Um novo ano pode servir para quê?

Um novo ano
O que esperamos de um novo ano?

Por mais que tecnicamente seja apenas a passagem de um dia para o outro, com consequente mudança de uma unidade no ano, um novo ano significa muito mais que tudo isso.

É algo parecido como se fosse um marco.

Um novo início.

Uma nova chance.

Será que realmente é isso?

Ou é apenas uma necessidade que muitos de nós temos para começar algo diferente?

Como se fosse uma nova página, que nos permita o “daqui para frente, tudo será diferente”?

Talvez sim, talvez não.

Se for, quem sabe não seja apenas carência.

Como se realmente precisássemos disto para que possamos fazer diferença.

Na verdade, creio que não precisamos.

Podemos, certamente, a cada novo dia, mudarmos.

Fazer com que nossos valores se perpetuem em nossa vida.

Muitos conseguem isso.

Basta acreditar.

Algumas vezes a vontade de desistir é grande.

Afinal é o mais fácil.

Lutar e ir em frente é para poucos.

Cansativo…

Mas vale mais a pena.

Algumas vezes, olhamos para o lado e vemos situações que pode nos dá a impressão que a honestidade não vale a pena.

Difícil…

Muitos recriminam isso, apenas por uma questão de falta de oportunidade.

Como que se, uma vez envolvido no pacote, isto não importasse.

Pois importa.

Por mais que possamos nos deparar com inúmeras situações de dificuldades, o verdadeiro sucesso só aparece para aqueles que fizeram por merecê-lo.

O sucesso, no entanto, não tem qualquer relação com benefícios financeiros, como a própria sociedade nos leva a acreditar algumas vezes.

A maioria das vezes.

O sorriso de nossos filhos, sua admiração é algo muito maior.

O respeito de nossos amigos, sua confiança é algo para poucos.

Aliás, ter amigos é para poucos.

Amigo no verdadeiro sentido da palavra.

Por isso é que devemos realmente acreditar em nós mesmos.

Certamente somos responsáveis por nossa felicidade.

Seremos sempre aquilo que queremos e acreditamos.

Afinal, nada acontece por acaso.

Porque se for por acaso, não valeria a pena lutarmos tanto, não é mesmo?

Sobre o autor
José Renato Sátiro Santiago Junior – Professor da Fundação Vanzolini no MBA Executivo em Gestão de Operações – Produtos e Serviços, na pós-graduação em Gestão de Projetos em Tecnologia da Informação e no curso de capacitação de Aplicações para Gestão Estratégica do Conhecimento. Grande experiência no desenvolvimento de atividades relacionadas à Administração de Empresa, Gestão de Pessoas, Gestão de Projetos, Inovação e Gestão do Conhecimento. Atuação por mais de 20 anos em empresas nacionais e multinacionais nos segmentos de Óleo e Gás, Engenharia, Telecomunicações, Construção, Farmacêutico, Eletro-Eletrônico e Bens de Consumo. Mestre e doutor em Engenharia pela USP com pós-graduação em Marketing pela ESPM. Autor de dezenas de livros e artigos, dentre os quais se destacam, “Gestão do Conhecimento – A Chave para o Sucesso Empresarial.”, “Capital Intelectual – O Grande Desafio das Organizações.” e “Buscando o Equilíbrio”. Professor da FIA e PUC em cursos de MBA (Master of Business Administration). Administrador do site Boletim do Conhecimento onde publica artigos e ideias cujo tema central é o Mundo Corporativo, com cerca de mais de 10.000 leitores semanais.

Comentários