Notícia

Atrair talentos voltados para inovar é desafio para empresas

Ricardo Kahn, professor da Fundação Vanzolini no curso Open Innovation, foi um dos convidados para participar do debate da terceira edição do seminário Inovação no Brasil, realizado pela Folha nesta quarta-feira (28) em São Paulo.

O evento contou com o apoio do Governo do Estado do Ceará, da Secretaria de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo e do Instituto Coca-Cola Brasil e discutiu aspectos da situação da inovação e do empreendedorismo no país.

Atrair talentos voltados para inovar é desafio para empresas

Rodrigo Brito (esq.), gerente de acesso à água do Instituto Coca-Cola Brasil, Bernardo Gallina, vice-presidente da Whirlpool Latin America, Alexandre Baldy, secretário de Transportes Metropolitanos do estado de São Paulo e a jornalista da Folha, Érica Fraga, durante o seminário – Keiny Andrade/Folhapress

Atrair talentos voltados para inovar é desafio para empresas

Para que as empresas tenham um bom desempenho em um ambiente de inovação constante, como o que demanda o mercado atual, é essencial que os funcionários trabalhem com uma mentalidade voltada para a disrupção.

Atrair talentos voltados para inovar é desafio para empresas

Laboratório de Modelos e Ensaios da FAU-USP (LAME), onde fica o Fab Lab SP, o primeiro do Brasil. Foto: Divulgação

O contato com a universidade é um dos principais meios para conseguir esses talentos, segundo Bernardo Gallina, vice-presidente da Whirlpool, empresa que é dona de marcas como Consul e Brastemp no Brasil. “Formamos pouquíssimos especialistas em tecnologia da informação, por exemplo. Hoje, já falta gente para algumas funções”, disse.

“Devido à crise brasileira não sentimos ainda esse impacto tão forte, mas, com o fim da recessão, o volume de produção e o nível de inovação devem aumentar e, assim, vai faltar mão de obra especializada”, completou.

Para Ricardo Kahn, professor de inovação, empreendedorismo e engajamento de startups da Fundação Vanzolini, a transformação digital implica não apenas investimento e modernização de equipamentos, mas também a formação de diversas competências em recursos humanos. “É preciso preparar os profissionais para conseguirem lidar com isso.”

Pierre Lucena, presidente do Porto Digital e professor de finanças da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), defendeu a possibilidade de o Estado induzir os estudantes a procurarem as carreiras em ciência e tecnologia.

“São Paulo tem menos alunos de ciência da computação no estado inteiro do que tem alunos de direito apenas em uma faculdade. Temos mais de 4 milhões de bacharéis em direito no país, mas ninguém duvida que a área do futuro é a da tecnologia”, afirmou.

O Porto Digital, no centro histórico de Recife, é um parque tecnológico onde hoje trabalham 10 mil pessoas. O desenvolvimento de softwares é uma das principais operações ali. Lucena conta que a instituição nasceu em 2000 para gerar uma demanda local para esses profissionais.

Atrair talentos voltados para inovar é desafio para empresas

“O Brasil é um ambiente difícil para qualquer tipo de negócio, mas tem uma capacidade empreendedora muito grande. A gente vê o talento surgindo de todos os lados” Ricardo Kahn – professor de inovação da Fundação Vanzolini. Foto: Lucas Seixas / Folhapress

“Já formávamos muitos cientistas de computação e tínhamos bons profissionais no estado, mas as pessoas saíam de Recife para encontrar emprego. Criamos o Porto para que os recém-formados pudessem trabalhar”, disse.

As mudanças na dinâmica do mercado de trabalho também afetaram a captação desses talentos. De acordo com Gallina, muitos desses profissionais não querem mais ter emprego fixo em uma empresa. A saída veio na forma de parcerias temporárias, focadas em projetos para resolver problemas pontuais.

Outras empresas, como a Coca-Cola Brasil, procuram parcerias com empresas e startups que tenham atuação nas áreas em que precisam de reforço. “Buscamos atuar com quem já é referência dentro daquele ambiente”, afirmou Rodrigo Brito, gerente de acesso à água do Instituto Coca-Cola Brasil. A empresa também conta com uma incubadora para turbinar novas ideias de negócio.

No setor público, os desafios para reter talentos são maiores do que no setor privado, segundo Alexandre Baldy, secretário de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo.

“A remuneração é, geralmente, pouco atrativa e os riscos são elevados. Os trabalhadores que decidem atuar nessa área lidam com situações adversas constantemente. Há o medo de assinar algo e depois ser processado. Precisamos profissionalizar o setor público se quisermos atrair mais pessoas capacitadas”, disse o secretário.

Para que as empresas incorporem um ambiente de inovação, é preciso também aprender a tolerar as falhas que podem acontecer no caminho, alertou Ricardo Kahn, da Fundação Vanzolini.

“Chegam profissionais jovens e inspirados nas empresas, mas a inovação está sujeita a falhas. Isso é natural. Se começar a castigar esse trabalhador por ele não ter tido sucesso em seu projeto, ele vai ousar cada vez menos”, disse Kahn.

“Ter tolerância é um dos elementos-chave para alavancar a inovação”, completou.

Assista ao debate:

fonte:  Everton Lopes Batista | Folha de S. Paulo

Receba os conteúdos e as novidades da Fundação Vanzolini no seu e-mail: Cadastre-se em nossa newsletter

Deixar comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*