Fundação Vanzolini

Sustentabilidade e responsabilidade ambiental são conceitos cada vez mais presentes na indústria e no mundo corporativo.

Mais do que termos e palavras bonitas, sustentabilidade e responsabilidade ambiental devem ser ações e práticas organizacionais cotidianas.

Desse modo, as empresas devem adotar estratégias capazes de minimizar seu impacto no meio ambiente, e uma maneira eficiente das organizações demonstrarem seu compromisso com o meio ambiente é obtendo a certificação ISO 14001.

Esta é uma norma reconhecida internacionalmente para sistemas de gestão ambiental e, por meio da sua implementação, as empresas podem garantir processos importantes para identificar, medir e controlar seus efeitos ambientais e na comunidade.

Interessou-se pelo tema e quer saber mais sobre a certificação ISO 14001, além dos benefícios que ela é capaz de gerar para organizações e a sociedade em geral? Então, siga com a leitura deste artigo que preparamos!

Mudanças climáticas e a responsabilidade das organizações

Para começar nosso artigo sobre ISO 14001 e gestão ambiental nas empresas, vamos trazer um breve contexto da situação climática atual.

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), até o início de outubro do ano passado, foram registrados 86 dias com temperaturas 1,5°C acima dos níveis pré-industriais, e setembro foi o mês mais quente já registrado, com temperaturas médias globais 1,8°C acima dos níveis pré-industriais.

Ainda de acordo com a ONU, as evidências científicas mais recentes, compiladas pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), indicam que as emissões de gases de efeito estufa precisam ser reduzidas em 43% até 2030, em comparação com os níveis de 2019.

Assim, a iniciativa é fundamental para limitar o aumento da temperatura a 1,5 grau Celsius até o final deste século e evitar os piores impactos da mudança climática, inclusive secas, ondas de calor e chuvas mais frequentes e severas.

Além das emissões diretas de gases de efeito estufa, também devemos considerar as alterações ambientais geradas pelo desmatamento, queimadas, poluição das águas, contaminação do solo entre tantos outros impactos que comprometem o equilíbrio dos ecossistemas e a capacidade de autorregulação da temperatura do planeta.

Diante desse cenário alarmante, o papel da responsabilidade ambiental das e organizações é crucial, já que, em geral, possuem uma capacidade de liderança social nas comunidades onde estão inseridas e também são responsáveis por processos que geram impactos ambientais significativos.

Mas como colocar em prática iniciativas sustentáveis eficazes e, assim, reduzir seu impacto ambiental? É aí que entra a certificação ISO 14001, traçando um caminho para obter melhores práticas. Siga com a leitura para saber como a norma pode ajudar sua empresa.

O que é a ISO 14001 e quais seus benefícios?

A Norma ABNT ISO 14001 é uma certificação que tem como foco especificar os requisitos para a implementação de um sistema de gestão ambiental eficiente em organizações de todos os portes, para que elas desenvolvam práticas sustentáveis em suas produções.

Dessa maneira, a ISO 14001 atesta que a empresa tem uma atitude ambientalmente correta, com medidas capazes de controlar os impactos ambientais e reduzir a geração de poluentes.

Por meio da obtenção da certificação, as organizações não só colaboram com a preservação do presente e do futuro, como também obtêm vantagens competitivas como a minimização de custos, evitando taxações e paradas de produção – atualmente impostas às empresas poluidoras.

Sendo assim, com uma abordagem mais consciente sobre riscos e ciclo de vida dos seus produtos, atividades e serviços – desde a extração da matéria prima até o destino pós-uso, passando pela redução das emissões de resíduos e correto aproveitamento e tratamento -, a empresa certificada se posiciona melhor no mercado e se alinha às novas demandas dos consumidores.

Portanto, entre a importância da ISO 14001 e seus benefícios para organizações e sociedade, podemos destacar:

Com a norma, as empresas dão um passo significativo em direção à responsabilidade ambiental, assegurando um futuro sustentável para elas mesmas e para as gerações futuras.

Mas como obter a certificação ISO 14001? As organizações podem contar com a Fundação Vanzolini, que possui cursos voltados para a norma e também possui parceria exclusiva, no Brasil, para a formação de auditores pela IQNET Academy, reconhecida internacionalmente.

 Veja a seguir os cursos oferecidos e prepare sua organização para conquistar um selo de respeito.

ISO 14001: cursos da Fundação Vanzolini para auditores e boas práticas de gestão ambiental

Para atender às demandas que visam as melhores práticas de gestão ambiental e proporcionar às  empresas mais consciência de suas responsabilidades, a Fundação Vanzolini oferece os seguintes cursos:

Curso de Interpretação dos Requisitos ISO 14001:2015

Voltada para diretores, gerentes, supervisores e técnicos que têm por objetivo entender e implantar a norma NBR ISO 14001:2015, a formação oferece informações relevantes e metodologias importantes para profissionais que estão ingressando em atividades de implantação e de manutenção de Sistemas de Gestão da Ambiental. Nesse sentido, os participantes vão aprender:

No conteúdo do programa, estão os seguintes temas:

IQNET: ISO 14001 – Auditor Interno

Este curso é especialmente recomendado para as empresas que:

Assim, a formação visa desenvolver as habilidades necessárias para os profissionais atuarem como auditores internos ambientais, com base nos aspectos técnicos e comportamentais, visando à manutenção de Sistemas de Gestão.

Para isso, o conteúdo do programa inclui:

1. Introdução às auditorias de Sistema de Gestão Ambiental;
2. Auditoria interna como um requisito da ISO 14001;
3. Desenvolvimento do processo de auditoria;
4. Educação e treinamento da equipe de auditoria;

4.1 Critérios para a qualificação dos auditores;
4.2 Funções e responsabilidades dos auditores;
4.3 Atitude do auditor.

5. Metodologia para realização das auditorias;

5.1 Planejamento e preparação;
5.2 Reunião de abertura;
5.3 Desenvolvimento: coleta de evidências;
5.4 Elaboração de não conformidades;
5.5 Elaboração do relatório final;
5.6 Reunião de encerramento.

6. Tratamento de ações corretivas;
7. Conclusões;
8. Estudo de caso (simulação de uma auditoria ambiental: análise de documentos, coleta de evidências, elaboração de não conformidades e apresentação de relatório final).

IQNET: ISO 14001 – Auditor Líder

Por fim, a Fundação Vanzolini conta com o curso de formação de auditor líder. Nesse caso específico, há um pré-requisito e o participante deve apresentar o certificado de conhecimento da norma ISO 14001, com carga horária mínima de 16 horas.

Caso não tenha, será necessário realizar uma prova no primeiro dia do curso, para medição de seu conhecimento. Nesta formação, o objetivo é:

Para isso, o conteúdo do programa conta com:

1. Introdução ao processo de auditoria de Sistemas de Gestão Ambiental;
2. Revisão dos requisitos aplicáveis da ISO 14001;
3. Definição, objetivo e tipos de auditorias. Diferenças entre auditorias internas e externas;
4. Requisitos da ISO 19011;
5. Gestão do programa de auditoria;
6. Planejamento e execução de auditoria;

6.1 Planejamento de auditoria;
6.2 Desenvolvimento de auditoria;
6.3 Ferramentas do auditor;
6.4 Comportamento do auditor;
6.5 Coleta e verificação de informações;
6.6 Elaboração e classificação de não conformidades;
6.7 Elaboração do relatório de auditoria.

7. Conclusão e acompanhamento da auditoria;
8. Competência e avaliação dos profissionais participantes da auditoria;
9. Atendimento legal ambiental: requisitos de legislação;
10. Sistema de Eco-Gestão. Comparação com a ISO 14001;
11. Exercícios práticos (mínimo 24h).

Com os conhecimentos, teorias, práticas e metodologias oferecidas com excelência pela Fundação Vanzolini, sua empresa estará no hall das marcas que se preocupam com o impacto ambiental gerado e realizam ações fundamentais para minimizar danos e riscos.

Uma postura que faz a diferença em tempos de crise climática e transformações da maneira de produzir e consumir, não é mesmo?

Então, para saber mais sobre os cursos voltados para ISO 14001, acesse nosso site.  

Até o próximo tema!

Fontes:

brasil.un.org

agenciabrasil.ebc.com.br/internacional

Gestão Ambiental

Gestão Ambiental

Compartilhe:

Apoio a projetos de Pesquisa e Desenvolvimento, que buscam sustentabilidade e inovação na gestão ambiental e de resíduos sólidos.

Algumas das nossas áreas de atuação:

• Gestão de resíduos sólidos urbanos e Aterros Sanitários;
• Blockchain na gestão de resíduos sólidos urbanos;
• Planejamento aplicado à redução de desperdícios de matérias primas e de recursos escassos, como água e energia;
• Avaliação da Viabilidade Técnica e Financeira da Logística Reversa.

Quer saber mais?
Preencha o formulário abaixo que em breve entraremos em contato

    Pelo 23° ano consecutivo, a International Certification Organization Network (IQNET) e a Japan Quality Assurance Organization (JQA), com o suporte do escritório da UNICEF em Tóquio (Japão), organizam o JQA International Environmental Children’s Drawing Contest, Concurso Internacional Infantil de Desenho Ambiental da JQA, em tradução livre. Este ano, o tema escolhido foi “Tempo alegre para as pessoas e a natureza” e o concurso recebeu mais de nove mil desenhos de crianças entre 7 a 15 anos e de 83 países.

    “Eles me surpreenderam com sua grande sensibilidade e forte consciência das questões e também me lembraram novamente que nós, como adultos, temos uma enorme responsabilidade”, comentou Kobayashi Noriaki, Chairman da JQA.

    Segundo o site oficial , o objetivo do concurso é incentivar crianças de todo o mundo sobre questões relacionadas ao meio ambiente e, também, entender como o tema é visto por diferentes culturas, línguas e idades. O desenho vencedor foi de uma criança de seis anos e que mora no Japão e pode ser visto no site JQA International Environmental Children’s Drawing Contest.

    As crescentes ameaças advindas da crise ambiental e climática colocam em risco toda a sobrevivência da humanidade em proporções jamais vistas ao longo da nossa história.

    O processo de devastação das matas e destruição das florestas, a contaminação da água pelas atividades econômicas ilegais, a contaminação de costas e mares, a erosão dos solos e desertificação com suas sérias implicações para a perda da diversidade agrícola, a destruição da camada de ozônio com o consequente aquecimento global do planeta e demais ações antrópicas têm provocado significativas alterações no meio ambiente e desencadeado um cenário extremamente preocupante para pesquisadores, governos, organizações da sociedade civil defensoras do meio ambiente e para as entidades supranacionais.

    Neste sentido, são recorrentes os apelos feitos nos sucessivos encontros e conferências sobre o meio ambiente realizados pela ONU desde o final do século passado, por intermédio do PNUMA- Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente.

    A constatação feita pela comunidade científica referente ao fato de que o nosso planeta tem uma capacidade de carga limitada e que não é plenamente conhecida, implica na urgente necessidade de se adotar uma postura de precaução, que significa agir sem esperar para ter certeza da dimensão dos impactos negativos de tais ameaças.

    Na perspectiva do mundo corporativo, já há um conjunto de programas, projetos e ações que visa reverter este quadro sombrio.

    Baseados nos princípios da Economia Ecológica surgem, recentemente, novas abordagens que deverão nortear o funcionamento dos sistemas produtivos no futuro próximo: Economia Circular, relativa aos sistemas produtivos de circuito fechado (reciclagem, reutilização/reuso, redução do consumo de água, energia e matérias-primas virgens, remanufatura), Economia de baixo carbono e Economia Verde.

    De fato, tal conjunto de iniciativas representam uma mudança de paradigma de produção de bens e serviços.

    No setor industrial, em particular, constata-se, que tal mudança se expressa na crescente busca por modelos de produção que privilegiem a concepção e o desenvolvimento de produtos e processos produtivos que, além de viáveis do ponto de vista técnico-econômico, atendam as novas exigências sociais e ambientais.

     

    Surgimento da ESG

    Por outro lado, e atrelados a este novo paradigma de produção sustentável, crescem, de forma acelerada, os apelos pelo consumo consciente e, também, por novos modelos de investimento e de governança corporativa, que se expressam no termo ESG (do Inglês: E: Environmental,  S: Social  e G: Governance), e que traduzem  uma nova concepção da atividade corporativa no cumprimento de suas obrigações socioambientais.

    Já em 2019, 181 CEO’s de megacorporações assinaram um documento que se refere à “Declaração de Propósito”, comprometendo-se com a adoção de novas práticas sintonizadas com o desenvolvimento sustentável e maior responsabilidade social corporativa.

    Assim sendo, o mercado financeiro passou a incluir os títulos sociais, ou também chamados os chamados “títulos verdes“ (green bonds) com foco em impactos sociais sustentáveis, que podem ser conectados aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e que norteariam a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável.

    Segundo o BID, o mercado de títulos temáticos, criado há pouco mais de dez anos, destinados especialmente à combater práticas que provoquem aquecimento global e degradação ambiental – somou US$ 328 bilhões-2019 (cerca de R$ 1,6 trilhões) em emissões em todo o mundo no ano passado, alta de 57% ante 2018 e vem crescendo de forma acelerada em linha com as demandas dos investidores, que dão cada vez mais importância para a “gestão de riscos e governança” em torno dos “impactos sociais e ambientais” gerados pelos negócios.

     

    Por João Amato Neto, presidente da diretoria executiva da Fundação Vanzolini.

     

    Indicação de leitura: Economia Circular, Sistemas Locais de Produção e Ecoparques Industriais

    A ISO 14001 tem por objetivo implementar métodos e boas práticas dentro de uma empresa com foco na Gestão Ambiental.

    Ou seja, como a empresa impacta o meio ambiente, quais devem ser os cuidados com sua preservação, como gerenciar um Sistema de Gestão Ambiental que respeite as normas, as leis e possa trazer benefícios, não só para o planeta e suas formas de vida, mas para a organização como um todo.

    (mais…)

    No Brasil, mais de 700 edifícios já abraçaram a sustentabilidade como parte essencial dos projetos; além de contribuir para a preservação da natureza, atrai consumidores engajados com a agenda

    (mais…)
    Mudanças mandatórias sobre ações climáticas

    Mudanças mandatórias sobre ações climáticas

    Compartilhe:

    Em fevereiro de 2024, a ISO – International Organization for Standardization publicou emendas para suas normas de requisitos de sistemas de gestão, com o seguinte conteúdo:

    AMENDMENT x: Climate action changes

    • 4.1
      Add the following sentence at the end of the subclause:
      The organization shall determine whether climate change is a relevant issue.
    • 4.2
      Add the following note at the end of the subclause:
      NOTE Relevant interested parties can have requirements related to climate change.

    As emendas de cada norma de sistema de gestão podem ser adquiridas em https://www.iso.org/store.html.

    A ABNT, por sua vez, iniciou seu processo de consulta nacional e publicação das emendas para as respectivas normas de sistema de gestão brasileiras. Esperam-se textos equivalentes à seguinte tradução livre:

    EMENDA x:

    • 4.1
      Incluída a seguinte sentença ao final da subseção:
      A organização deve determinar se “mudança climática” é uma questão pertinente.
    • 4.2
      Incluída a seguinte nota ao final da subseção:
      NOTA As partes interessadas pertinentes podem possuir requisitos relacionados às mudanças climáticas.

    Isso posto, informamos ainda aos clientes certificados nas normas constantes no ANEXO 2, que a partir de agosto de 2024, os auditores passarão a abordar as emendas nos requisitos 4.1 e 4.2 durante as auditorias, tomando-as como requisitos mandatórios sobre os sistemas de gestão auditados.

     

    ANEXO 1. Informações Adicionais

    Generalidades

    As emendas acima citadas decorrem da Declaração ISO de Londres sobre Mudanças Climáticas.  A ISO aprovou uma resolução que instituiu a adição das duas novas declarações constantes nas emendas e que também serão incluídas em todas as novas normas em desenvolvimento/revisão, para abordar a necessidade de considerar o efeito das Mudanças Climáticas na capacidade de alcançar os resultados pretendidos do sistema de gestão.

    A intenção da ISO é garantir que as questões de mudanças climáticas sejam consideradas pela organização no contexto da efetividade do sistema de gestão, além de todas as outras questões. Essas declarações adicionais estão garantindo que este importante tópico não seja negligenciado, mas considerado por todas as organizações no projeto e implementação do Sistema de Gestão.

    Ressalta-se que as mudanças climáticas podem ter um efeito diferente em cada componente do sistema de gestão; por exemplo, o efeito sobre um Sistema de Gestão da Qualidade pode ser muito diferente daquele sobre um Sistema de Gestão de Saúde e Segurança.

    É importante ressaltar que o objetivo das alterações é abordar a forma como as mudanças climáticas podem ter um impacto na capacidade de alcançar os resultados pretendidos dos Sistemas de Gestão, e não abordar o que as empresas certificadas podem fazer (através dos seus Sistemas de Gestão) para mitigar as alterações climáticas (embora isso possa ser um efeito secundário ou um resultado indireto ao abordar riscos/oportunidades).

    Expectativas sobre as organizações certificadas - Orientações gerais da IAF

    As organizações certificadas devem garantir que consideraram os aspectos e riscos das Mudanças Climáticas no desenvolvimento, manutenção e eficácia de seu(s) próprio(s) sistema(s) de gestão. As Mudanças Climáticas, juntamente com outras questões, devem ser determinadas como relevantes ou não e, em caso afirmativo, consideradas dentro de uma avaliação de risco, no âmbito das normas dos sistemas de gestão.

    Quando uma organização opera mais de um sistema de gestão (por exemplo, Gestão da Qualidade e Gestão da Saúde e Segurança), deve assegurar que as alterações climáticas, se forem consideradas relevantes, sejam consideradas no âmbito de cada norma do sistema de gestão.

    O que isso significa para as organizações que implementaram um ou mais padrões de Sistema de Gestão?

    Milhões de organizações implementaram ou são certificadas para um ou mais Sistema de Gestão da ISO em uma ampla gama de setores econômicos, em vários tipos e tamanhos de organizações que operam em diversas condições geográficas, culturais e sociais. Apoiar a governança de uma organização e fornecer confiança em suas atividades é o que os padrões do sistema de gestão fazem, e a mudança climática é uma questão que pode impactar muitas facetas diferentes de uma organização; desde cadeias de suprimentos, saúde e segurança dos funcionários, disponibilidade e uso de recursos ou energia, continuidade e resiliência de negócios, gestão de ativos e atendimento aos requisitos de clientes, consumidores e contratuais e outras expectativas de partes interessadas relevantes.

    Um equívoco comum é que as considerações sobre mudanças climáticas são limitadas às organizações que optaram por implementar um sistema de gestão ambiental como o ISO 14001. Na verdade, a maioria das organizações provavelmente será afetada pelas mudanças climáticas de uma forma ou de outra e pode precisar se adaptar a elas para continuar a cumprir seus objetivos e cumprir seu propósito estratégico. As organizações também podem escolher (ou ser solicitadas por partes interessadas relevantes) a tomar medidas para mitigar as mudanças climáticas como parte de suas operações. Ambos os elementos (adaptação às alterações climáticas e mitigação das alterações climáticas) são agora abordados na Estrutura Harmonizada da redação das normas.

    Para os usuários de padrões de Sistemas de Gestão, determinar as questões que são relevantes para seu escopo e finalidade não é um requisito novo. Muitas organizações já devem ter pensado em como as mudanças climáticas podem afetar seus negócios e determinado se é ou não uma questão relevante que precisa ser abordada dentro de seu contexto particular. Isso, por sua vez, terá alimentado suas políticas e objetivos e sido acionado/implantado como parte de seus processos de gerenciamento de riscos e oportunidades.

    Para as organizações que só agora estão começando a entender como a adaptação e mitigação das mudanças climáticas podem afetar suas operações, essa mudança no texto da Estrutura Harmonizada servirá como um "alerta" ou lembrete.

    Considerações gerais para organizações certificadas:

    Problemas significativos de mudança climática, que afetam a capacidade de alcançar o resultado pretendido de qualquer Sistema de Gestão, podem incluir:

    • Danos a ativos e interrupções operacionais: eventos climáticos extremos, como inundações, furacões e secas, podem interromper as operações. As instalações de fabricação podem sofrer danos diretos e as cadeias de suprimentos podem ser interrompidas devido a problemas de transporte ou fornecedores sendo afetados. As organizações de serviços também podem ser afetadas, especialmente aquelas que dependem de locais físicos (como lojas de varejo, hotéis ou bancos).
      As mudanças climáticas podem afetar as condições operacionais, como o aumento da temperatura, as condições de trabalho ou a eficiência do equipamento. À medida que o clima muda, certas indústrias podem precisar adaptar seus ambientes de trabalho. Por exemplo, indústrias como a agricultura, a construção e a pesca podem enfrentar novos desafios de segurança devido à alteração dos padrões climáticos e das condições ambientais; Mudanças nas condições climáticas podem afetar a eficiência e a segurança do armazenamento e transporte de alimentos.
    • Escassez de recursos e alterações nos serviços ecossistêmicos: As alterações climáticas podem levar à escassez de matérias-primas e a alterações na prestação de serviços ecossistêmicos. Por exemplo, indústrias intensivas em água podem enfrentar desafios em áreas que passam por secas. Da mesma forma, indústrias dependentes de recursos naturais ou serviços ecossistêmicos específicos podem enfrentar dificuldades se esses recursos se tornarem escassos devido às mudanças climáticas. Tais mudanças podem levar à escassez de água e afetar a qualidade da água. Mudanças no clima podem afetar a disponibilidade e distribuição dos recursos naturais.
    • Ajustes e interrupções na cadeia de suprimentos: As mudanças climáticas podem mudar onde e como as matérias-primas são produzidas, processadas e transportadas, levando a mudanças na cadeia de suprimentos global. As organizações podem precisar encontrar novos fornecedores ou ajustar suas estratégias logísticas. Tais mudanças podem levar a eventos climáticos extremos, como inundações, secas e tempestades, que podem interromper as cadeias de suprimentos e criar escassez de recursos.
    • Dinâmica da força de trabalho: As mudanças climáticas podem afetar a saúde, a segurança e a produtividade dos funcionários, especialmente para organizações de serviços com operações ao ar livre ou com muitas viagens. Também pode levar a mudanças nos mercados de trabalho, com novas habilidades necessárias para se adaptar a um ambiente de negócios em mudança.
    • Conformidade regulatória e mudanças de políticas: Governos em todo o mundo estão implementando políticas para combater as mudanças climáticas, como incentivos ou impostos relacionados ou sistemas de comércio de emissões. As organizações de manufatura, por exemplo, devem se adaptar a essas regulamentações, o que pode envolver custos significativos em termos de atualização de equipamentos, processos e práticas para atender a novos padrões.
    • Outros: tais como mudanças nos custos de produção, mudanças na avaliação de risco aplicável aos investimentos, impacto nas oportunidades de negócios e mudanças nos requisitos dos clientes.

    As organizações podem abordar essas questões complementando sua análise de contexto existente, durante exercícios de revisão de gestão, adicionando ameaças relacionadas às mudanças climáticas à sua análise de risco, lançando projetos relacionados e tomando ações específicas etc.

    A metodologia e os critérios utilizados para determinar se as mudanças climáticas são um aspecto significativo devem ser definidos ou apresentados, assim como para quaisquer outras questões contextuais internas ou externas. Os métodos podem incluir também, avaliação de riscos, avaliação de vulnerabilidades ou análise de limiares (consulte a ISO 14090 e a ISO 14091 para referências).

    Outras considerações para organizações certificadas:

    As organizações certificadas, independentemente do setor e do tipo e escopo do sistema de gestão, podem precisar revisar e adaptar outros processos e considerar outras questões, de modo a abordar e acomodar melhor as mudanças no contexto, a evolução dos requisitos e necessidades das partes interessadas, bem como os novos riscos decorrentes das mudanças climáticas.

    • Treinamento e conscientização dos funcionários: O foco e as práticas de gestão eficazes, no contexto das mudanças climáticas, exigem pessoal informado e consciente. As organizações certificadas podem ter que incluir programas de treinamento que eduquem os funcionários sobre os desafios e mudanças relacionados ao clima. Garantir que os funcionários entendam a natureza evolutiva dos riscos relacionados e suas responsabilidades.
    • Engajamento e comunicação das partes interessadas: O engajamento com as partes interessadas em questões de conformidade relacionadas ao clima é crucial. As organizações certificadas devem facilitar a comunicação e o engajamento com as partes interessadas, incluindo investidores, clientes, órgãos reguladores e a comunidade, sobre como a organização lida com questões de conformidade relacionadas ao clima.
    • Monitoramento e Melhoria Contínua: À luz da natureza dinâmica das mudanças climáticas e seus impactos, as organizações certificadas devem ser capazes de monitorar e melhorar continuamente. Isso garante que a organização possa adaptar suas estratégias em resposta a novas informações, regulamentações e melhores práticas relacionadas às mudanças climáticas.
    • Soluções inovadoras para resiliência: As organizações podem precisar investir em soluções inovadoras para aumentar a resiliência contra desafios e riscos induzidos pelo clima, que devem ser integradas à estrutura de SG e contribuir para melhorar o foco, a conformidade, o desempenho e a eficácia.
    • Planejamento Estratégico de Longo Prazo: As organizações devem considerar tendências e questões contextuais de longo prazo, incluindo aquelas relacionadas às mudanças climáticas. Isso permite um planejamento estratégico alinhado com as metas globais de sustentabilidade e os esforços de mitigação das mudanças climáticas.
    • Reputação e Valor da Marca: As organizações que não abordam os riscos das mudanças climáticas ou não adotam práticas sustentáveis podem sofrer em termos de reputação e valor de marca, já que consumidores e investidores estão cada vez mais valorizando a sustentabilidade. Para algumas organizações, a percepção pública também pode ser crítica. Aqueles vistos como não tomando medidas adequadas para combater ou se adaptar às mudanças climáticas podem sofrer danos reputacionais, o que pode impactar diretamente a fidelidade do cliente e o valor da marca.
    • Seguros e Gestão de Riscos: O aumento da frequência e da gravidade dos eventos relacionados com o clima pode levar a prémios de seguro mais elevados. Para organizações com ativos físicos significativos ou para aquelas que operam em áreas de alto risco, isso pode ser um fardo financeiro substancial.
    • Identificação de oportunidades: As organizações também podem procurar oportunidades decorrentes da transição para uma economia mais verde, como o desenvolvimento de novos produtos ou serviços, melhorias de eficiência e o potencial para novos mercados.

    Referências:

    1. Deploying ISO’s London Declaration to Climate Action via Management System Standard. Disponível em: <https://committee.iso.org/sites/jtcg/home/projects/ongoing/ongoing-1/content-left-area/ongoing-advice-for-technical-com/updates-on-management-system-sta.html >. Acesso em 07 de maio de 2024.
    2. Assessing the risk of climate change. Disponível em: <https://www.iso.org/news/ref2625.html>. Acesso em 07 de maio de 2024.
    3. IQNET White Paper: On the inclusion of considerations on climate change to Management System Standards, v.2. 16 de março de 2024
    4. IAF/ISO Joint Communiqué on the addition of Climate Change considerations to Management Systems Standards. Disponível em: <https://www.iso.org/files/live/sites/isoorg/files/standards/popular_standards/management_systems/ISO-IAF%20Joint%20Communique%20Feb%202024.pdf>. Acesso em 07 de maio de 2024.
    5. IAF Technical Committee (TC) Searchable Decision Log. Disponível em: <https://iaf.nu/general_information/iaf-technical-committee-tc-searchable-decision-log/>. Acesso em 07 de maio de 2024.
    ANEXO 2: Normas que passaram por alteração

    Normas que passaram por alteração:

    Código

    Título

    ISO 14298:2021

    Graphic technology — Management of security printing processes

    ISO 16000-40:2019

    Indoor air — Part 40: Indoor air quality management system

    ISO 22163:2023

    Railway applications — Railway quality management system — ISO 9001:2015 and specific requirements for application in the railway sector

    ISO 22301:2019

    Security and resilience — Business continuity management systems — Requirements

    ISO 28000:2022

    Security and resilience — Security management systems — Requirements

    ISO 29001:2020

    Petroleum, petrochemical and natural gas industries — Sector-specific quality management systems — Requirements for product and service supply organizations

    ISO 30301:2019

    Information and documentation — Management systems for records — Requirements

    ISO 34101-1:2019

    Sustainable and traceable cocoa — Part 1: Requirements for cocoa sustainability management systems

    ISO 35001:2019

    Biorisk management for laboratories and other related organisations

    ISO 37301:2021

    Compliance management systems — Requirements with guidance for use

    ISO 46001:2019

    Water efficiency management systems — Requirements with guidance for use

    ISO/IEC 27001:2022

    Information security, cybersecurity and privacy protection — Information security management systems — Requirements

    ISO 21401:2018

    Tourism and related services — Sustainability management system for accommodation establishments — Requirements

    ISO 30401:2018

    Knowledge management systems — Requirements

    ISO 50001:2018

    Energy management systems — Requirements with guidance for use

    ISO/IEC 20000-1:2018

    Information technology — Service management — Part 1: Service management system requirements

    ISO 19443:2018

    Quality management systems — Specific requirements for the application of ISO 9001:2015 by organizations in the supply chain of the nuclear energy sector supplying products and services important to nuclear safety (ITNS)

    ISO/IEC 19770-1:2017

    Information technology — IT asset management — Part 1: IT asset management systems — Requirements

    ISO 21001:2018

    Educational organizations — Management systems for educational organizations — Requirements with guidance for use

    ISO 37001:2016

    Anti-bribery management systems — Requirements with guidance for use

    ISO 41001:2018

    Facility management — Management systems — Requirements with guidance for use

    ISO 44001:2017

    Collaborative business relationship management systems — Requirements and framework

    ISO 14001:2015

    Environmental management systems — Requirements with guidance for use

    ISO 15378:2017

    Primary packaging materials for medicinal products — Particular requirements for the application of ISO 9001:2015, with reference to good manufacturing practice (GMP)

    ISO 18788:2015

    Management system for private security operations — Requirements with guidance for use

    ISO 21101:2014

    Adventure tourism — Safety management systems — Requirements

    ISO 22000:2018

    Food safety management systems — Requirements for any organization in the food chain

    ISO 37101:2016

    Sustainable development in communities — Management system for sustainable development

    — Requirements with guidance for use

    ISO 39001:2012

    Road traffic safety (RTS) management systems — Requirements with guidance for use

    ISO 45001:2018

    Occupational health and safety management systems — Requirements with guidance for use

    ISO 9001:2015

    Quality management systems — Requirements

    Comunicado oficial da ISO

    Baixe aqui o comunicado oficial da ISO.

    O TPM (Total Productive Maintenance) é um sistema que visa maximizar a produtividade em todas as áreas de uma organização.

    Neste artigo, vamos explorar como a metodologia TPM pode transformar a eficiência da sua empresa, explicando os passos necessários para a implementação da metodologia e contando histórias de sucesso de organizações que já adotaram o TPM.

    Vamos mergulhar em seus princípios fundamentais e entender como eles podem ser aplicados em diferentes setores, para reduzir o tempo de inatividade, aumentar a qualidade dos produtos e otimizar os processos de produção.

    O sistema é capaz, ainda, de promover uma cultura de engajamento e melhoria contínua, envolvendo todos os colaboradores no processo.

    Então, embarque conosco na leitura para descobrir como a TPM pode levar sua empresa ao próximo nível de eficiência!

    O que é a metodologia Total Productive Maintenance ou Manutenção Produtiva Total (TPM)?

    A metodologia TPM (Total Productive Maintenance ou Manutenção Produtiva Total) é uma ferramenta organizacional, que tem como objetivo promover a integração dos setores de manutenção e operação, como forma de garantir o funcionamento pleno de máquinas e recursos.

    Dessa maneira, a TPM é uma técnica que permite padronizar operações e otimizar processos, envolvendo todos os colaboradores da empresa, com foco em uma produção de qualidade superior e com zero perdas, quebras, acidentes ou defeitos.

    No entanto, a TPM vai além de uma ferramenta, sistema ou técnica, a metodologia deve ser compreendida a partir de uma visão holística – uma filosofia de gestão – que olha para o todo e está relacionada a uma atitude de cultura e comportamento empresarial.

    Para que a TPM alcance seus objetivos ao ser implementada em uma empresa, é fundamental que haja uma interação saudável entre pessoas, máquinas e produtos.

    Diante dessa necessidade, a metodologia TPM se baseia em três grandes princípios:

    Pilares da metodologia TPM

    A TPM foi criada na década de 1970 pelo japonês Seiichi Nakajima, com o objetivo de reduzir erros por meio da manutenção produtiva total.

    Partindo do princípio de uma filosofia, de um modo de pensar diferente, a ideia da TPM é ir além da manutenção dos equipamentos e envolver todos os profissionais da empresa com o mesmo objetivo em comum: ter uma produção com produtos de qualidade superior e com uma linha produtiva com zero quebras, acidentes ou defeitos.

    E, como falamos acima, a implementação da TPM demanda uma mudança comportamental na empresa, já que os profissionais devem estar envolvidos e abraçarem essa nova cultura produtiva.

    Então, para estabelecer essa aproximação e engajamento, a metodologia de Manutenção Produtiva Total se baseia em 8 pilares, que são:

    Foco nas melhorias

    Como primeiro pilar da metodologia TPM, temos a busca pela melhoria contínua. Desse modo, com essa forma de pensar e agir, só é possível evitar a perda de produtos, recursos e equipamentos quando os problemas são logo identificados e quando há envolvimento e disposição das pessoas envolvidas para experimentar novos caminhos e aprimorar os processos.

    Autonomia

    Como forma de integrar as pessoas e envolvê-las, de fato, nos processos da metodologia TPM, cada pessoa da equipe atua como um “agente de manutenção”. Ou seja, todos os profissionais devem ter autonomia para zelar pela limpeza, inspeção e manutenção dos equipamentos e ativos. 

    Por meio da autonomia, há uma confiança depositada nos colaboradores e, com isso, cria-se um senso de responsabilidade individual que favorece a todos.

    Equipamentos sempre bem limpos e conservados e olhar atento para detectar falhas de forma precoce são também vantagens do pilar da autonomia.

    Gestão de qualidade

    A produção com zero defeitos é um dos principais focos da TPM e, para alcançar isso, a gestão de qualidade e a implementação de processos internos para detectar falhas são fundamentais.

    Nesse aspecto, é importante que a organização aplique ferramentas de análise de causa raiz para encontrar a origem dos defeitos e cortá-los o mais breve possível, impedindo um escalonamento de problemas.

    Manutenção planejada

    A palavra manutenção está no nome da TPM e trata-se uma ação essencial para evitar downtime e paragens imprevistas de máquinas e equipamentos.

    No entanto, a manutenção na TPM deve ser planejada (ou preventiva) e deve ser realizada em horários que não prejudiquem o ritmo e o dia a dia da produção na empresa. 

    Gestão de equipamentos novos

    Para que uma estratégia de TPM seja bem-sucedida é preciso contar também com uma eficiente gestão de equipamentos novos. 

    Os anos de experiência e a bagagem adequada devem ser determinantes no momento de decidir pela compra de novos equipamentos ou no desenvolvimento de novos produtos para facilitar a manutenção. 

    O próximo passo deve ser pensado e feito com base nas vivências e desafios já superados. A lição do passado deve servir para a escolha e solução do presente.  

    Formação contínua

    O desenvolvimento das pessoas é mais um pilar da metodologia TPM. Lembra que falamos sobre o envolvimento das pessoas? Pois, então!

    Uma forma de engajar mais os colaboradores é apostando na formação contínua e no aprendizado, que gera mais confiança e sentimento de valorização.

    Além disso, sem conhecimento, dificilmente os colaboradores serão capazes de realizar a manutenção rotineira ou de identificar potenciais falhas. 

    Desse modo, os treinamentos vão aprimorar as pessoas, que então vão garantir a melhoria de processos.

    Trata-se de um ciclo fundamental para manter a empresa atualizada diante das inovações disponíveis na gestão de um processo produtivo.

    Higiene e segurança no trabalho 

    Importante destacar que a metodologia TPM preza pela qualidade e zero defeitos, porém sem esquecer jamais da segurança no trabalho e da higiene. Não se trata de uma produção a qualquer custo.

    Entre as premissas da metodologia TPM, está a prevenção de acidentes de trabalho (zero acidentes, zero poluição e zero burnout).

    E, sem dúvidas, uma boa gestão de manutenção – com segurança e planejamento – colabora e evita os acidentes, contribuindo para o bem-estar dos profissionais durante a operação.

    Então, dessa forma, a empresa deve se atentar para realizar:

    Vale destacar, ainda, que este pilar da TPM está relacionado diretamente com a adequação da indústria às normas de segurança, como é o caso da NR-12, voltada à segurança do trabalho em máquinas e equipamentos.

    Melhoria dos Processos Administrativos

    Por fim, temos o pilar Office, que tem como objetivo otimizar os processos administrativos relacionados à manutenção e garantir a eficácia de suas atividades.

    Sendo assim, este pilar envolve a implementação de práticas e políticas capazes de melhorar a gestão dos recursos ligados à manutenção: planejamento, programação, controle e gestão de peças de reposição e utilização de tecnologias da informação para melhorar a eficiência desses processos.

    Aqui temos também a implementação de métricas que permitem avaliar o desempenho e a efetividade das atividades de manutenção.

    A medição do sucesso e melhoria contínua da metodologia TPM pode ser feita por meio da análise dos KPIs (indicador chave de desempenho).

    Como exemplos de KPIs, podemos destacar: a Eficácia Geral do Equipamento (OEE), a Taxa de Melhoria (ROI) e o Índice de Envolvimento dos Funcionários (EII).

    Por meio desse monitoramento constante, é possível identificar pontos de melhoria e colocar em prática ações para otimizar os processos, aprimorando a eficiência das atividades de manutenção.

    Benefícios da implementação do TPM em sua empresa

    Bem, depois de entendermos melhor o que é a metodologia TPM e quais os pilares que a sustentam, vamos saber agora dos benefícios para a indústria que a aplicação de seus conceitos pode gerar.

    Veja, a seguir, alguns dos principais benefícios da implementação da TPM para as empresas:

    Mas como implantar a filosofia TPM na empresa e poder colher esses benefícios? Abaixo, compartilhamos um breve passo a passo. Acompanhe!

    Guia passo a passo para a implementação do TPM

    Para a implementação do método TPM (Manutenção Produtiva Total), em geral, são necessárias quatro fases: preparação, introdução, implementação e consolidação.

    Para tornar o processo mais fácil, as quatro fases podem ser divididas em 12 passos ou etapas, chamadas de “As 12 Etapas Para a Implementação do TPM”.

    Confira as 12 etapas na tabela abaixo:

    Passos
    1 – A alta gerência anuncia a decisão de introduzir o TPM na fábrica
    2 – Educação introdutória do TPM
    3 – Criar uma organização da promoção do TPM
    4 – Estabelecer políticas e metas básicas do TPM
    5 – Criação de um Plano Mestre para implantar o TPM
    6 – Começo do TPM
    7 – Estabelecimento de sistemas para aperfeiçoamento da eficiência da produção
    7.1 – Melhoria específica ou focada
    7.2 – Manutenção Autônoma
    7.3 – Manutenção Planejada
    7.4 – Treinamento
    8 – Implementar a Gestão Antecipada ou controle inicial de novos produtos e equipamentos
    9 – Implementar a Manutenção da Qualidade
    10 – Implementar o TPM nos departamentos e apoio administrativos
    11 – Implementar o Gerenciamento de Segurança e Ambiental
    12 – Manter o TPM e elevar seus respectivos níveis

    Casos de empresas que implementaram o TPM com sucesso

    A presença da metodologia TPM nas organizações tem causado uma revolução, agregando valor à produção, valorizando os profissionais e elevando o nível de qualidade e de condições de trabalho.

    Diante da sua capacidade transformadora, a TPM tem sido adotada por muitas empresas no Brasil, como Yamaha, GM, Alcoa, Ford, Azaléia, AmBev, Multibrás, Tilibra, Heineken, entre outras.

    Em todas elas, os objetivos da implementação envolvem maior participação das pessoas, trabalhos mais assertivos, menos danos, mais eficiência, auto reparo, planejamento, treinamento e ciclo de vida.

    Entre os resultados obtidos nessas empresas, de acordo com as análises, estão: melhoria dos percentuais de rendimento das linhas de produção; redução dos consumos de energia elétrica e térmica; redução das quebras; ambientes de trabalho revitalizados e capazes de proporcionar bem-estar aos colaboradores.  

    Treinamento e recursos para a implementação do TPM

    Para que as empresas possam contar com os benefícios da implementação da TPM e para que sua presença dentro da cultura organizacional seja, de fato, incorporada e praticada, é fundamental que os colaboradores tenham conhecimento e treinamento no tema.

    Assim, o pilar de formação contínua da TPM é fundamental, já que o desenvolvimento constante dos recursos humanos permite que as pessoas atinjam seu pleno potencial, sentindo-se mais seguras, confiantes e prontas para executar as tarefas e responsabilidades. 

    Dessa maneira, as empresas que investem em treinamento e educação de seus colaboradores tendem a crescer de forma mais sustentável e robusta, mantendo-se atualizadas diante das transformações tecnológicas e de mercado.

    Como caminho para treinamento e capacitação em TPM, profissionais e organizações podem contar com o curso Manutenção Produtiva Total – Metodologia TPM, oferecido pela Fundação Vanzolini.

    A formação em Manutenção Produtiva Total da Fundação Vanzolini permite que a empresa atinja ainda mais sucesso operacional, desenvolvendo profissionais para liderar os processos de melhoria contínua, com foco na eficiência industrial.

    Por fim, vale ressaltar que o método TPM é uma ferramenta útil e inovadora no processo de fabricação ideal, e as organizações capazes de atingir esse nível de manutenção, certamente, irão alcançar níveis mais altos de eficiência e colher importantes vantagens competitivas. 

    Então, se você deseja se preparar para o futuro da produtividade com qualidade e segurança, entre em contato com a Fundação Vanzolini e tenha a melhor formação em Manutenção Produtiva Total (TPM).

    ENTRE EM CONTATO

    Até o próximo!

    Fontes:

    repositorio.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/23261/3/PG_CEEP_2014_1_09.pdf

    revistaespacios.com/a17v38n22/a17v38n21p06.pdf

    Uma reflexão mais profunda sobre a sustentabilidade começou na década de 1990. Dentre outros eventos, foi nessa época que John Elkington introduziu o conceito conhecido como “Triple Bottom Line” (ou “Tripé da Sustentabilidade”), cuja ideia principal foi a ênfase na importância de considerar não apenas os resultados financeiros, mas também os impactos sociais e ambientais das organizações.

    Uma vez iniciada a materialização do conceito de sustentabilidade e gestão sustentável, começa-se a busca de como estabelecer, medir e assegurar essa qualidade a uma organização ou seus produtos.

    Sendo o setor de construção civil um dos maiores causadores de impactos ao meio ambiente, não é surpresa ter sido logo incluído na discussão sobre sustentabilidade, já durante esse período. 

    Em 1996, foi criada na França a Associação HQETM (HQETM: Haute Qualité Environnementale), com o objetivo de reunir as partes interessadas para criar uma linguagem comum de conceitos e critérios e fornecer a referência que foi, mais tarde, chamada de “processo HQETM”.

    O “processo HQETM” foi definido em 14 categorias, que deveriam ser consideradas para o desenvolvimento sustentável numa construção.  Nesse momento, essas quatorze categorias do processo HQETM foram divididas em quatro famílias:

    Eco-construção

    1. Edifício e seu entorno
    2. Materiais
    3. Canteiro de obras

    Eco-Gestão

    1. Energia
    2. Água
    3. Resíduos
    4. Manutenção

    Conforto

    1. Conforto higrotérmico
    2. Conforto acústico
    3. Conforto visual
    4. Conforto olfativo

    Saúde

    1. Qualidade dos ambientes
    2. Qualidade do ar
    3. Qualidade da água

    Já na década de 2000, a ideia de “sustentabilidade” continua a crescer conjuntamente a conceitos como o do ESG (Environmental, Social and Governance), que enfatiza a integração de critérios ambientais, sociais e de governança nos processos de tomada de decisão empresarial.

    Nesse contexto, a Certificação HQETM já se alinhava perfeitamente, promovendo padrões rigorosos nessas três dimensões.

    No ano de 2002, com participação ativa das partes interessadas, o conceito do “processo HQETM foi utilizado para a criação de um processo de certificação, com requisitos para edifícios em cada uma das 14 categorias, levando a criação da primeira versão do referencial “Qualidade Ambiental do Edifício” (QAE). 

    Esse foi o início da certificação HQETM (Haute Qualité Environnementale), um exemplo paradigmático da evolução da sustentabilidade, traçando uma trajetória que reflete, além dos avanços na construção sustentável, o amadurecimento da consciência ambiental global.

    Globalização da Certificação HQETM e o caso Brasileiro

    No Brasil, a busca por soluções sustentáveis na construção civil cresceu consideravelmente nas últimas décadas, em sintonia com a conscientização global sobre a urgência das práticas ecologicamente e socialmente responsáveis.

    No início dos anos 2000, a Fundação Vanzolini identificou essa necessidade e realizou um estudo de todas as certificações existentes voltadas aos edifícios sustentáveis. De tal pesquisa, conclui-se que a Certificação HQETM é a certificação mais adequada para o Brasil, sendo apontados como alguns de seus principais pontos fortes:

    Auditorias de terceira parte presenciais nas etapas-chave do empreendimento (fases pré-projeto, projeto e execução)

    Na época chamávamos as três fases de programa, projeto e realização. Essas auditorias realizadas em momentos cruciais no desenvolvimento do empreendimento auxiliam até hoje na gestão dos projetos. As auditorias de 3ª parte também trazem maior confiabilidade nos resultados e incentivam a melhoria contínua da atividade de incorporadoras e ou construtoras.

    Requisitos de sistema de gestão

    Apesar do foco da certificação ser o desempenho das edificações, avaliar o sistema de gestão permite que os empreendedores tenham um maior controle de seus processos.

    Requisitos de desempenho

    Desde as primeiras versões, a certificação HQETM leva em conta a variedade de soluções técnicas e arquitetônicas, que contribuem para o desempenho das edificações. Aqui vale ressaltar que, na época, os franceses foram pioneiros no desenvolvimento do próprio conceito de desempenho aplicado a edifícios, o qual é, hoje, no Brasil, tão largamente aplicado nas avaliações dessa mesma natureza, conforme NBR15575.

    Respeito e interesse nas preocupações locais

    Um dos objetivos da primeira versão AQUA-HQETM, de 2007, era realizar aplicações piloto da certificação HQETM fora da França e analisar a sua aderência.

    Considerando esses e outros fatores, em 2007, a Fundação Vanzolini estabeleceu um contrato de cooperação com o Certivéa, organismo responsável pela certificação do “processo HQETM” para edifícios não residenciais na França.

    Após um trabalho de quase um ano para criar um referencial de certificação adequado ao Brasil, a Fundação Vanzolini, em parceria com a Escola Politécnica da USP, publicou a primeira versão do “Processo AQUA” (Alta Qualidade Ambiental).

    A partir de então, foram publicados vários referenciais de certificação AQUA. Dentre esses eventos, destaca-se o ano de 2010, quando a Fundação Vanzolini, em parceria com o Qualitel-Cerqual, lançou a primeira versão do Referencial de Certificação AQUA para edifícios residenciais.

    Em 2013 foi lançado o “HQETM International”, a 2ª geração da certificação HQETM. Neste trabalho, foi considerado os anos de experiência na França, no Brasil e em outros países.

    Na época, já havia mais de 300 edifícios certificados AQUA no Brasil, assim, foi possível caracterizar quais critérios eram globais – requisitos comuns independentemente de qual país a certificação será aplicada e quais os critérios locais – requisitos que os aspectos locais, tais como cultura, clima e normalização têm um impacto relevante.

    Nesse momento, as 14 categorias se mantiveram, porém, foram reorganizadas em quatro temas:

    EDIFÍCIOS RESIDENCIAISEDIFÍCIOS NÃO RESIDENCIAIS
    ENERGIA E ECONOMIAS4. EnergiaENERGIA4. Energia
    5. ÁguaMEIO AMBIENTE1. Edifício e seu entorno
    7. Manutenção2. Materiais
    MEIO AMBIENTE1. Edifício e seu entorno3. Canteiro de obras
    2. Materiais5. Água
    3. Canteiro de obras6. Resíduos
    6. Resíduos7. Manutenção
    SAÚDE E SEGURANÇA12. Qualidade dos ambientesSAÚDE12. Qualidade dos ambientes
    13. Qualidade do ar13. Qualidade do ar
    14. Qualidade da água14. Qualidade da água
    CONFORTO8. Conforto higrotérmicoCONFORTO8. Conforto higrotérmico
    9. Conforto acústico9. Conforto acústico
    10. Conforto visual10. Conforto visual
    11. Conforto olfativo11. Conforto olfativo

    Além das atualizações dos Referenciais de Certificação para edifícios, outros esquemas de certificação foram lançados.

    Planejamento Urbano foi lançado em 2010 na França e em 2011 no Brasil, nele foram estabelecidos 17 temas, em vez das 14 categorias. Em 2015, foi publicado o Referencial de Certificação para Infraestrutura Portuária, que contém 15 categorias, e, em 2019, a Fundação Vanzolini publicou a certificação AQUA-HQETM para Infraestruturas.

    A Evolução da Certificação HQETM e AQUA-HQETM em sintonia com os ODS da ONU

    Em 2015, a ONU (Organização das Nações Unidas) propôs aos seus países membros uma nova agenda de desenvolvimento sustentável para os próximos 15 anos, a Agenda 2030, composta pelos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

    Em linhas gerais, os ODS estabelecem metas globais ambiciosas, para abordar questões como saúde e bem-estar, cidades e comunidades inteligentes, água potável e saneamento, energia limpa, trabalho decente, indústria, inovação, consumo e produção responsáveis, ação contra a mudança climática, vida na água e vida terrestre, paz e parcerias.

    É possível correlacionar temas da agenda global de forma bastante estreita com os critérios da Certificação AQUA-HQETM, demonstrando o seu alinhamento com os interesses internacionais e sua atualidade. 

    Ao incorporar critérios específicos em conformidade com esses objetivos globais, a Certificação AQUA-HQETM tornou-se um instrumento prático para que edificações e empreendimentos contribuam de forma positiva para a consecução dos ODS.

    Em harmonia com os ODS, a nova revisão do AQUA-HQETM 2024 foi estruturada com base em uma abordagem que traz inovação e uma visão global multicritério, em torno de 4 compromissos inseparáveis:

    Isso significa que, a partir de 2024, todos os Referenciais de Certificação AQUA-HQETM terão os mesmos quatro compromissos como estrutura que se desdobram em categorias.

    Como conclusão, a Certificação HQETM é uma demonstração da progressiva conscientização global sobre a necessidade de práticas sustentáveis na construção. França e Brasil, cada um à sua maneira, desempenham papéis significativos nessa trajetória, contribuindo para um futuro mais sustentável e equilibrado.

    A história da Certificação AQUA-HQETM é, portanto, um capítulo fascinante na narrativa da busca por um mundo mais verde e sustentável, integrando-se de maneira notável com datas-chave na evolução da sustentabilidade global.

    Caso seja de interesse, também recomendamos a leitura do nossos E-books:

    Por Felipe Queiroz Coelho, responsável técnico pela certificação AQUA-HQETM e auditor líder na certificação AQUA-HQETM.

    Revisado por Bianca Bonachela de Oliveira.

    Navegar pelo caminho da sustentabilidade é fundamental para as empresas que desejam alcançar não apenas lucratividade, mas também um impacto positivo na sociedade do entorno e no mundo como um todo.

    Os treinamentos voltados para a ESG (Environmental, Social, and Governance) têm se destacado como uma estratégia eficaz e importante para guiar as organizações rumo à sustentabilidade e à rentabilidade.

    Nesse sentido, ao adotar as práticas de ESG, as empresas podem alinhar seus objetivos comerciais com os valores de proteção ambiental, responsabilidade social e governança adequados.

    As formações em ESG capacitam e engajam os colaboradores a incorporarem as práticas em seu dia a dia, e as ações vão desde questões relacionadas à eficiência energética até iniciativas de inclusão e diversidade.

    Então, além de contribuir com as empresas na redução de seus impactos negativos, o treinamento em ESG cria vantagens competitivas significativas. Organizações que demonstram um compromisso genuíno com a sustentabilidade têm sido cada vez mais valorizadas pelos consumidores, investidores e stakeholders.

    Assim, neste artigo, exploraremos como o treinamento em ESG pode abrir caminho para uma empresa sustentável e lucrativa. Vamos analisar os benefícios, as etapas para implementação e como esse treinamento pode impulsionar o desempenho financeiro e a reputação da organização.

    Acompanhe a leitura!

    Práticas ESG: ambiental, social e de governança

    A agenda ESG é composta por um conjunto de práticas voltadas para a preservação do meio ambiente, responsabilidade com a sociedade e transparência empresarial. Vale lembrar que o termo ESG surgiu, pela primeira vez, em um relatório de 2004, da Organização das Nações Unidas (ONU), chamado Who Cares Wins (Ganha quem se importa).

    Sendo assim, a sigla ESG une três preocupações que as empresas devem ter:

    Environmental ou Ambiental

    No quesito Ambiental, estão os princípios e práticas adotadas pela empresa para a conservação do meio ambiente.

    Desse modo, entre as iniciativas ambientais, podemos destacar:

    Social

    No quesito Social, temos as práticas da empresa em relação às pessoas e à comunidade do seu entorno.

    Assim, como exemplos, podemos destacar:

    Governance ou Governança

    No quesito Governança, temos a maneira como a empresa realiza a gestão dos seus processos e de seus colaboradores, com foco na transparência. Veja a seguir alguns exemplos de práticas sustentáveis de governança:

    Importante destacar que, em relação às boas práticas de governança, o treinamento em ESG é um forte aliado, aproximando os responsáveis das novas tecnologias e ferramentas para uma gestão de processos mais eficiente e transparente.

    Vantagens e boas práticas de ESG

    Atualmente, as práticas da agenda ESG têm sido decisivas para as organizações se destacarem no mercado. Desse modo, entre as vantagens de se realizar uma gestão sustentável, com base na ESG, estão:

    Como incorporar a agenda ESG na cultura da organização?

    Como vimos acima, os benefícios da ESG são muitos e levam os negócios a um diferencial competitivo importante.

    Mas, para alcançar as vantagens, é fundamental que as práticas ESG sejam incorporadas à cultura organizacional, indo muito além de modelos de processos. Trata-se, assim, de uma forma diferente de pensar e agir na produção e na gestão.

    De acordo com o estudo Sustentabilidade na Agenda dos Líderes Latino-Americanos, realizado com 400 executivos da Argentina, Brasil, Colômbia e México, em 2022, o número de empresas que diziam ter uma estratégia de sustentabilidade equivalia a 69%.

    No ano anterior, 2021, o percentual era de 46%. Ou seja, temos um avanço, mas ainda há um caminho a ser percorrido.

    Para que as ações relacionadas às questões ambientais, sociais e de governança deixem de ser um projeto e passem a ser, de fato, executadas, é preciso que ocorram mudanças ou transformações contundentes no ambiente corporativo. E isso só acontece por meio das pessoas e do interesse delas em fazer diferente.

    Assim, é preciso contar com o envolvimento das lideranças e de todos os colaboradores. A agenda ESG diz respeito a uma mudança na cultura organizacional e, desse modo, o engajamento coletivo é primordial para que as práticas sejam implementadas de forma eficiente.

    Dessa forma, é fundamental compreender aspectos centrais e teóricos da ESG, além das ferramentas e certificações, para a construção de estratégias e para a implementação de uma política organizacional sustentável.

    Teoria e prática precisam estar em harmonia na implementação da ESG nos negócios. Para isso, o caminho é o investimento em treinamento. Os benefícios da formação em ESG tornam as iniciativas mais robustas e de maior impacto.

    Importância de uma formação em ESG para os negócios

    Para alcançar as metas de ESG e incorporar as ações à cultura organizacional, as empresas devem contar com profissionais especializados no tema, pois eles têm a expertise e domínio de ferramentas capazes de garantir que as empresas passem a promover, de maneira consistente, a responsabilidade social e a sustentabilidade corporativa.

    No entanto, ainda há poucas pessoas com essa experiência. Segundo um levantamento de 2020 do grupo global de capacitação profissional CFA Institute, a demanda por profissionais com expertise em ESG é alta, mas a oferta ainda é baixa.

    Durante o estudo, a instituição analisou 1 milhão de contas na plataforma LinkedIn e concluiu que menos de 1% dos perfis tinham qualificação na área. Ou seja, existe uma escassez de pessoas preparadas para lidar com a agenda ESG e o mercado tem, cada vez mais, buscado esse conhecimento.

    Além de buscar por profissionais especializados em ESG, as empresas podem também investir no treinamento de seus próprios colaboradores, capacitando-os para que possam se desenvolver na carreira e aprimorar a implementação das práticas ESG na organização.

    Vale destacar que um programa de treinamento voltado para ESG pode ser aplicado nos mais variados setores de uma empresa (administrativo, financeiro, marketing, produção, etc.), desenvolvendo lideranças e profissionais de times diferentes para atuarem em conjunto, em prol de melhorias para a organização como um todo. 

    ESG é o futuro no agora

    Sem dúvidas, a pauta ESG nunca esteve tão em alta como agora. As perspectivas são promissoras e o futuro das organizações e da própria sociedade depende de iniciativas no presente.

    De acordo com a pesquisa ESG Radar 2023, os investimentos das empresas na pauta ESG devem chegar a US$ 53 trilhões (R$ 273 trilhões) até 2025. Os dados revelam o olhar muito atento para uma gestão sustentável e alinhada às novas formas de comportamento e demandas de consumo do mundo. 

    Sendo assim, compreender a importância de aperfeiçoar pessoas para superar desafios sociais e ambientais é fundamental para as empresas que desejam seguir competitivas.

    Cursos em ESG e Gestão da Sustentabilidade para melhores resultados e mais sucesso

    Por fim, para acompanhar o agora e preparar os profissionais para os desafios da pós-modernidade, a Fundação Vanzolini conta com um curso novo, que treina e forma pessoas para atuarem em ESG.

    Processos, certificações, elaboração de relatórios, ferramentas, teoria e prática, tudo no curso ESG e Gestão da Sustentabilidade, para capacitar os profissionais de forma estratégica e eficiente.

    Seja para o profissional que deseja se especializar na carreira ESG, seja para a empresa que deseja treinar seus times para uma atuação mais robusta dentro de governança, o curso ESG e Gestão da Sustentabilidade da Vanzolini é feito para quem deseja expandir horizontes e adquirir as competências necessárias para aplicar as melhores práticas de ESG.

    Independentemente do setor ou da área de atuação, o curso inclui conhecimento necessário para transformar o agora, pensando no futuro de pessoas e organizações. Desse modo, o conteúdo do treinamento em ESG conta com os seguintes módulos:

    Importante destacar, ainda, que o treinamento da Vanzolini é um aliado no equilíbrio entre gestão sustentável, cumprimento da agenda ESG e manutenção e ampliação da lucratividade da empresa. A proposta é fazer da prática ESG um mecanismo de impacto positivo interno e externo, também garantindo a saúde financeira da organização.

    Então, se você deseja se tornar um especialista em ESG ou deseja levar esse treinamento para sua empresa, acesse nosso site e saiba mais sobre o curso ESG e Gestão da Sustentabilidade!

    Conheça os cursos de Inovação da Fundação Vanzolini!

    ENTRE EM CONTATO

    Até o próximo :)

    Fonte:

    Forbes

    Infosys