A importância dos processos de qualidade em relação à segurança do paciente

qualidade-processos-saude

Calcula-se que até 38% dos erros de medicação acontecem no momento da administração.

Edwards Deming, referência mundial em qualidade, já dizia que os maiores problemas estão na gestão dos processos e não nas pessoas. Na área de saúde então, é comum os problemas recaírem sobre seus profissionais. Contudo, por mais competentes que sejam os trabalhadores, quando submetidos a processos mal estruturados e sem controle, muitas vezes podem ser conduzidos a erros. Por isso mesmo, a implantação de processos de qualidade é tão importante para uma organização, em especial, de saúde.

Quando ocorre uma falha de identificação de matérias primas em uma indústria a consequência pode ser um lote de produtos reprovado na inspeção final, gerando retrabalho e desperdício de matéria prima. É claro que a possibilidade de falha humana nesse caso não é descartada. Mas, se o processo de identificação dos produtos tivesse sido melhor planejado e controlado, muito provavelmente, o erro humano não teria ocorrido.

No setor de saúde, o mesmo caso se apresenta no dia a dia em muitos de nossos hospitais. Eventualmente, ficamos sabendo através da imprensa de erros na administração de medicamentos em hospitais. Provavelmente, você se recorda da fatalidade ocorrida em 2010, quando uma auxiliar de enfermagem injetou vaselina em uma menina de 12 anos, em um hospital de São Paulo. Por mais que o caso tenha sido apontado como erro humano, se a identificação e a localização dos frascos de vaselina e de soro, não fossem praticamente iguais, dificilmente o triste fato teria ocorrido.

Assim como esse incidente, muitos outros casos acontecem diariamente. Contudo, a grande maioria acaba não sendo divulgados pela mídia, sejam eles sem ou com grandes consequências. Nos bastidores do segmento, calcula-se que até 38% dos erros de medicação acontecem no momento da administração. E o pior é que na saúde, infelizmente, muitas vezes, não temos como reverter as consequências. A dor daqueles que ficam não tem remédio.

Por isso, eu te pergunto: você sabe quanto custa investir em qualidade para evitar que casos como esse continuem acontecendo? Bom, te garanto que perto de todo o custo gerado pelo desperdício, retrabalho, desgaste da imagem na mídia e processos judiciais, qualquer que seja o investimento em qualidade, seu valor ainda será mínimo perto destes. O que acontece é que muitos gestores na área da saúde se mostram resistentes em implantar programas de qualidade, certificações e acreditações simplesmente por um puro desconhecimento sobre os benefícios da qualidade e da boa gestão para uma organização de saúde.

A boa notícia é que, felizmente, nos últimos anos, o número de organizações de saúde que investem de forma profissional e organizada na melhoria de seus processos e gestão, buscando, por exemplo, uma certificação ISO 9001 ou uma Acreditação ONA, está aumentando de forma significativa. Só assim poderemos contar com serviços mais eficientes que, de fato, assegurem a vida de seus pacientes e o emprego de profissionais através da excelência de sua gestão. Sem dúvida, a sociedade agradece!

Por Patrícia Turbay

____________________

Patrícia Goulart Turbay é Avaliadora Líder na Fundação Vanzolini, instituição acreditadora credenciada pela Organização Nacional de Acreditação – entidade não governamental que objetiva promover avaliação constante e aprimoramento contínuo nos serviços de saúde, melhorando a qualidade e a segurança da assistência no Brasil.

fonte: Portal Hospitais Brasil

Comentários