Fundação Vanzolini

O presidente da diretoria executiva da Fundação Vanzolini, João Amato Neto, teve o seu artigo sobre a Economia Circular e a Simbiose Industrial publicado na revista Valor. Amato também é professor titular (sênior) da Poli-USP, no Departamento de Engenharia de Produção.

Intitulado “Economia Circular e Simbiose Industrial: Rumo a Sociedades Sustentáveis na Era Digital?”, o recente artigo mergulha nesse tema crucial. Destaca-se a transição para uma economia circular e de baixo carbono como uma necessidade urgente, requerendo uma abordagem sistêmica que envolva todos os membros da sociedade.

Em um mundo marcado por crises climáticas, ambientais e sociais cada vez mais graves, o debate sobre práticas empresariais, governamentais e individuais está em constante evolução. Amato afirma que, no centro dessa discussão, está a necessidade de uma profunda mudança de paradigmas em direção a modelos de desenvolvimento econômico sustentável.

No cerne dessa mudança está a ideia de que empresas devem atuar como agentes de transformação, contribuindo para alcançar os três pilares da sustentabilidade: prosperidade econômica, proteção ambiental e equidade social. O conceito de economia circular, baseado na redução, reutilização, reciclagem e recuperação de materiais e energia, surge como um caminho promissor para atingir esses objetivos.

Uma parte fundamental desse novo paradigma é a simbiose industrial, onde as empresas colaboram para criar sistemas de produção de circuito fechado, minimizando desperdícios e maximizando a eficiência no uso de recursos. Exemplos notáveis, como o ecoparque na região de Kalundborg, Dinamarca, ilustram como essa abordagem pode ser bem-sucedida, com empresas de diferentes setores compartilhando recursos e subprodutos.

No entanto, apesar dos avanços e casos de sucesso, ainda há desafios significativos a serem enfrentados. Muitas empresas ainda não adotaram práticas sustentáveis ​​em suas operações, e questões sociais como trabalho precarizado e desigualdade persistem.

O artigo também destaca a necessidade de ações em níveis macro e micro. Em escala global, acordos e regulamentações internacionais são essenciais para orientar políticas e práticas empresariais. Em nível local, a cooperação entre empresas em ecossistemas industriais e a adoção de práticas ecoeficientes são cruciais.

Em última análise, o desafio de construir uma sociedade sustentável na era digital é complexo, mas não insuperável. Com a adoção generalizada de práticas de economia circular e simbiose industrial, juntamente com políticas sociais inclusivas, há esperança de que possamos criar um futuro mais equitativo e ambientalmente consciente.

A Fundação Vanzolini foi convidada a participar da 43ª Mesa Inovadora, que este mês trará como tema A nova política industrial do Brasil e seu impacto na competitividade das empresas brasileiras.

Trata-se de uma estratégia crucial para impulsionar o desenvolvimento econômico e a competitividade das empresas nacionais. Ao focar em setores estratégicos, como tecnologia, energia renovável e indústria 4.0, o governo busca promover a inovação e a diversificação da produção, reduzindo a dependência de importações e aumentando a participação do país no mercado internacional.

Promovido pelo Instituto Kapok de Inovação Corporativa, o evento, contará com a presença de João Amato Neto, Presidente da Diretoria Executiva da Fundação Vanzolini, como palestrante, e também de Caio Fontana, Gestor de Tecnologias em Educação, como um dos debatedores.

Não perca! Dia 25 de Abril das 9h00 às 10h30

Acompanhe pelo Linkedin:
https://www.linkedin.com/events/7185024901685137408/comments/

Ou pelo YouTube:
https://www.youtube.com/watch?v=qLBgfaxDaM8

Neste webinar foram abordadas questões, como: Qual a relevância da indústria para o futuro do Brasil? Faz sentido abdicar dela para priorizar serviços e agronegócios? A crise do setor industrial é sentida também em países como EUA e outros da Europa Ocidental, por exemplo. O que estes países estão fazendo para lidar com esta crise e eventualmente superá-las?

Os convidados foram: Pedro Wongtschowski, presidente do Conselho de Administração da ULTRAPAR Participações S.A e João Furtado, professor Escola Politécnica da USP e fundador da Revista Brasileira de Inovação.

Assista ao webinar completo: O Que Está Acontecendo com o Setor Industrial Brasileiro Hoje?

» Para saber quais são os nossos próximos webinars, acesse o site da Fundação Vanzolini.

Uma roda de conversa com os professores Carlos Paiola e Ricardo Caruso, debatendo sobre o atual cenário de mudanças. Da Internet das Coisas (IoT) ao Big Data, apresentando uma visão de como a Indústria 4.0 pode oferecer soluções para superar a crise e se preparar para este novo momento que se apresenta.


» Para saber quais são os nossos próximos webinars acesse o site da Fundação Vanzolini.

Aprenda como criar, conduzir e liderar projetos de adoção digital, com o apoio de profissionais com conhecimento de mercado e conteúdos que vão te ajudar a compreender a Indústria 4.0, mapear oportunidades de implementar novas tecnologias e definir os melhores caminhos para transformar as operações industriais.

Veja tudo o que você vai aprender:

 

Ao se matricular, o(a) aluno(a) tem acesso gratuito ao curso de Formação em Gestão da Manutenção e Confiabilidade.

 

Obs.:
A realização deste curso está condicionada ao número mínimo de matrículas.
As vagas estão sujeitas à capacidade máxima da turma.

Forme-se em auditoria interna para a IATF 16949 e prepare-se para o processo de certificação da sua empresa. Saiba como a norma estabelece padrões de prevenção de defeitos e de redução de desperdícios no setor automotivo, além de definir diretrizes para a melhoria contínua dos processos de montagem de componentes automotivos.  

Veja tudo o que você vai aprender:

 

Obs.:
A realização deste curso está condicionada ao número mínimo de matrículas.
As vagas estão sujeitas à capacidade máxima da turma.

Formação em Indústria 4.0 para Pequenas e Médias Empresas

Formação em Indústria 4.0 para Pequenas e Médias Empresas

Compartilhe:

A Quarta Revolução Industrial, também conhecida como Indústria 4.0, está mudando a maneira como as empresas operam e, portanto, os ambientes nos quais são forçadas a competir. A Indústria 4.0 combina técnicas avançadas de produção e operações com tecnologias inteligentes que são integradas a organizações, pessoas e ativos.

Essa revolução é marcada pelo surgimento de novas tecnologias como robótica, inteligência artificial, tecnologias cognitivas, nanotecnologia, Internet das coisas (IoT), computação em nuvem, entre outras. As organizações devem identificar entre todas estas tecnologias, quais melhor atendem às suas necessidades para que invista nelas. Caso contrário, elas correm o risco de perder participação no mercado.

Esta formação, destina-se especialmente aos líderes e gestores de pequenas e médias empresas (PMEs) para que consigam contextualizar, interpretar e responder melhor à transformação digital da indústria de manufatura, denominado modelo Indústria 4.0. Os estudos de caso e exemplos de aplicação do mundo real permitirão que os alunos se envolvam com os desafios da indústria e desenvolvam uma compreensão das tecnologias e inovações que estão revolucionando o desenvolvimento futuro dos negócios.

Os profissionais que participarem deste curso serão capazes de transferir o conhecimento aprendido para suas próprias funções e começar a se preparar para a ruptura da Indústria 4.0 dentro de sua própria organização.

Sobre o curso

Início previsto: 21 de agosto de 2024
Horário: 18h às 19h30
Plataforma: Zoom

Conteúdo do programa

Módulo 1: Indústria 4.0, significado, escopo e experiência: Elementos-chave do modelo 4.0 e os benefícios das novas tecnologias;

Módulo 2: Tecnologias de referência, escopo de adoção das tecnologias 4.0 na experiência internacional – casos selecionados;

Módulo 3: Estudos empíricos sobre avanços das tecnologias 4.0 na América Latina;

Módulo 4: Estudos empíricos sobre avanços das tecnologias 4.0 – apresentação de casos do Brasil e da Colômbia;

Módulo 5: Estudos empíricos sobre avanços das tecnologias 4.0 – apresentação de casos do Chile e Argentina;

Módulo 6: Vetores: Cases de aplicação da “Internet das Coisas”;

Módulo 7: Vetores: Cases de aplicação “3D”;

Módulo 8: Vetores: Cases de aplicação “Inteligência Artificial”;

Módulo 9: Vetores: Cases de aplicação “Computação na Nuvem”;

Módulo 10: Vetores: Cases de aplicação de ”Realidade Aumentada”;

Módulo 11: Vetores: Cases de aplicação “Blockchain”;

Módulo 12: Vetores: Cases de aplicação “Robótica”;

Módulo 13: Humanos e máquinas: Habilidades requeridas e Gestão de equipes de trabalho mistas.

Contatos

Para saber mais entre em contato:
(11) 3024-2266 / (11) 93033-0932
rebecca.fernandes@vanzolini.org.br

Professores

Nicolo Glico
Professor
Diretor de Assuntos Econômicos da Unidade de Inovação e Novas Tecnologias da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe das Nações Unidas (CEPAL). Profissional com mais de 20 anos de experiência em design e implementação de políticas de desenvolvimento produtivo e negócios, incluindo atração de investimentos, promoção de exportação e inovação e desenvolvimento tecnológico. Ocupou diferentes cargos de responsabilidade no setor público chileno e trabalhou como consultor para organizações internacionais. É engenheiro civil industrial e mestre na mesma especialidade da Universidade do Chile, e mestre em gestão pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).
Javier Formari
Professor
Doutor em Engenharia de Sistemas e licenciatura em Informática obtida na Universidade de Málaga, Espanha. Por mais de 20 anos ele se dedicou ao ensino universitário sendo um especialista nos tópicos relacionadas com tecnologias aplicadas e informática. Em assunto de gestão, foi diretor da área deTecnologia do Informações na UniversidadeTecnológica Nacional e Regional Rafaela. Já participou da comissão diretiva do Rafaela Câmara de Empresas de Desenvolvimento de Computadores.Também atuou como consultor de projetos de novas tecnologias aplicadas ao campo industrial e educacional. Autor de artigos científicos na Argentina e acadêmicos internacionais.
Rubén Ascúa
Professor
Reitor da Universidade Nacional de Rafaela (Período 2017-21), professor da Faculdade Regional Rafaela e professor visitante da Faculdade de Ciências Economia da Kaiserslautern University of Applied Sciences, Alemanha. Rubén Ascúa é Contador Público Nacional (UNL-FCE),
Bacharel em Economia (UNR-FCEyE) e doutor em Economia (PWU, San Diego). Seus campos de pesquisa e ensino são: desenvolvimento de PME e novos negócios; teoria da assinatura; mercados e instrumentos, financiamento para PME’s. Formulação e avaliação de projetos de investimento industrial; clusters e distritos industriais.
Antonio de Sant’Anna Limongi França
Professor
Consultor sênior da LF1 Inovação Tecnológica e Estratégias Organizacional: Transformação de negócios digitais, TI, Plataformas de nuvem, inovação, ecossistemas e blockchain, Marketing e Vendas, desde 2003. Pós-doutorado em Engenharia de Produção: Blockchain e impacto social. PRO / POLI / USP. IBM e INGRAM MICRO Parceiro de Negócios – Transformação de negócios digitais e inovação estratégica. Criador e cofundador da startup ECOCHAIN, blockchain em empresas com impacto social. Desenvolvedor de sistemas ECOCHAIN e Mobilidade Urbana Inclusivo, ambos usando plataformas de blockchain. Pós-doutorado em Engenharia de Produção pela Escola Politécnica da USP. Membro do grupo de pesquisa “Redecoop Gestão de Redes de Conhecimento e Cooperação REDECOOP”, da Universidade de São Paulo.
Membro da equipe de professores e consultores da Fundação Vanzolini, desde 2014. Membro do Grupo de Pesquisa “Smart Cities” – Departamento de Engenharia da Produção da Poli-USP.
João Amato Neto
Professor
Professor Sênior pela POLI-USP, Pós-doutor em Economia e Administração de Empresas pela Università Ca Foscari di Venezia (Itália), Doutor em Engenharia (Engenharia de Produção) pela POLI-USP, Mestre em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (EAESP-FGV) e Bacharel em Engenharia de Produção pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo (EESC-USP). Presidente da Diretoria Executiva da Fundação Vanzolini.
Ricardo Caruso Vieira
Professor
É mestre em gestão de operações pela FEA/USP – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – e Engenheiro de Automação e Controle pela Poli/USP – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Trabalha com sistemas de otimização e gestão industrial há 12 anos em aplicações de diversos segmentos industriais. É autor de artigos sobre gestão de operações, inteligência artificial e manufatura avançada em revistas e congressos técnicos e científicos. É sócio e diretor da área técnica da Aquarius Software.
Quer saber mais?
Preencha o formulário abaixo que em breve entraremos em contato

    Fórum Mundial das Pequenas e Médias Empresas contou com a participação do presidente da Diretoria Executiva da Fundação, João Amato Neto, em plenária sobre o tema 

    O SME World Forum (Fórum Mundial das PMEs) ocorreu na cidade de Rosário, Argentina, entre os dias 31 de outubro e 2 de novembro. O evento acontece anualmente, em diferentes países, para reunir líderes globais, empresários, legisladores, formuladores de políticas públicas, pesquisadores e educadores de todo o mundo, que queiram debater questões relacionadas a Pequenas e Médias Empresas.

    Participantes de diferentes origens compartilharam conhecimento e experiências em seus respectivos campos, como inovação, introdução de tecnologias, sustentabilidade, desenvolvimento do capital humano, eficiência energética, entre outros. O encontro promoveu painéis, plenárias, apresentações de investigação e workshops, em seus três dias duração.

    Professor Amato Neto
    Professor João Amato Neto na SME World Forum.

    Convidado para ser o orador principal na plenária do dia 31 de outubro, o prof. João Amato Neto representou a Fundação Vanzolini abordando o tema “Indústria 4.0 nas Pequenas e Médias Empresas Brasileiras”. O professor, que é presidente da Diretoria Executiva da instituição, ressaltou a importância da parceria com a Universidade Nacional de Rafaela.

    Desde 2021, a Fundação Vanzolini tem parceria com a Universidade Nacional de Rafaela (UNRaf) para promover a Formação em Indústria 4.0 para Pequenas e Médias Empresas, com segunda edição realizada em agosto desde ano, e que se destina especialmente a líderes e gestores de pequenas e médias empresas (PMEs).

    A Formação reúne professores especialistas que abordam estudos de caso e exemplos de aplicação da Indústria 4.0 no mundo real a fim de promover o envolvimento dos estudantes com os desafios da indústria e a compreensão das tecnologias e inovações que estão revolucionando o desenvolvimento futuro dos negócios.

    Organizado pela Universidade Nacional de Rafaela (UNRaf), em colaboração com a Universidade Nacional de Rosário (UNR) e com o Governo Superior da Província de Santa Fé, o Fórum Mundial é fruto do convênio

    firmado com o International Council for Small Business (ICSB) – Conselho Internacional de Pequenas Empresas – que coordena o evento em todo o mundo.

    A ICSB funciona em rede e liga cerca de 90 países em busca de promover um melhor conhecimento e compreensão das condições de crescimento e desenvolvimento de pequenos negócios no mundo inteiro.

    Lucro e propósito podem caminhar juntos? A resposta para essa pergunta pode estar na sigla ESG, abreviação de “Environment, Social & Governance” que, em português, significa “Ambiental, Social e Governança”.

    (mais…)

    A cultura data driven, ou a gestão orientada por dados, é capaz de gerar vantagens competitivas, melhorar a performance organizacional e aperfeiçoar produtos e processos na indústria.

     

    A informação é o que tem movido a indústria dentro da revolução digital e a transformação gerada pelo data driven é o combustível.

    Sendo assim, ter uma empresa orientada por dados – data driven, atualmente – é um fator crucial e determinante para traçar ações estratégicas, identificar possíveis ameaças e visualizar oportunidades de mercado.

    Para isso, é preciso que toda a organização tenha uma mudança de pensamento, aberta às transformações tecnológicas, e que todo o time esteja familiarizado com as ferramentas disponíveis.

    Neste post, falaremos sobre o que é data driven, quais as vantagens para a indústria e como é capaz de impulsionar os negócios de forma estratégica. Vamos lá?

     

    O que é data driven?

    Para começar, data driven é um modo de gestão orientado por dados, ou seja, aquela gestão que tem as informações concretas como matéria-prima e que toma todas as decisões a partir da análise desses dados.

    Diante disso, não há como negar a presença da tecnologia na indústria, nas relações comerciais e no dia a dia do trabalho.

    Se uma empresa quer crescer e se consolidar, não tem como fugir dos avanços tecnológicos, da importância dos dados e da análise adequada para estabelecer ações estratégicas capazes de contribuir, de fato, para a melhoria dos resultados.

     

    O que é a transformação data driven?

    Vamos agora para o conceito de transformação data drive. Trata-se do movimento que acontece quando os dados são colocados como centro e são utilizados para solucionar problemas tradicionais.

    Se antes, por exemplo, um problema como queda no desempenho, produtividade e agilidade era tratado de maneira subjetiva e instintiva, agora, por meio das novas tecnologias e o acesso aos dados, é possível fazer uma análise muito mais detalhada, aprofundada e objetiva da origem do problema e suas causas.

    E, é possível ir além, identificando maneiras de resolvê-lo com inteligência e estratégia.

    Entre as tecnologias existentes, podemos destacar:

    Por isso, quando falamos em transformação data driven dentro das empresas modernas, falamos de um movimento inevitável, cada vez mais necessário na rotina dos negócios para a promoção de avanços, melhores soluções e mais otimizações.

     

    Cultura data driven

    Bem, se a transformação data driven é o passo fundamental para as empresas que desejam ingressar e se destacar na indústria 4.0, é preciso que ela esteja inserida na cultura do negócio, nas relações de trabalho e na rotina dos colaboradores.

    Desse modo, precisamos falar sobre a cultura data driven, que se trata do pensamento e do princípio da tomada de decisões embasadas em dados.

    O foco na cultura data driven é envolver todas as pessoas em um propósito comum, com a finalidade de evitar a especulação e a intuição, tornando o avanço mais fácil e objetivo.

    Vale destacar que, por se tratar de uma mudança no modo de pensar e operar, a cultura data driven requer um processo gradual, passo a passo.

    Com essa transformação de ponto de vista e de ponto de partida, será possível criar novos níveis de visibilidade e percepção ao olhar para as informações com a importância e o significado que elas proporcionam.

    Assim, por meio do acesso e da análise adequada dos dados recolhidos, a empresa terá subsídios mais concretos – com referências reais – para planejar seu impulsionamento de forma mais estratégica, integrada e completa.

     

    Quais vantagens do data driven para a indústria?

    Agora que entendemos o que é a transformação e a cultura data driven, vamos às vantagens que essa gestão orientada pelos dados pode oferecer à indústria:

    No entanto, para alcançar os benefícios do data driven, é essencial ter processos bem definidos e estruturados, além de acesso às ferramentas e recursos adequados.

    É preciso também conhecer o todo, compreender como a linha de produção funciona, quais os indicadores de desempenho mais importantes e quais informações são relevantes para a solução de cada problema ou para determinado projeto.

     

    Por que implementar o data driven e como ele impulsiona a indústria?

    Como vimos acima, as vantagens do data driven são significativas para os rumos do negócio. Mas podemos nos aprofundar um pouco mais na importância do data driven na indústria e compreender melhor quais fatores motivam a implementação desse modo de gestão baseada nos dados. Veja só:

     

    Redução de custos

    Por meio do monitoramento de dados em tempo real é possível encontrar padrões que sinalizam oportunidades. Assim, com o rastreio de vendas e despesas, por exemplo, é possível precificar melhor, visualizar a produtividade dos colaboradores e encontrar gargalos, reduzindo gastos empresariais.

     

    Potencialização da produtividade

    Como falamos acima, por se tratar de uma cultura orientada pelos dados, há uma alteração no mindset organizacional, capaz de oferecer informações necessárias aos diferentes setores. Então, quando compartilhadas entre todos os setores, as informações servem para otimizar a produção de maneira integrada e colaborativa.

     

    Criação de produtos mais aprimorados

    A cultura data driven possibilita o desenvolvimento de ofertas de forma mais assertiva, pois, por meio da análise dos dados, a empresa conhece melhor seu mercado de atuação e os potenciais clientes em profundidade.

     

    Capacidade de inovação aumentada

    A tomada de decisões embasada em dados gera mais capacidade de inovação, já que identifica oportunidades e é capaz de projetar ações estratégicas para direcionar o negócio para seu objetivo e melhoria dos resultados.

    Ou seja, a falta de dados e dados imprecisos podem gerar perdas e custos financeiros, comprometendo a saúde da empresa. Já com dados robustos e trabalhados, por meio da cultura data driven, é possível ter geração de insights, melhoria do engajamento e mais aceitação no mercado.

     

    Profissionais e data driven

    Para finalizar, para que todas as vantagens e possibilidades do data driven se concretizem é fundamental ter no time profissionais capacitados e orientados aos dados.

    Segundo reportagem da revista Forbes, um relatório da empresa de consultoria de recrutamento Talenses, realizado em 2021, revelou que 9 entre cada 10 empresas estão em busca de profissionais fora da área de TI que tenham habilidades digitais.

    O texto diz ainda que, entre os setores que mais estão em busca desse tipo de mão de obra, estão os de logística, finanças, operações e atendimento ao consumidor, geralmente para cargos gerenciais.

    Para 83% dos gestores dessas áreas, de acordo com levantamento realizado pela consultoria Insights em 2021, a importância de olhar informação estrategicamente cresceu após 2020.

    Diante da necessidade e da escassez de talentos, podemos compreender que há oportunidades importantes no mercado para o profissional orientado a dados, que é aquele profissional capaz de ler e transformar as informações em estratégias para tomada de decisões em vez de se basear apenas em opiniões ou experiências.

    Mas o que é preciso fazer para ser um profissional nessa área? Bem, para ser um profissional de data driven é preciso buscar formação e conhecimento prático e teórico em dados, ter domínio e acesso às ferramentas tecnológicas e estar disposto a mudar a forma de pensar a solução de problemas e as tomadas de decisões na era da transformação digital.

    Sendo assim, entre os cursos para formação profissional em dados, destacamos:

     

    Data Science

    Formação indicada para profissionais com vontade de mergulhar no mercado de dados e que gostam de criar a partir de problemas existentes.

     

    Data Analytics

    Curso recomendado para bacharéis, licenciados e ou tecnólogos que queiram entender e ingressar no mercado de análise de dados.

     

    Engenharia de Dados

    Formação indicada para profissionais que tenham aptidão para o aprendizado de novos conceitos, tecnologias ou metodologias que gostem de trabalhar com soluções técnicas.

     

    Esperamos que tenha gostado do conteúdo sobre data driven compartilhado aqui. Conte com os cursos da Fundação Vanzolini para entrar no mercado de dados e transformar a sua carreira:

    Business Intelligence aplicado à Logística
    Data Analytics
    Engenharia de Dados
    Indústria 4.0: Conceito, Método e Aplicação Prática

     

    ENTRE EM CONTATO

     

    Até a próxima!

     

    Fonte:
    Forbes