Estado de SP concentra maior quantidade de prédios verdes

Construção Sustentável
Existem dois selos principais no mercado de construções sustentáveis. o americano Leed (Leadership Energy and Enviromental Design), concedido pelo Green Building Council Brasil, e o Processo AQUA (Alta Qualidade Ambiental), da Fundação Vanzolini. Somando os dois, houve crescimento de 16% no segmento em 2013. Foram certificados 301 prédios verdes contra 259 no ano anterior. As obras concentram-se no Estado de São Paulo.

No caso do Leed, representam 60%, com 107 registros em 2013. Para o AQUA, a participação foi de 41%, com 51 selos: destaque para os 36 empreendimentos na capital, que respondeu por 70% do total do Estado.

A briga de mercado entre os dois principais selos verdes esquentou. Desde 2007, quando o primeiro edifício sustentável do Brasil, o ABN Amro Bank, recebeu certificação Leed, o segmento somou R$ 16,3 bilhões, tomando como base o valor estimado de vendas dos imóveis, segundo estudo da EY feito no fim do ano passado.

O americano Leed detinha a hegemonia em solo nacional. Em 2013, porém, o AQUA – que se originou do modelo francês HQE (Haute Qualité Enviromentale) e foi totalmente adaptado à realidade brasileira em 2008 – certificou 124 empreendimentos. Foi um salto de 210% em relação aos 40 edifícios do ano anterior.

Na contramão do crescimento do mercado, o Leed tropeçou no andaime e caiu 19%, comparando os 219 registros de 2012 com os 177 do ano passado. O selo americano manteve a liderança, mas o AQUA está subindo.

Diretor comercial da Sustentech desde dezembro, Marcos Casado, que era diretor técnico do Green Building Council Brasil no ano passado, demonstrou surpresa com a queda. Ele destacou o alto crescimento do rival do selo americano. “Nos projetos da Sustentech, hoje é praticamente 50% Leed e 50% AQUA”, diz, referindo-se aos trabalhos da sua consultoria.

Em março, o selo da Fundação Vanzolini passou a se chamar AQUA-HQE. “Agora, o cliente recebe o AQUA tradicional nas 14 categorias de desempenho e o HQE, da Cerway, igual ao do mundo inteiro”, diz o coordenador executivo da certificação, Manuel Martins. “Os critérios anteriores foram aperfeiçoados e alinhados com esse padrão internacional.”

Na opinião de Martins, uma das razões para explicar o crescimento do AQUA foi “a conscientização dos empreendedores e o reconhecimento do impacto positivo do AQUA no valor agregado dos produtos das construtoras”. Sua expectativa é de que empreendedores e o público incorporem a exigência da sustentabilidade na decisão de compra.

Manuel Martins explica ainda que a certificação AQUA-HQE ocorre nas três fases da obra: anteprojeto, projeto e construção. “Quando está pronto e entregue, fazemos a ultima verificação, e não voltamos lá”, explica. “Cabe aos proprietários, usuários e gestores prediais manter o empreendimento funcionando como foi construído e certificado, tal como o previsto.”

Do total de 215 empreendimentos já certificados pela Fundação Vanzolini desde 2008, 109 são edificações residenciais.

Fonte: O Estado de São Paulo

_________________________________

Atualização: Hoje, o AQUA-HQE já ultrapassou a marca de 300 certificados emitidos e chega para participar da Expo Arquitetura Sustentável – Feira Internacional de Construção, Reforma, Paisagismo e Decoração (26 a 28 de agosto, em São Paulo), como sendo a maior chancela de sustentabilidade para construção civil do Brasil. São mais de 5 milhões de m² e 10 mil unidades habitacionais certificadas, números que mostram o reconhecimento de empresas e entidades presentes na feira.

Acesse www.vanzolini.org.br/processoaqua e saiba mais sobre o processo de gestão total do projeto para obter a certificação da Alta Qualidade Ambiental do seu empreendimento.

Comentários