Design Sprint 2.0: saiba quais são as novidades desse método

Por Alexander Terra

Design Sprint 2.0: saiba quais são as novidades desse método

Design Sprint foi idealizado para que em 5 dias seja possível vencer grandes desafios, como: problemas complexos nas empresas, amadurecer ideias, testar ideias com o cliente final e conectar as dores do cliente com soluções empresariais.

No início, a tangibilização parece impossível, mas depois desse processo é possível entregar ao usuário uma análise e receber o feedback sobre o que foi concebido. Isso tudo em um formato dinâmico, colaborativo e altamente motivador.

Foi possível reduzir o período de cinco para quatro dias, realizando uma mudança do fluxo, principalmente na etapa com relação aos especialistas, que acabavam tendo um tempo maior no processo. Agora, com a mesma eficiência é possível liberá-los, reduzindo as horas de utilização desse importante recurso. Imagine você tendo que negociar a participação de pessoas importantes na empresa por cinco dias. Complicado, não? Já com o Design Sprint 2.0 a negociação será mais fácil, sendo necessário reservar apenas dois dias.

Passo a passo do Design Sprint convencional

No Design Sprint convencional são utilizados cinco dias, de maneira que:

  • Segunda-feira: foco em realizar o mapa;
  • Terça-feira: fazer o esboço;
  • Quarta-feira: tomar a decisão e executar o quadro de história;
  • Quinta-feira: o protótipo;
  • Sexta-feira: o teste.

Design Sprint 2.0: saiba quais são as novidades desse método

No modelo acima, a ideia é ter a participação dos especialistas de segunda a quarta-feira, e quando for possível em todo o processo, pois assim é possível contar com o auxílio dos especialistas, prototipar e testar no último dia.

Etapas do Design Sprint 2.0

O objetivo central do Design Sprint é validar as hipóteses e testar funcionalidades, entender se realmente o cliente vai se adaptar ou se terá desejo com a proposta que você quer lançar.

Já no modelo 2.0, é possível dividir a segunda-feira em duas partes: a manhã para o mapa e a tarde para o esboço. Na terça-feira de manhã, com os esboços realizados, os trabalhos são retomados e então são tomadas as decisões para montar o quadro de histórias ou o storyboard. Já na quarta-feira reservamos o dia inteiro para prototipar as ideias e na quinta-feira, também utilizando o dia todo, é a etapa para realizar os testes.

RELAY: o robô assistente para serviços do dia a dia

No livro Sprint, no qual é descrita a metodologia com 5 dias de duração, os autores mostram um case do robô Relay, que estava sendo construído para automatizar o serviço de quarto em hotéis e seria responsável por levar escovas de dentes, toalhas e lanches para os hóspedes. Para os criadores, esse era apenas um primeiro passo, tendo como objetivo que o Relay se tornasse um assistente para o dia a dia das empresas, transitando em ambientes como restaurantes, hospitais, entre outros.

Tudo parecia perfeito, mas os criadores tinham algumas interrogações em seu projeto, como: será que os hóspedes vão querer receber toalhas e outros insumos de um robô? Já imaginou investir meses ou anos em um projeto e, no final, ser recusado pelo público alvo?

Design Sprint 2.0: saiba quais são as novidades desse método

Infelizmente isso é recorrente em diversos segmentos e empresas, justamente por não ter o foco no cliente, e sim nos processos de criação ou de produção. Se eles aceitassem ser atendidos pelo robô, será que a experiência seria positiva?

Imagine depois de todo esforço e tempo dispendido se tornar apenas mais uma ideia, sem ter o impacto sonhado, pois o projeto atende a necessidade de entregar produtos aos hóspedes, mas criaria outro problema em relação a empatia das pessoas com um serviço sendo feito por um robô e não por um ser humano. Afinal, em bons hotéis, uma das premissas é que você seja bem atendido, será que um robô conseguiria superar a experiência vivenciada pelo atendimento de uma pessoa?

Para responder a essas perguntas, foi utilizado o Design Sprint e alguns clientes foram convidados para passar pela experiência com um protótipo ainda não completo. As respostas foram as melhores possíveis, possibilitando à equipe responder suas questões de forma positiva e, assim, seguir com o projeto.

Referência: KNAPP, Jake. Sprint: o método usado no Google para testar e aplicar novas ideias em apenas cinco dias. 1ª edição. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2017.

Inove, teste e valide ideias de forma rápida e assertiva. Conheça o curso de Design Sprint.

Sobre o autor

Alexander Terra Antunes – Gerente de educação na Fundação Vanzolini – Politécnica – USP, diretor do IBN – Instituto Brasileiro de Negócios, palestrante e professor de MBA da FVG e da Fundação Vanzolini. Mestre em administração, pós graduado em gestão de projetos, bacharel em administração de empresas com certificado Lego® Serious Play®. Autor dos livros: Canvas Pessoal Desenvolvendo sua carreira e sua vida e Gestão de Projetos na prática e de forma simples. Coautor dos livros: Marketing de varejo contemporâneo, Negociação empresarial – estudos de casos brasileiros e Implantação de estratégias – cases brasileiros, volumes 1 e 2.

Quer receber os conteúdos e as novidades da Fundação Vanzolini no seu e-mail? Cadastre-se em nossa newsletter.

Comentários