A falta de liderança e suas consequências

A falta de liderança e suas consequências

Certa vez, enquanto tentava me manter a par dos últimos conteúdos sobre gestão e negócios, me deparei com parte de uma entrevista de Eline Kullock, diretora de uma consultoria de recrutamento. Ela dizia: “A liderança é muito mais complexa do que se imagina. Você será mais cobrado do que nunca, inclusive pelas entregas alheias, e assumirá a difícil tarefa de motivar outras pessoas”.

De fato, liderança não é uma tarefa fácil. Costumo dizer que liderar é ter a habilidade de conseguir equilibrar-se com vários pratos: as decisões sobre o negócio, a equipe, os clientes, o dinheiro, o futuro e muitos outros. E o segredo do sucesso nesse malabarismo está ligado a um ponto principal: não deixar os pratos caírem – ou melhor – saber quais deles podem cair e quais não.

Você pode ser presidente, diretor ou gerente. Pode ser o dono do próprio negócio ou trabalhar em uma grande companhia. Ter experimentado anos de preparação técnica e de conhecimento ou ter criado seu caminho “na raça”. No fim do dia, diante dessas questões, somos todos iguais.

Porém, mesmo com toda a sua complexidade e demanda de energia, liderar é – essencialmente – melhor do que não liderar.

É possível estar em uma empresa onde existam cargos de liderança – inclusive muito bem estruturados – mas não líderes de fato. E aí reside o grande perigo, pois, empresas em que a falta de liderança é latente, tornam-se, cedo ou tarde, acéfalas.

Empresas em que a falta de liderança é latente, tornam-se, cedo ou tarde, acéfalas.

Tomemos o exemplo do corpo humano: quando este, por qualquer motivo, perde o contato com o sistema nervoso central, seu sistema de comando, o corpo perde também a sua função. Os órgãos podem até permanecer vivos, mas a vida em si, a maneira de perceber e interagir com o mundo, se vai.

Líderes são a espinha dorsal de qualquer negócio. E assim acontece com as companhias onde a falta de liderança existe: sobrevivem, mas não se desenvolvem.

Acredito que isso acontece pela falta de visão sistêmica que continua encontrando espaço dentro das empresas. Líderes que não conseguem enxergar o todo, nem suas conexões, também não percebem as consequências de sua ausência ou desalinhamento.

É justo compreender, já que citamos visão sistêmica, que a falta de liderança também apresenta suas causas. Muitas vezes, nos deparamos com pessoas em cargos estratégicos que perderam a percepção de realização em seu trabalho e, por isso, se encontram sem visão clara sobre o futuro e até mesmo o negócio como um todo.

Quando estão nesta situação, acarretam sobre si, e consequentemente sobre aqueles que são liderados, desmotivação, pouca habilidade de aprender com os erros cometidos e ruídos na comunicação e no fluxo de informações, em todos os níveis da empresa.

Exemplos sobre falta de liderança

Para exemplificar, imagine empresas como pirâmides. A ponta superior corresponde às posições mais estratégicas, onde existem altos níveis de decisão e influência. As linhas inferiores, ou de base, correspondem às posições operacionais, onde os níveis são mais voltados para o fazer.

Uma resolução no nível estratégico, mesmo que pequena, ganhará proporções exponenciais ao descer para os demais níveis. O ritmo da comunicação, da empatia, dos valores, sejam eles bons ou ruins, são ditados na ponta da pirâmide e percorrerão o caminho traçado até o fim. Ou pelo menos deveriam.

Portanto, não posso deixar de fazer esta pergunta: se você é um líder, não importa em qual esfera, já percebeu que suas ações têm influência direta em como esta pirâmide se comporta ou vai se comportar ao longo do tempo? A falta de liderança ou o desalinhamento dos líderes são problemas graves, que podem comprometer o futuro do negócio, portanto, precisam ser encontrados, estudados e resolvidos a tempo.

A liderança, ou a falta dela, são ao mesmo tempo, espelhos e janelas. Mostram a nós mesmos, e o que está ao nosso redor. Não tenha medo de enxergar estas realidades e corrigi-las, sempre que preciso.

Por Anderson Siqueira | Contribuição: Consense

_______________________________

Sobre o autor

Anderson Siqueira  – É ex-aluno da Fundação Vanzolini, consultor e palestrante nas áreas de governança, inovação e desenvolvimento de pessoas.

*Os artigos assinados não necessariamente expressam a visão da Fundação Vanzolini.
As opiniões expressas no texto são de inteira responsabilidade do autor.

__________________________

Conheça alguns cursos que a Fundação Vanzolini oferece para dar um upgrade na sua carreira profissional e lhe tornar um bom líder: www.vanzolini.org.br/cursos

Quer receber os conteúdos e as novidades da Fundação Vanzolini no seu e-mail? Cadastre-se em nossa newsletter.

Comentários