Notícia

Segmento habitacional puxa o crescimento do Processo AQUA

Lançado em 2008 para prédios comerciais e de serviços, o Processo AQUA, da Fundação Vanzolini, atendeu uma demanda do setor corporativo e não parou mais de crescer. Pouco tempo depois, a entidade identificou uma procura pela certificação no setor residencial e, em fevereiro de 2010, o AQUA para edifícios habitacionais chegou ao mercado brasileiro e logo chamou a atenção dos empreendedores.

Em pouco mais de 15 meses – o primeiro empreendimento foi contratado em junho de 2010 – o referencial técnico AQUA para edifícios habitacionais acumula um portfólio de 13 edifícios mais um condomínio com quatro prédios e 80 casas. “E estamos avaliando propostas para mais 6 empreendimentos”, comemora Manuel Carlos Reis Martins, coordenador executivo do AQUA. 

Avaliações e auditorias presenciais em várias fases do empreendimento verificam os níveis de desempenho (excelente, superior e bom) nos 14 critérios da Alta Qualidade Ambiental. “A certificação da fase Programa permite usar a marca Processo AQUA no lançamento, com base no comprometimento e na demonstração, pelo empreendedor, que ele quer, sabe como e tem o recurso para fazer um empreendimento de Alta Qualidade Ambiental”, explica Martins. As fases da certificação acompanham as fases do projeto, de modo que os certificados sejam concedidos, caso constatada conformidade com o referencial técnico, ao final do Programa, ao final da Concepção e ao final da Realização.

Para o controle total do projeto, por meio do Sistema de Gestão do Empreendimento, o empreendedor necessita um Assistente AQUA, que orienta as equipes técnicas sobre a aplicação dos critérios, além de verificar se são atendidos pelas soluções de projeto e de auxiliar na elaboração das justificativas dos desempenhos. O assistente AQUA pode ser contratado ou o empreendedor pode usar equipes próprias, desde que tenham tempo e desenvolvam as competências necessárias para essa função. Para avaliar o assistente AQUA e cada etapa de avaliação duram de um e meio a três dias, conforme a complexidade do projeto.”O AQUA não é uma coleção de soluções nem uma pilha de materiais nem ecológicos, mas sim um projeto coerente, que ofereça condições de conforto, saúde e baixos impactos ambientais quando o usuário passa a ocupar a edificação”, explica o coordenador.

O Processo AQUA não obriga o empreendedor a se comprometer com essa ou aquela tecnologia, esse ou aquele processo construtivo. O AQUA não faz referência a um sistema de aquecimento solar, por exemplo, em um prédio habitacional mas, sim, que deve economizar energia e procurar viabilizar o uso de energia renovável local. “Hoje, um projeto sem critérios de sustentabilidade entra no mercado defasado em termos de tecnologia da construção”, assevera Martins. Os benefícios para o empreendedor – que deve organizar os trabalhos dos agentes que trabalham durante o projeto e a obra – são evidentes: aumentar a velocidade de vendas ou locação, manter o valor do patrimônio ao longo do tempo e associar a imagem da empresa à Alta Qualidade Ambiental dos empreendimentos.

Ampliando a escala territorial, a Fundação Vanzolini trabalha com um referencial técnico para bairros com a certificação AQUA, adaptado a partir da experiência do bairro Rive Gauche de Paris e do HQE Aménagement francês. Na França, mais de 20 bairros encontram-se em avaliação pelo Certivéa, com o referencial HQE. “No Brasil, já temos três projetos pioneiros de bairros em andamento”, adianta Martins. Dessa forma, Fundação Vanzolini consolida a liderança nesse mercado, com 42 empreendimentos certificados pelo Processo AQUA até setembro de 2011.

Mais informações sobre o Processo Aqua acesse www.processoaqua.com.br