A Percepção Humana e a Assertividade

Percepção e Assertividade
Para clarificar as questões do comportamento assertivo, é preciso entender como se processa a percepção humana nas relações interpessoais. É através da percepção social que avaliamos as coisas e as outras pessoas que estão à nossa volta e damos os significados que satisfaçam aos nossos papéis e identidade.

Por causa da nossa percepção, interagimos, não com as pessoas ou objetos, mas com a imagem que fazemos deles. Portanto, para compreender o que é visto, é preciso compreender o próprio observador, assim como o que está realmente acontecendo.

A percepção humana é uma ponte de duas vias entre identidades e interações, possuindo, assim, uma característica dinâmica, pois o observador não faz um registro passivo dos acontecimentos externos; ao contrário, ele interfere em todas as fases do processo de percepção, colocando seus próprios dados internos.

Na verdade, as avaliações que fazemos das pessoas são, em geral, imprecisas. Diante disso, nossa tendência é: sermos excessivamente prudentes ou então, pressupormos rapidamente que as imagens superficiais que temos do outro são corretas. Essas pressuposições ou inferências sofrem influência direta dos nossos sentimentos decorrentes das experiências vividas por toda a vida.

Vivemos num mundo de crenças que, em geral, permanecem não testadas. Adotamos essas crenças porque elas se baseiam em conclusões inferidas do que observamos, acrescidas da nossa experiência passada. Sendo assim, nossa capacidade de alcançar os resultados que realmente esperamos fica corroída por nossas opiniões de que nossa crença é a verdade, pois ela é baseada em dados que selecionamos da situação.

Isso acontece com frequência em nossa vida, pois não conseguimos viver a vida sem acrescentar significados ou tirar conclusões. A recomendação é tornarmos nossa comunicação assertiva. Seguem algumas dicas:

  • Tornar consciência do próprio pensamento e raciocínio;
  • Tornar seu raciocínio e pensamento mais transparente para os outros;
  • Questionar a validade do seu pensamento;
  • Procurar os dados observáveis nos quais se baseiam nossas afirmações;
  • Checar se as outras pessoas estão vendo os mesmos dados;
  • Perguntar abertamente, quando tenho dúvidas: “Quando você disse x ,quis dizer Y?”;
  • Trocar feedback constantemente.

Conclusão: Seja assertivo! Não faça suposições, busque sustentação em fatos e dados.

Por Vera Martins

Entenda a importância da agilidade emocional para decisões assertivas num mundo ágil que exige foco e flexibilidade mental. E aprenda técnicas para aumentar a agilidade emocional, conheça nossos cursos de Liderança Assertiva Inteligência Emocional.

Sobre a autora

Vera Martins – Professora dos cursos de Liderança Assertiva e Inteligência Emocional na Fundação Vanzolini. Educadora, mestre em Comunicação e Mercado e especialista em medicina comportamental. É autora dos livros: ‘Seja Assertivo!’ e ‘Emocional Inteligente’. Foi executiva em Gestão de Pessoas por 20 anos e, no momento atua como coach, professora, palestrante e consultora organizacional. É facilitadora em seminários e workshops sobre: Liderança Assertiva, Negociação Eficaz, Gestão de Conflitos, Líder Coach, Gestão Emocional do Time, Formação de Times e Ética nas Relações de Trabalho. Palestrante em congressos de recursos humanos, com vários artigos publicados em revistas, jornais e sites especializados.

Receba os conteúdos e as novidades da Fundação Vanzolini no seu e-mail: Cadastre-se em nossa newsletter

Comentários