Get 10% extra OFF on Porto Summer Sale - Use PORTOSUMMER coupon - Shop Now!

Era digital: como se tornar um profissional de dados

Era digital: como se tornar um profissional de dados

Na era digital, o profissional de dados lida com uma matéria-prima preciosa. Cada vez mais, os dados são insumos importantes e estão presentes nas decisões e nas relações comerciais das empresas. No entanto, como substância em estado bruto, os dados precisam ser estrategicamente lapidados, para que possam, de fato, servir aos interesses e objetivos das organizações. Daí a importância do profissional de dados.

Nesse sentido, temos as carreiras de dados, que contam com habilidades específicas e conhecimentos desses profissionais e são capazes de gerar e transformar dados em insights estratégicos.

Entre as atuações relacionadas à carreira de dados, que estão em alta no cenário atual, temos o engenheiro de dados, o analista de dados e o cientista de dados. Mas há diferenças entre elas? A princípio, as possibilidades de formação podem parecer iguais, mas elas carregam especificidades, funções e perfis singulares.

Por isso, conhecer o papel que cada profissional desempenha e quais as características e habilidades exigidas dentro do leque da carreira de dados é fundamental para uma escolha de formação mais assertiva e para obtenção de melhores resultados para o profissional e para a empresa.

Pensando nisso, preparamos este artigo para falar das diferenças entre um engenheiro de dados, um analista de dados e um cientista de dados, além dos novos cursos de formação, oferecidos pela Fundação Vanzolini, nessas áreas. Vamos lá?

Onde estamos? Contexto do profissional de dados nas organizações

Antes de falarmos sobre as diferenças que marcam o profissional de dados, as diferentes carreiras e os cursos que oferecem formação nas áreas, vamos olhar para o momento histórico que estamos atravessando.

Esse contexto é essencial para compreendermos a importância e a busca cada vez maior das organizações por profissionais de dados.

A quarta revolução industrial é um fato presente e nós estamos surfando nessa onda há alguns anos já. A revolução tecnológica em andamento transforma profundamente a forma como nos relacionamos, trabalhamos e vivemos.

Os dados podem servir para acompanhar o comportamento dos clientes, para comparar o desempenho do ano passado com o deste ano, para medir o número de visitas de um site, etc.

Os dados permeiam todos os espaços, especialmente, os virtuais, e desempenham um papel significativo na economia e no trabalho de muitas pessoas. Trata-se, assim, de uma joia, uma substância crucial, para o planejamento e desenvolvimento empresarial.

No Brasil, 54% dos empregos formais estão ameaçados pela substituição de máquinas e softwares até 2026.

Diante disso, não há dúvidas de que, para os profissionais e empresas continuarem no mercado, novas e muitas habilidades serão exigidas. Entre elas, certamente, está o conhecimento em dados, a matéria-prima de quase todos os produtos e serviços da era digital.

Quais as diferenças entre um engenheiro de dados, um cientista de dados e um analista de dados?

Agora que olhamos um pouco para o momento em que estamos, vamos destacar as principais diferenças entre as carreiras que lidam com dados e que despontam, cada vez mais, como essenciais nas relações comerciais.

De modo geral, podemos compreendê-las da seguinte forma:

  • engenheiro de dados – deve ser capaz de construir programas ou sistemas que possam obter os dados e transformá-los em informações relevantes e que possam ser estudadas;
  • analista de dados – processa e interpreta os dados;
  • cientista de dados – é capaz de construir e desenvolver ferramentas que processem as informações.

Calma, caso ainda não tenha ficado clara a diferença entre as funções, nós falaremos em detalhes sobre cada uma delas a seguir. Veja só:

O que faz um engenheiro de dados?

Vamos começar pela engenharia de dados, que aborda alguns aspectos mais técnicos, mas que não deixa de demandar ações estratégicas. Esse profissional é responsável por criar pipelines de dados, preparar e construir sistemas de armazenamento de dados que poderão ser utilizados por outras áreas da empresa. Trata-se da base de um projeto de dados.

Do ponto de vista estratégico, o engenheiro de dados pode pensar em quais dados ainda não existem e que aquele negócio precisa e, a partir disso, gerar estratégias de geração de dados. Ou seja, o profissional da engenharia de dados deve ter um domínio técnico aliado a uma visão estratégica para melhoria de competitividade e posicionamento de determinada organização no mercado.

Na engenharia de dados, os profissionais estão em contato direto com serviços de computação em nuvem, ferramentas de Big Data, bancos de dados relacionais/ não relacionais, entre outras tecnologias.

Quais as habilidades necessárias a um engenheiro de dados?

  • saber trabalhar com dados estruturados e não estruturados;
  • conhecimento em SQL (Standard Query Language);
  • fortes habilidades de programação e conhecimento de algoritmos;
  • bom conhecimento em ferramentas de engenharia e teste.

Formação em Engenharia de Dados na Fundação Vanzolini

Para se tornar um engenheiro de dados, a Fundação Vanzolini oferece o curso de Engenharia de Dados. O foco dessa formação é preparar profissionais com a capacidade de identificar a necessidade de dados, definir uma estratégia de obtenção e implantá-la de ponta a ponta no negócio. Desse modo, o curso tem como objetivo formar profissionais para serem os viabilizadores de uma transformação analítica.

Nas aulas, divididas em seis módulos, os participantes irão aprender a desenvolver as competências necessárias a um engenheiro de dados, tais como: ferramentas e conhecimentos necessários para atender a demanda da organização e traduzir em uma demanda de dados; definir uma estratégia de obtenção, transformação e armazenagem e entregar os dados finais junto com um programa de gestão do ciclo de vida dos dados.
O curso abordará os conceitos introdutórios, passando por:

  • Módulo 1 – Entendendo a necessidade de dados
  • Módulo 2 – Obtendo os dados
  • Módulo 3 – Harmonizando dados
  • Módulo 4 – Armazenagem de dados
  • Módulo 5 – Privacidade e segurança de dados
  • Módulo 6 – Manutenção do ciclo de dados

Para quem é destinado o curso de Engenharia de Dados?

Essa formação pode ser considerada o primeiro passo na carreira de dados e é indicada para profissionais com vontade de entrar neste mercado, que tenham aptidão para o aprendizado de novos conceitos, tecnologias ou metodologias, e que gostem de trabalhar com soluções técnicas.

Importante destacar que não há pré-requisito para o curso, o que há é afinidade, aptidão e identidade com o que a carreira propõe. Sendo assim, são aceitos alunos graduandos ou graduados em qualquer área.

O que faz o analista de dados?

Vamos agora para outra possibilidade dentro da carreira de dados, que é o de analista de dados. Como sabemos, hoje em dia, tudo é Big Data. E, como dissemos no início deste artigo, os dados estão sendo usados cada vez mais pelas empresas como um importante aliado na definição de estratégias, inovações e desenvolvimento de receitas. Por isso, a área de Data Science, que forma os analistas de dados, se tornou essencial para uma empresa se manter e se destacar no mercado.

Os dados gerados e armazenados, por si só, podem não dizer nada. É a partir da análise das informações coletadas, da compreensão e do olhar detalhado sobre elas, que os dados ganharão relevância para o negócio. O papel do analista de dados é, justamente, realizar essa análise ampla, entender qual história aqueles dados estão contando e, então, partir para ações e para a criação de uma cultura de dados na empresa.

O analista de dados interpreta as informações e, com o extrato delas, é capaz de identificar insights que farão a diferença para o sucesso e conquista dos objetivos da organização.

Quais as habilidades para um analista de dados?

Entre as habilidades necessárias, podemos destacar:

  • bom conhecimento estatístico;
  • boas habilidades técnicas;
  • capacidade de estudar informações numéricas e transformá-las em uma narrativa ou ponto de informação;
  • elaborar relatórios e mostrar a visualização de dados.

Formação em Data Analytics da Fundação Vanzolini

Para formação de analistas de dados, a Fundação Vanzolini oferece o curso de Data Analytics, no qual os alunos irão aprender os fundamentos necessários para iniciar sua jornada no mundo dos dados, de forma estratégica e competitiva.

Sabemos que o oceano de dados guarda padrões complexos e que, uma vez desvendados, se tornam fundamentais para decisões de negócios mais inteligentes. Por isso, a formação em analista de dados tem como foco preparar os profissionais para que possam ler, analisar dados e tomar as melhores decisões com consciência e eficiência.
O curso abordará conceitos introdutórios até avançados, passando por:

  • Módulo 1 – Data-driven Thinking
  • Módulo 2 – Estatística
  • Módulo 3 – Python
  • Módulo 4 – Estrutura e Arquitetura de Dados com SQL
  • Módulo 5 – Linguagem R
  • Módulo 6 – Visualização de Dados com Tableau
  • Módulo 7 – Análise exploratória de dados com Tableau
  • Módulo 9 – LGPD
  • Módulo 10 – Projeto Final

Para quem é indicado o curso de Data Analytics?

É indicada para bacharéis, licenciados e/ou tecnólogos que queiram entender e ingressar no mercado de análise de dados. Como público de interesse, podemos destacar engenheiros, cientistas e gestores de projetos, dentre outros profissionais que tenham desejo, aptidão e afinidade para desempenhar a função.

O que faz um cientista de dados?

Chegamos, por fim, à terceira possibilidade dentro da carreira de dados, o cientista de dados. Considerado por muitos como um “mago dos dados”, esse profissional deve ter a capacidade de transformar um grande volume de informações em resultados significativos para a empresa.

Mas a Ciência de Dados engloba ainda uma infinidade de assuntos e conhecimentos e podemos resumi-la como a união das técnicas de matemática, estatística e computação com o conhecimento acerca do negócio.

Sua principal função é de, por meio dessa soma, otimizar o processo decisório das organizações e, até mesmo, solucionar problemas de qualquer espécie, tendo os dados como suporte. O cientista de dados pode ser considerado o passo mais avançado na carreira e a área é considerada relativamente nova no mercado, embora o termo exista desde a década de 60.

Hoje, o data science, formação do cientista de dados, é considerado um ramo do Big Data e tem como objetivo extrair e interpretar, de forma mais aprofundada, as informações reunidas por meio dos dados recolhidos.

Para isso, os cientistas de dados devem projetar e implementar algoritmos matemáticos com base em estatísticas, machine learning e outras metodologias capazes de oferecer às empresas caminhos para seguir, de uma maneira ou de outra, de acordo com suas necessidades em determinadas circunstâncias e tempo.

Vale destacar que o cientista de dados, para além de obter informações sobre os dados recolhidos e usá-los, deve garantir que os padrões detectados possam ser visualizados e compreendidos, de forma clara e objetiva, por aquelas pessoas que são responsáveis pelas tomadas de decisões na organização.

Assim, é papel do cientista de dados esmiuçar os dados e torná-los límpidos para que decisões sejam tomadas com maior assertividade.

Quais habilidades deve ter um cientista de dados?

Entre as principais habilidades, podemos destacar:

  • sólidas habilidades matemáticas e conhecimento detalhado de R, SAS e Python;
  • estudo e compreensão de algoritmos de aprendizado de máquina e ferramentas de dados;
  • entendimento profundo de como as APIs são desenvolvidas e operam;
  • boas habilidades técnicas em otimização de dados e extração de dados;
  • boas habilidades pessoais, incluindo tomada de decisão e pensamento criativo

Formação em Data Science na Fundação Vanzolini

Para completar a trilha de dados, a Fundação Vanzolini conta com o curso de Data Science, no qual o aluno adquire uma formação sistêmica que atravessa todo o escopo do mundo dos dados – desde o entendimento das oportunidades até a sua execução.

Para isso, o participante irá aprender a entender um problema de negócios e a definir suas estratégias de análise, por meio da compreensão de quais dados serão necessários, selecionando as variáveis de interesse, identificando o melhor algoritmo para o problema, avaliando sua qualidade, analisando os resultados e implementando sua solução.

Mais uma vez, muito mais do que extrair e reunir dados, a carreira exige profissionais com competências capazes de lapidar o valor bruto e identificar, de fato, o que pode ser efetivamente explorado. Assim, a função do cientista de dados é entender os desafios e desenhar uma estratégia analítica para resolvê-la, identificando os dados necessários, a análise a ser realizada e a forma de empregá-la.

Entre as competências para os interessados, além dos algoritmos estatísticos, temos as soft skills, que são a capacidade de ouvir, de entender e de criar saídas alternativas junto com o time ou com o cliente.
O curso está dividido da seguinte forma:

  • Módulo 1– Entendendo o problema e definindo uma estratégia de solução
  • Módulo 2 – O que os dados nos contam
  • Módulo 3 – Definindo o tipo de análise
  • Módulo 4 – Iniciando a análise de dados com Python
  • Módulo 5 – Implantando um modelo de dados (Regressão)
  • Módulo 6 – Implantando um modelo de dados (Classificação)
  • Módulo 7 – Implantando um modelo de dados (Séries temporais)

Para quem é indicado o Data Science?

A formação em Data Science é indicada para graduandos ou graduados em qualquer área, mas que, novamente, se identifiquem e tenham aptidão para aprender novos conceitos, tecnologias e metodologias. O público de interesse é todo aquele formado por profissionais com vontade de mergulhar no mercado de dados e que gostam de criar a partir de problemas existentes.

Quais os salários dos profissionais de dados?

Para encerrar este artigo, uma informação bastante relevante: quanto ganham os profissionais de dados? Os valores de salários médios são:

• salário médio de engenheiro de dados no Brasil: R$ 7.429,00 /mês*;
• salário médio analista de dados no Brasil: R$ 3.094,00/mês*;
• salário médio cientista de dados no Brasil: R$ 6.144,00/mês. *

(*valores vistos em 15 de junho de 2022)

Agora que você conhece as diferenças entre engenheiro de dados, analista de dados e cientista de dados, faça a escolha pela formação que mais se identifica, adquira novos conhecimentos e expanda os horizontes na sua carreira.

» Entre em contato com a Fundação Vanzolini e invista no seu desenvolvimento pessoal e profissional.

» Conheça os cursos na área de Data Driven da Fundação Vanzolini.

 

Share this post

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


chat icone

Posso
ajudar?

You've just added this product to the cart:

×