e no dia a dia do trabalho.

    Se uma empresa quer crescer e se consolidar, não tem como fugir dos avanços tecnológicos, da importância dos dados e da análise adequada para estabelecer ações estratégicas capazes de contribuir, de fato, para a melhoria dos resultados.

     

    O que é a transformação data driven?

    Vamos agora para o conceito de transformação data drive. Trata-se do movimento que acontece quando os dados são colocados como centro e são utilizados para solucionar problemas tradicionais.

    Se antes, por exemplo, um problema como queda no desempenho, produtividade e agilidade era tratado de maneira subjetiva e instintiva, agora, por meio das novas tecnologias e o acesso aos dados, é possível fazer uma análise muito mais detalhada, aprofundada e objetiva da origem do problema e suas causas.

    E, é possível ir além, identificando maneiras de resolvê-lo com inteligência e estratégia.

    Entre as tecnologias existentes, podemos destacar:

    Por isso, quando falamos em transformação data driven dentro das empresas modernas, falamos de um movimento inevitável, cada vez mais necessário na rotina dos negócios para a promoção de avanços, melhores soluções e mais otimizações.

     

    Cultura data driven

    Bem, se a transformação data driven é o passo fundamental para as empresas que desejam ingressar e se destacar na indústria 4.0, é preciso que ela esteja inserida na cultura do negócio, nas relações de trabalho e na rotina dos colaboradores.

    Desse modo, precisamos falar sobre a cultura data driven, que se trata do pensamento e do princípio da tomada de decisões embasadas em dados.

    O foco na cultura data driven é envolver todas as pessoas em um propósito comum, com a finalidade de evitar a especulação e a intuição, tornando o avanço mais fácil e objetivo.

    Vale destacar que, por se tratar de uma mudança no modo de pensar e operar, a cultura data driven requer um processo gradual, passo a passo.

    Com essa transformação de ponto de vista e de ponto de partida, será possível criar novos níveis de visibilidade e percepção ao olhar para as informações com a importância e o significado que elas proporcionam.

    Assim, por meio do acesso e da análise adequada dos dados recolhidos, a empresa terá subsídios mais concretos – com referências reais – para planejar seu impulsionamento de forma mais estratégica, integrada e completa.

     

    Quais vantagens do data driven para a indústria?

    Agora que entendemos o que é a transformação e a cultura data driven, vamos às vantagens que essa gestão orientada pelos dados pode oferecer à indústria:

    No entanto, para alcançar os benefícios do data driven, é essencial ter processos bem definidos e estruturados, além de acesso às ferramentas e recursos adequados.

    É preciso também conhecer o todo, compreender como a linha de produção funciona, quais os indicadores de desempenho mais importantes e quais informações são relevantes para a solução de cada problema ou para determinado projeto.

     

    Por que implementar o data driven e como ele impulsiona a indústria?

    Como vimos acima, as vantagens do data driven são significativas para os rumos do negócio. Mas podemos nos aprofundar um pouco mais na importância do data driven na indústria e compreender melhor quais fatores motivam a implementação desse modo de gestão baseada nos dados. Veja só:

     

    Redução de custos

    Por meio do monitoramento de dados em tempo real é possível encontrar padrões que sinalizam oportunidades. Assim, com o rastreio de vendas e despesas, por exemplo, é possível precificar melhor, visualizar a produtividade dos colaboradores e encontrar gargalos, reduzindo gastos empresariais.

     

    Potencialização da produtividade

    Como falamos acima, por se tratar de uma cultura orientada pelos dados, há uma alteração no mindset organizacional, capaz de oferecer informações necessárias aos diferentes setores. Então, quando compartilhadas entre todos os setores, as informações servem para otimizar a produção de maneira integrada e colaborativa.

     

    Criação de produtos mais aprimorados

    A cultura data driven possibilita o desenvolvimento de ofertas de forma mais assertiva, pois, por meio da análise dos dados, a empresa conhece melhor seu mercado de atuação e os potenciais clientes em profundidade.

     

    Capacidade de inovação aumentada

    A tomada de decisões embasada em dados gera mais capacidade de inovação, já que identifica oportunidades e é capaz de projetar ações estratégicas para direcionar o negócio para seu objetivo e melhoria dos resultados.

    Ou seja, a falta de dados e dados imprecisos podem gerar perdas e custos financeiros, comprometendo a saúde da empresa. Já com dados robustos e trabalhados, por meio da cultura data driven, é possível ter geração de insights, melhoria do engajamento e mais aceitação no mercado.

     

    Profissionais e data driven

    Para finalizar, para que todas as vantagens e possibilidades do data driven se concretizem é fundamental ter no time profissionais capacitados e orientados aos dados.

    Segundo reportagem da revista Forbes, um relatório da empresa de consultoria de recrutamento Talenses, realizado em 2021, revelou que 9 entre cada 10 empresas estão em busca de profissionais fora da área de TI que tenham habilidades digitais.

    O texto diz ainda que, entre os setores que mais estão em busca desse tipo de mão de obra, estão os de logística, finanças, operações e atendimento ao consumidor, geralmente para cargos gerenciais.

    Para 83% dos gestores dessas áreas, de acordo com levantamento realizado pela consultoria Insights em 2021, a importância de olhar informação estrategicamente cresceu após 2020.

    Diante da necessidade e da escassez de talentos, podemos compreender que há oportunidades importantes no mercado para o profissional orientado a dados, que é aquele profissional capaz de ler e transformar as informações em estratégias para tomada de decisões em vez de se basear apenas em opiniões ou experiências.

    Mas o que é preciso fazer para ser um profissional nessa área? Bem, para ser um profissional de data driven é preciso buscar formação e conhecimento prático e teórico em dados, ter domínio e acesso às ferramentas tecnológicas e estar disposto a mudar a forma de pensar a solução de problemas e as tomadas de decisões na era da transformação digital.

    Sendo assim, entre os cursos para formação profissional em dados, destacamos:

     

    Data Science

    Formação indicada para profissionais com vontade de mergulhar no mercado de dados e que gostam de criar a partir de problemas existentes.

     

    Data Analytics

    Curso recomendado para bacharéis, licenciados e ou tecnólogos que queiram entender e ingressar no mercado de análise de dados.

     

    Engenharia de Dados

    Formação indicada para profissionais que tenham aptidão para o aprendizado de novos conceitos, tecnologias ou metodologias que gostem de trabalhar com soluções técnicas.

     

    Esperamos que tenha gostado do conteúdo sobre data driven compartilhado aqui. Conte com os cursos da Fundação Vanzolini para entrar no mercado de dados e transformar a sua carreira:

    Business Intelligence aplicado à Logística
    Data Analytics
    Engenharia de Dados
    Indústria 4.0: Conceito, Método e Aplicação Prática

     

    ENTRE EM CONTATO

     

    Até a próxima!

     

    Fonte:
    Forbes

    Garantir a qualidade na entrega, seguindo padrões e processos. A Gestão da Qualidade é uma área essencial e estratégica dentro das empresas, pois é responsável por planejar e implementar boas práticas na produção, com foco em fornecer produtos com alto padrão de excelência e que atendam às expectativas do mercado.

    Sendo assim, para atender a demanda cada vez mais exigente e a competitividade cada vez mais acirrada, as organizações têm buscado profissionais com formação e especializados nessa área, para aprimorar o desempenho de suas atividades e se posicionar diante de clientes, concorrência e stakeholders.

    Então, se você quer uma oportunidade na carreira e e também saber mais sobre atuação e formações na área, siga com a leitura deste artigo!

    Como surgiu a Gestão da Qualidade?

    Para começar, vamos olhar um pouquinho para a história e entender como a Gestão da Qualidade surgiu.

    Em 1920, o estatístico norte-americano, Walter Andrew Shewhart, criou um sistema para mensurar a variabilidade e assegurar a qualidade de alguns bens e serviços. O sistema ficou conhecido como CEP (Controle Estatístico de Processos).

    Depois disso, Shewhart desenvolveu uma técnica de controle de qualidade, utilizada até os dias atuais. Em seguida, as empresas começaram a olhar com mais atenção para sua responsabilidade na entrega de produtos e perante a sociedade e, assim, passaram a adotar uma gestão com processos sistematizados, incorporando valores e princípios mais robustos.

    Dessa maneira, a Gestão da Qualidade surge como um movimento para gerar maior credibilidade para as companhias. Não à toa, a implantação de uma gestão tem como base alguns princípios.

    Veja a seguir seus oito pilares:

    A Gestão de Qualidade e o mercado de trabalho

    Depois de saber como surgiu a Gestão da Qualidade, vamos olhar para seu panorama atual. Na era digital, na era dos dados e da tecnologia da indústria 4.0, e até 5.0 já, as perspectivas para o gestor de qualidade – que pode desfrutar de ferramentas inovadoras – são bastante positivas e estão bem aquecidas.

    Em razão da maior competitividade e maior exigência por parte dos clientes, as empresas têm investido cada vez mais em pessoas com formação na área, para garantir processos e entrega com a máxima eficiência e excelência.

    Desse modo, diversas empresas, de portes variados, têm contratado profissionais com formação na área da Gestão de Qualidade, para que possam avaliar seus sistemas, processos e métodos de trabalho e, claro, aprimorar suas atividades.

    Assim, os profissionais de Gestão da Qualidade, dentro da organização, podem desempenhar funções como:

    Diante dessas atividades, os profissionais da Gestão da Qualidade podem ocupar cargos como:

    Portanto, como podemos ver, a atuação da Gestão da Qualidade é ampla e engloba várias frentes e níveis dentro de uma organização.

    Assim, uma formação específica na área é fundamental para que o profissional tenha acesso a uma combinação de conhecimentos teóricos e práticos, relacionados à área, para que ele possa se desenvolver na carreira.

    Para te ajudar nessa jornada da Gestão da Qualidade e aproveitar das oportunidades que estão em alta na área, destacamos aqui algumas das opções de formação que podem ser úteis:

    Graduação em Administração ou Engenharia

    Em geral, uma graduação em Administração de Empresas ou Engenharia Industrial pode fornecer uma base sólida para a Gestão da Qualidade. Isso porque, em sua maioria, esses cursos incluem disciplinas relacionadas à gestão, processos de produção e controle de qualidade.

    Pós-graduação em Gestão da Qualidade

    Outra forma de trilhar pela Gestão da Qualidade é por meio dos cursos de pós-graduação, como MBAs em Gestão da Qualidade. Essas formações são específicas para a área e oferecem um aprofundamento nos conceitos, metodologias e práticas relacionadas à gestão da qualidade. 

    Certificações em Gestão da Qualidade

    Para atuar na Gestão da Qualidade, as certificações reconhecidas internacionalmente, como o Six Sigma, Lean Management, ISO 9001 e outras relacionadas podem ser valiosas.

    Então, se você está em busca de novos horizontes na carreira e já tem uma base importante na Gestão da Qualidade, investir em certificações pode ser um bom caminho para mergulhar ainda mais nos padrões de qualidade reconhecidos e mostrar um conhecimento mais aprofundado.

    Treinamentos em Ferramentas de Qualidade

    Estar em constante atualização na carreira é essencial para qualquer área e na Gestão da Qualidade não é diferente. Por isso, fazer treinamentos e familiarizar-se com ferramentas e técnicas – que se modernizam a cada dia – deve fazer parte da sua jornada dentro da área.

    Faça workshops que ofereçam treinamento prático nas ferramentas específicas da Gestão de Qualidade e seja um profissional do futuro agora.

    Experiência no dia a dia

    Mas, além da formação acadêmica, ter a experiência prática é crucial. Estar dentro da organização e atuando no dia a dia da Gestão da Qualidade possibilita esse contato mais próximo com a realidade da profissão. Por meio dessa troca, é possível aprender com a mão na massa. Então, busque oportunidades de estágio na área, caso esteja no início da sua carreira.

    Desenvolvimento de habilidades interpessoais

    Por fim, toda atuação profissional envolve o trabalho em equipe e precisa de uma comunicação eficaz, para que o trabalho flua com eficiência e leveza.

    Assim, além de toda formação específica em Gestão da Qualidade, é importante desenvolver habilidades interpessoais, liderança e gerenciamento de projetos.

    A combinação do conhecimento técnico com a habilidade de relacionamento, de escuta, de empatia e de gestão de pessoas é valiosa para a Gestão da Qualidade. É preciso pensar em processos e cuidar de pessoas. Os dois são responsáveis por entregas de qualidade, certo?

    Formações para carreira na Gestão da Qualidade com a Fundação Vanzolini

    Se você deseja desfrutar as oportunidades na carreira da Gestão da Qualidade, conte com as formações e certificações oferecidas pela Fundação Vanzolini. São cursos que englobam tanto ferramentas de gestão de processos – para domínio das novas tecnologias e recursos -, como desenvolvimento de habilidades interpessoais e aprofundamento em padrões e normas.

    Do analista ao auditor, do coordenador ao gerente, os profissionais que buscam conhecimento teórico e prático para deslanchar na carreira da Gestão da Qualidade podem contar com os professores e a experiência da Fundação Vanzolini.

    ​Conheça os cursos de Qualidade da Fundação Vanzolini.

    ENTRE EM CONTATO

    Até o próximo :)

    O que 2024 reserva para os negócios? O novo ano nem chegou, mas já é possível vislumbrar um horizonte com as principais tendências que devem balizar o mundo organizacional pelos próximos 365 dias.

    Estar por dentro dos rumos que vão guiar os negócios em 2024 é uma maneira de se antecipar, planejar e ajustar os cintos para voar alto no próximo ano.

    De acordo com pesquisas recentes, os direcionamentos no mudo do trabalho apontam para maior investimento em treinamentos, espaços cada vez mais digitais, uso da Inteligência Artificial Generativa, aumento da segurança cibernética e empresas cada vez mais sustentáveis.

    Então, para que você fique atento às tendências que estão ganhando destaque nas organizações em todo o mundo e que devem seguir em alta em 2024, preparamos este artigo.

    No texto, você também vai encontrar caminhos para seguir as tendências e fazer tanto a carreira quanto os negócios decolarem! Acompanhe a leitura!

    Aumento no investimento em treinamentos

    De acordo com a Pesquisa Panorama do Treinamento no Brasil 2023/2024, realizada em 2023, o crescimento dos investimentos em treinamento por colaborador foi de 6%, em todos os setores.

    O próximo ano deve seguir por esse caminho, então, dessa forma, investir na capacitação profissional e nos talentos da casa deve estar entre as metas e iniciativas das organizações que desejam crescimento e melhor desempenho em 2024.

    Outro ponto importante do levantamento é que 94% das empresas brasileiras têm orçamento anual de treinamento definido, ou seja, se mostram atentas à importância do investimento em capacitação e aperfeiçoamento de seus colaboradores e colaboradoras, e já incluem o aporte no planejamento do ano.

    Sendo assim, as organizações já podem começar a traçar o plano interno de treinamento e formação de pessoas para 2024, com foco no aumento do rendimento, no maior engajamento e na melhoria da qualidade da mão de obra.

    Para isso, as empresas podem contar com os cursos in company, que são treinamentos e formações realizados para o público interno e, muitas vezes, pensado sob medida para cada organização. Com a modalidade de cursos in company, o investimento em treinamentos ganha mais eficiência e direcionamento, além de colaborar para a valorização dos talentos.

    Mundo cada vez mais digital

    Inteligência Artificial, Internet das Coisas, Indústria 4.0, Chat GPT e tantos outros recursos tecnológicos estão cada vez mais presentes no dia a dia das pessoas e das empresas. A vida acontece on e offline e não há como negar a era digital na qual vivemos.

    Além das inovações, o local de trabalho também migra para o virtual, especialmente após a pandemia de Covid-19. A depender da atividade laboral, é possível trabalhar de qualquer parte do mundo, bastando apenas um acesso à Internet.

    Nesse sentido, uma das tendências para os negócios em 2024 é o espaço cada vez mais digital e tecnológico.

    No caso dos treinamentos, antes da pandemia, o volume de treinamento presencial era uma constante, com 70%, e, o EAD, 30%. Já no período pós-pandêmico, essa relação se inverteu para 30% das ações de treinamento presenciais, e o EAD subiu para 70%.

    Somente em 2023 é que os indicadores começaram a apontar uma tendência de retorno ao presencial (38%), em comparação com o modelo EAD ao vivo, que diminuiu 30% este ano – em relação a 2022.

    Um outro exemplo desse mundo digitalizado está na presença cada vez maior da Inteligência Artificial, em especial a chamada IA Generativa, como o ChatGPT, dividindo a mesa com os profissionais.

    De acordo com um relatório divulgado recentemente pela EY, espera-se que a IA generativa “tenha um impacto descomunal no mercado de trabalho, nas carreiras e nos caminhos de aprendizagem, e nas realidades do trabalho.”

    Para comprovar, no LinkedIn, o número de anúncios de emprego que mencionam o ChatGPT como um requisito desejável aumentou em 21 vezes nos perfis dos membros da plataforma, disparando 75%,mês após mês, em média, desde janeiro de 2023.

    Portanto, podemos notar como a tendência da digitalização e da inovação atravessa os negócios e carreiras, e como é crucial se familiarizar com as ferramentas tecnológicas para se obter mais êxito.

    Sendo assim, para atender a essa demanda e surfar na tendência, cursos e formações práticas e teóricas, voltados às novidades digitais, são o meio de alcançar as habilidades cada vez mais requisitadas no mundo do trabalho.

    Maior investimento em segurança cibernética

    Bem, diante do cenário no qual as transações financeiras, acordos de compra e venda, informações e dados trafegam cada vez mais e a todo momento de forma virtual, é fato que, para 2024 – e também para os próximos anos -, haja um investimento maior em segurança cibernética. Uma tendência puxa a outra, como podemos bem observar.

    Até 2026, a Gartner, empresa de consultoria norte-americana, prevê que as organizações priorizem seus investimentos em segurança, com base no gerenciamento contínuo de exposição às ameaças (continuous threat exposure management – CTEM), uma abordagem sistêmica que permite às organizações avaliar a acessibilidade, exposição e exploração dos ativos digitais e físicos de uma companhia, de forma contínua e consistente. A iniciativa deve gerar uma redução de dois terços das violações.

    Assim, é fundamental direcionar recursos e pessoal especializado para proteção virtual das empresas. Por meio da capacitação em segurança digital, é possível mitigar riscos e, quando houver qualquer problema de invasão de hackers, controlar a situação e revertê-la rapidamente, evitando mais danos e consequências negativas.

    Negócios mais sustentáveis

    Por fim, temos a tendência que aponta para a necessidade dos negócios se tornarem cada vez mais sustentáveis. E quando falamos em sustentabilidade, falamos para além da questão ambiental, falamos também da sustentabilidade social e da governança.

    Trata-se da famosa agenda ESG, que apoia o equilíbrio ecológico e os direitos humanos a longo prazo.

    Desse modo, para um negócio se destacar perante o mercado, ganhar em competitividade e ter uma boa imagem diante de parceiros e clientes, é essencial que se invista em práticas organizacionais sustentáveis.

    Para isso, há certificações e formações relacionadas ao tema da ESG, que colaboram e atestam o compromisso da organização com o meio ambiente e com as comunidades interna e externa.

    Sendo assim, a obtenção desse conhecimento e do selo, que comprova as iniciativas da empresa, indicam que o negócio está alinhado às tendências atuais e trilha o caminho da sustentabilidade e da responsabilidade enquanto organismo que impacta o mundo em que vive.

    Fundação Vanzolini e as tendências para os negócios em 2024

    Alinhada às tendências do mundo organizacional, a Fundação Vanzolini oferece cursos e formações que se alinham às principais demandas e necessidades de profissionais e organizações em 2024.

    Com professores experientes e atuantes no mercado, a Vanzolini conta com um vasto portfólio de Cursos Livres, Cursos In Company e com a sua plataforma Vanzolini Play, que conecta ainda mais possibilidade e conhecimento, com flexibilidade, dinâmica e acessibilidade.

    Para as empresas, a Fundação Vanzolini oferece certificação de produtos e sistemas de gestão.

    Para os desafios econômicos, ambientais, técnicos e sociais de organizações, conte com a experiência e o compromisso da Fundação Vanzolini para fazer de 2024 um ano mais promissor!

    Até o próximo!

    Fontes:

    https://forbes.com.br/carreira/2023/10/futuro-do-trabalho-4-tendencias-para-ficar-de-olho-em-2024/

    18ª Pesquisa Panorama do Treinamento no Brasil