Economia Circular e gestão da sustentabilidade

Inovação no modelo de gestão de produção e consumo para negócios sustentáveis

Economia Circular - Gestão da Sustentabilidade

Economia Circular é um conceito baseado na inteligência da natureza e se opõe ao processo produtivo linear utilizado atualmente pelas empresas no mundo todo. O processo circular compreende que os resíduos são insumos para a produção de novos produtos.

O modelo econômico linear de produção-consumo-descarte está atingindo seu limite. Nos últimos 30 anos, apesar dos avanços tecnológicos e do aumento da produtividade dos processos que extraem 40% mais valor econômico das matérias-primas, a demanda neste mesmo período aumentou 150% (UNIDO, 2013).

Um dos caminhos para enfrentar esse problema é o modelo econômico circular, que associa o crescimento econômico a um ciclo de desenvolvimento positivo contínuo, que preserva e aprimora o capital natural, otimiza a produção de recursos e minimiza riscos sistêmicos, com a administração de estoques finitos e fluxos renováveis. (ELLEN MACARTHUR FOUNDATION, 2017).

A gestão da sustentabilidade vem ganhando espaço na agenda estratégica das empresas. E como acontece esta gestão?

Primeiramente, implantar o conceito no pilar do negócio. Fazer parte de todos os processos e práticas da organização. Com uma gestão voltada para a sustentabilidade, a empresa irá atrair pessoas e negócios que seguem o mesmo modelo gerando uma cadeia de valor.

O conceito de Economia Circular deve ser pensado de forma abrangente e não se limitar somente aos processos internos da empresa. Ele considera desde o início até a finalização, passando pelo produto, processo, sistema e principalmente, a reutilização.

Durante o planejamento é importante considerar alguns pontos relevantes:

  •  O contexto ao qual a empresa faz parte;
  •  O trabalho que desenvolve;
  •  A inovação na hora de rever modelos, reconsiderar produtos, criar e testar novidades.
  •  Redução de custos;
  •  Maior geração de valor: uma lógica baseada e parcerias, tecnologias que favoreça a automação e novas fontes de investimentos, recuperação de recursos.
  •  Formas de trabalhos replicáveis e escaláveis;
  •  Vida útil do produto e maior resiliência e colaboração;
  •  Maneiras de descartes ecologicamente corretas: reutilizado de insumos, redução de resíduos e reciclagem de produtos e utilizáveis da empresa.

Desta forma, para a gestão de projetos, o mais importante é desenvolver um novo mindset entre todos os envolvidos e a realização de treinamentos e apoios para a equipe durante a transição.

Apesar dos grandes desafios que esta transição enfrenta, tornar os negócios sustentáveis é uma tendência inegável e a urgência da renovação é eminente.

Aos líderes cabe estar inteirados sobre os processos para gerir com eficiência dentro desta nova estrutura que propõe grandes soluções e inovações.

 

Quer receber os conteúdos e as novidades da Fundação Vanzolini no seu e-mail? Cadastre-se em nossa newsletter.

 

Comentários