Um baita exemplo de Inovação

Campanha Super Fórmula

A campanha ‘Super Fórmula’ incluiu uma nova roupagem para equipamentos e medicamentos utilizados nos tratamentos de crianças com câncer.

Um dos grandes nomes do Século XX, Peter Drucker ainda é um dos grandes pensadores que fundamentam os principais conceitos do mundo corporativo.

Em novembro de 2015, completou 10 anos que ele foi chamado para o andar de cima.

Ainda assim, ele continua muito presente. Talvez, para sempre, estará.

Um dos grandes motivos disso se deve principalmente a simplicidade de seus conceitos e pela sua obviedade.

Tudo realmente parece óbvio, depois que alguém faz com que se pareça assim.

Quase centenário quando nos deixou, Drucker acabou não vivendo intensamente o mundo tecnológico, do ponto de vista, de usar as milhares de ferramentas e sistemas existentes em nossos dias.

A verdade é que não houve a menor necessidade disso, e, certamente, se ainda estivesse por aqui, evoluiria seus conceitos sem grandes influências “ferramentais”.

Um exemplo disso diz respeito ao que ele sempre defendeu por ser inovação.

Juntamente com tantos outros importantes pensadores e especialistas no tema, Drucker sempre enfatizou a importância de se buscar novas abordagens, visões e pontos de vista, e essencialmente, através disso, obter melhores resultados.

Não há inovação, sem resultado prático.

Óbvio…

Pois é, há muitos que ainda fazem isso… felizmente.

A iniciativa apresentada, em foto, no início deste texto mostra um genial exemplo disso.

A partir de uma situação de extrema preocupação e tristeza, por envolver uma doença tão terrível durante a infância, os autores desta iniciativa, identificaram uma nova abordagem.

Mais que isso, fizeram acontecer.

Um mero recipiente com um adesivo de super-herói?

Não, muito mais que isso.

Uma quantidade enorme de valores e, porque não dizer, símbolos, enxertados em algo tão temerosamente triste.

Impensável não achar que crianças sem este problema também queiram.

Aliás, até mesmo os adultos.

Uma iniciativa efetiva totalmente compatível com os conceitos que fundamentam a inovação.

E por mais paradoxal que possa ser, nos dias atuais, sem que haja nenhum apelo ou necessidade tecnológica.

Longe de ser uma exceção, assim é toda e qualquer inovação.

Estamos falando de inovação.

Acreditar que ela deve estar fundamentada e/ou suportada por ferramentas e sistemas tecnológicos talvez seja mais que um erro.

Por José Renato Santiago.

________________________________

Clique no link para conhecer um pouco mais da ação ‘Super Fórmula’, desenvolvida no Hospital A.C. Camargo.

________________________________

Sobre o autor
José Renato Sátiro Santiago Junior – Professor da Fundação Vanzolini no MBA Executivo em Gestão de Operações – Produtos e Serviços, na pós-graduação em Gestão de Projetos em Tecnologia da Informação e no curso de capacitação de Aplicações para Gestão Estratégica do Conhecimento. Grande experiência no desenvolvimento de atividades relacionadas à Administração de Empresa, Gestão de Pessoas, Gestão de Projetos, Inovação e Gestão do Conhecimento. Atuação por mais de 20 anos em empresas nacionais e multinacionais nos segmentos de Óleo e Gás, Engenharia, Telecomunicações, Construção, Farmacêutico, Eletro-Eletrônico e Bens de Consumo. Mestre e doutor em Engenharia pela USP com pós-graduação em Marketing pela ESPM. Autor de dezenas de livros e artigos, dentre os quais se destacam, “Gestão do Conhecimento – A Chave para o Sucesso Empresarial.”, “Capital Intelectual – O Grande Desafio das Organizações.” e “Buscando o Equilíbrio”. Professor da FIA e PUC em cursos de MBA (Master of Business Administration). Administrador do site Boletim do Conhecimento onde publica artigos e ideias cujo tema central é o Mundo Corporativo, com cerca de mais de 10.000 leitores semanais.

Comentários